Comissão de Direitos Humanos da Alesc se manifesta sobre atuação da PM nos protestos na Capital  - Cidades - O Sol Diário

Manifestações05/09/2016 | 16h36Atualizada em 05/09/2016 | 16h43

Comissão de Direitos Humanos da Alesc se manifesta sobre atuação da PM nos protestos na Capital 

Nota oficial é assinada pelo presidente da comissão, deputado estadual Dirceu Dresch (PT)

A Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc) divulgou nesta segunda-feira uma nota oficial em que repudia "o emprego exacerbado da força policial" nas manifestações de protesto realizadas em Florianópolis nos dias 31 de agosto e 2 de setembro. O texto é assinado pelo presidente da comissão, o deputado estadual Dirceu Dresch (PT).

Recentes protestos acendem o debate sobre melhor forma de sair às ruas
Entenda o que a Constituição Federal fala sobre as manifestações
Voluntários fazem mutirão para limpar pichações após protesto
Por que Florianópolis se destaca nos protestos contra o impeachment

Confira abaixo a íntegra da nota:

"A Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina, por intermédio do seu Presidente, vem a público manifestar preocupação com a forma como a Polícia Militar de Santa Catarina vem atuando em relação às manifestações de protesto contra o impeachment da Presidente da República Dilma Rousseff.

"Repudiamos o emprego exacerbado da força policial, como o registrado na última sexta-feira, 2, no centro de Florianópolis, para reprimir manifestação pacífica. É inaceitável a operação de guerra que foi montada para coibir e intimidar as organizações sociais e os demais participantes da mobilização que protestavam contra o governo ilegítimo de Michel Temer. 

"Lamentamos que a liberdade de expressão e manifestação de pensamento sejam tolhidas neste momento e registramos que a forma de tratamento tem sido diferenciada, se comparada ao comportamento que o Comando da  PM teve em  relação aos manifestantes pró-impeachment, em outro momento.

"Entendemos que o direito de manifestação não inclui nem autoriza atos de violência contra pessoas, contra o patrimônio público ou particular, mas também alertamos que as forças de segurança devem ser pautadas pelo bom senso.

"É obrigação do  Estado garantir  a segurança  e o direito dos cidadãos que fazem a livre manifestação democrática, sem colocá-los em risco. O confronto leva a atitudes extremadas e prejudica a democracia,  que deve ser construída com diálogo e  respeito, a fim de evitar que aflorem o medo e a insegurança que levam a  excessos, seja por parte do aparato do Estado ou das pessoas que ali estão se manifestando. Florianópolis, 5 de setembro de 2016. 

"Deputado Estadual Dirceu Dresch
Presidente da Comissão de Direitos Humanos
Assembleia Legislativa de Santa Catarina"

Ato contra Temer em Florianópolis termina em confronto com a PM
Movimentos sociais e militantes protestam contra Temer na Capital
Temer condena depredações e avalia protestos: "São grupos mínimos"

Siga as últimas notícias do Diário Catarinense

Comentar esta matéria Comentários (0)

Esta matéria ainda não possui comentários

Siga O Sol Diário no Twitter

  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioBahia pressiona e vence o Criciúma por 2 a 0 na Arena Fonte Nova https://t.co/T1l5uG2Xlfhá 9 horas Retweet
  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioMenino que bebeu suco envenenado em Itajaí morre no hospital https://t.co/ilNGmR644Hhá 9 horas Retweet
  •                                
  •  
     
  •  
     
  •  
O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros