Estudante de Balneário Camboriú trocou universidade pela vida no convento aos 19 anos - Cidades - O Sol Diário
 

Reportagem especial08/08/2014 | 19h01

Estudante de Balneário Camboriú trocou universidade pela vida no convento aos 19 anos

Jovem leu reportagem sobre a vida na clausura em revista católica e sentiu-se chamada

Estudante de Balneário Camboriú trocou universidade pela vida no convento aos 19 anos  Rafaela Martins/Agencia RBS
Há nove anos no carmelo, Irmã Lúcia Maria da Santíssima Trindade estudava Engenharia Civil quando fez a escolha Foto: Rafaela Martins / Agencia RBS

O chamado à vocação religiosa é para as carmelitas, freiras que vivem na clausura, uma certeza transcendental. Foi assim com Irmã Lúcia Maria da Santíssima Trindade, que aos 19 anos deixou o curso de Engenharia Civil na Furb, em Blumenau, e a casa da família, em Balneário Camboriú, para se dedicar ao Convento de Santa Tereza, no Morro de Cabeçudas, em Itajaí.

Diz que as festas e os interesses das meninas de sua idade já não faziam sentido. Um dia, leu uma reportagem em uma revista católica sobre a vida contemplativa e sentiu-se chamada.

LEIA TAMBÉM 
O cotidiano atrás das grades de mulheres que escolheram viver na clausura em convento de Itajaí

Por duas vezes chegou a pegar o buquê da noiva em casamentos, mas afirma que já tinha certeza de que caminho seguir.

— Uma voz me dizia que meu marido seria muito especial. Eu sabia que era Jesus — conta a jovem que está há nove anos no convento.

Ao aceitar os votos, pela tradição católica, as freiras se tornam "esposas" de Jesus. No Carmelo, as meninas são aceitas quando completam 18 anos. Antes de fazerem os votos passam primeiro por uma espécie de estágio, que dura um ano. Depois são dois anos de noviciado, ao fim dos quais a irmã faz votos temporários. Depois de três ou quatro anos, faz os votos perpétuos.

— São os mesmos votos das outras congregações, mas mais radicais — explica Madre Terezinha de Jesus, que há 44 anos está no convento.

Segundo ela, diminuiu nos últimos anos o número de moças que procuram a clausura porque "hoje custa mais aos jovens dizer sim a Deus". No momento há quatro garotas conhecendo o convento, duas catarinenses, uma de São Paulo e outra de Goiás.

Assista ao vídeo:

Com a família no coração

A opção pelo Carmelo não foi surpresa para a família de Irmã Christy'Maria da Trindade, a madre superiora do convento. A mãe, dona Marli, diz que desde cedo ela era mais quieta, diferente dos irmãos. E sempre procurou muito a igreja.

Secretamente, o único pedido que a mãe fez a Deus foi que a filha não entrasse em um convento muito longe de casa. Acabou sendo atendida. A família mora em Brusque, e consegue ter uma relação tão próxima quanto é possível com Irmã Christy.

Mesmo enclausurada, a freira faz parte da vida da família. Um porta-retrato com a foto dela é colocado sobre a mesa sempre que há uma comemoração. E, da maneira que pode, a Irmã paticipa, à distância, até mesmo do Natal de casa.

— Meu filho pega o papelzinho do amigo secreto para ela. Depois, busca o presentinho que ela quer dar. Junto, sempre vem uma cartinha muito bem escrita, sempre muito bonita.

Dona Marli diz que não se entristece com a falta da filha.

— Vemos tanta coisa ruim neste mundo, tantos casais que têm uma vida difícil, gente sofrendo com os filhos, e sei que lá ela está muito feliz.

O que são as carmelitas?

Carmelitas são freiras que pertencem à Ordem da Bem-Aventurada Virgem Maria do Monte Carmelo, que remonta ao profeta Elias e aos primeiros ermitãos do Monte Carmelo.

Praticam a clausura monástica, afastando-se do mundo exterior para uma vida de oração e contemplação.

Há no mundo mais de 800 mosteiros femininos. No Brasil, são 52.

Confira imagens da vida dentro do mosteiro

O SOL DIÁRIO

O Sol Diário
Busca