Bairro São Vicente, em Itajaí, é marcado pelo desenvolvimento - Cidades - O Sol Diário
 
 

Série30/06/2013 | 19h55

Bairro São Vicente, em Itajaí, é marcado pelo desenvolvimento

Bairros. Quase uma cidade, o segundo bairro visitado pelo Sol Diário está entre os que mais crescem em Itajaí

Bairro São Vicente, em Itajaí, é marcado pelo desenvolvimento Rafaela Martins/Agencia RBS
Alfonso Debatin, comerciante, apresenta o que mais gosta no bairro Foto: Rafaela Martins / Agencia RBS
Dono de vida própria e de um comércio vibrante, o Bairro São Vicente é o segundo mais populoso de Itajaí, de acordo com o IBGE. São mais de 31 mil habitantes, o que significa que comportaria duas vezes a população da cidade de Bombinhas – gente vinda de todos os lugares, que criou ali uma comunidade com cara própria.

Na segunda reportagem da série Itajaí Bairro a Bairro, o Sol Diário mostra o local que, marcado pela abundância de serviços e por um crescente desenvolvimento, já viu nascerem até tendências separatistas. Hoje, mesmo independente do resto da cidade, o São Vicente mantém-se peixeiro, no jeito de ser e na relação íntima que mantém com os rios.

– Desde que cheguei aqui, em 1990, já era um bairro promissor. Hoje, não mudaria minha casa nem meus negócios para outro lugar – diz Alfonso Debatin, comerciante e convidado do Sol Diário para mostrar o bairro através de seu ponto de vista.

Debatin é presidente do núcleo comercial da Rua Estefano José Vanolli, principal via do São Vicente e um dos mais movimentados pontos comerciais de Itajaí. Grandes redes de móveis e eletrodomésticos dividem espaço com lojas de roupas e conveniências, numa variedade digna do Centro – mas com horário estendido, já que o bairro tem lojas que abrem até aos domingos.

Não à toa, é ao redor da Estefano que as construções têm crescido no São Vicente. A verticalização tem, aos poucos, mudado a cara de algumas das principais ruas do bairro. Mas ainda não foi suficiente para deixar passarem despercebidas as fileiras de casas que se estendem por ali.

– O bairro cresceu, veio muita gente de fora, mas ainda existe aquela cultura de as pessoas se conhecerem. Embora saibamos que é algo que, com o desenvolvimento, vai aos poucos se exaurindo – comenta Debatin.

Lar de muita gente

Nos últimos anos, o São Vicente tem atraído gente vinda de todo o país, que chega a Itajaí em busca de trabalho. Paranaenses e gaúchos são maioria, mas o bairro também tem sentido chegada dos nordestinos. A influência é tanta, que o bairro já tem uma festa típica e loja exclusiva de produtos do Norte e Nordeste, com direito a rapadura, quebra-queixo e buchada.

Bairro precisa de melhorias

Num bairro tão grande, os problemas também ganham maior dimensão – e o mais grave deles, no São Vicente, é a suscetibilidade a enchentes. Pelo menos duas deixaram muito estrago, em 1980 e 2008.

Debatin, que viu sua loja tomada por meio metro de água cinco anos atrás, brinca dizendo que o bairro é quase uma ilha, banhado pelo Rio Itajaí-Mirim de um lado, e pela Retificação do Itajaí-Mirim de outro.

– É preciso dragar o Itajaí-Mirim e manter o canal do Itajaí-Açu dragado, para que a água escoe com mais facilidade – diz o comerciante.

Ele cita ainda, entre as melhorias necessárias ao São Vicente, a extensão da rede de esgoto, ampliação no número de creches, e mais segurança. Entre os comércios vizinhos ao dele, a maioria já foi vítima de assaltos – o que o levou a recolher assinaturas pedindo mais policiamento.

– O bairro tem suas deficiências, mas é um local muito bom para se morar – garante.

O SOL DIÁRIO

Mais sobre

O Sol Diário
Busca