Confira 3 sugestões práticas que devem integrar a Base Nacional Curricular Comum - Cidades - O Sol Diário

Educação Básica17/09/2016 | 09h22Atualizada em 17/09/2016 | 13h59

Confira 3 sugestões práticas que devem integrar a Base Nacional Curricular Comum

Alfabetização na Educação Infantil, aprofundamento de temáticas no Ensino Fundamental e desenvolvimento de competências no Ensino Médio são as apostas de 9 mil professores de todo o país

Confira 3 sugestões práticas que devem integrar a Base Nacional Curricular Comum Betina Humeres/Agencia RBS
Relatório está com o Ministério da Educação, que deve levar em consideração as propostas e formalizar uma terceira versão do texto Foto: Betina Humeres / Agencia RBS

O relatório com as sugestões enviadas por representantes de todos os Estados brasileiros para a concepção da Base Nacional Curricular Comum, uma agenda de nível nacional que pretende padronizar o conteúdo do ensino básico no Brasil, foi entregue ao Ministério da Educação (MEC) na última quinta-feira. O documento, elaborado pelo Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed) e pela União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), servirá de base para uma terceira versão que, por sua vez, será enviada ao Conselho Nacional de Educação (CNE). 

A expectativa é que o texto da Base comece a tramitar para ser aprovado no início de 2017. No segundo semestre, os professores serão capacitados para, então, aplicarem as novas diretrizes de ensino em 2018. 

— O documento deixa muito mais clara a concepção da Base Comum desde o início da Educação Básica. Este trabalho deve ajudar bastante na elaboração de um documento que seja mais factível e que possibilite uma melhor apropriação por parte do educador e da sociedade do que ensinar e aprender e que possa chegar aos resultados que a gente precisa — destaca o secretário de Estado da Educação de SC e presidente do Consed, Eduardo Deschamps

Leia mais:
Moacir Pereira: Secretário da Educação entrega proposta de 9 mil professores para Base Nacional Curricular Comum
Catarinenses fazem sugestões para base curricular comum nas escolas
SC discute adoção de base curricular comum a todas as escolas do país
Governo de SC lança comissão para discutir integração nacional de currículos na educação básica

Ainda em Brasília, Deschamps antecipou ao Diário Catarinense três sugestões práticas que foram consenso em todos os Estados participantes da concepção do relatório. Confira: 

1) Alfabetização iniciada na Educação Infantil
De maneira lúdica, a ideia é que as crianças tenham contato com ferramentas ou instrumentos que possam desenvolver a alfabetização ainda na Educação Infantil. De acordo com o secretário, é importante apostar em habilidades que serão úteis para elas logo na sequência do currículo escolar. 

— Um exemplo é que os professores leiam para a criança. Ou que a matemática já seja abordada, mas com brinquedos.

Leia mais sobre Educação em Santa Catarina
Veja tudo sobre Estilo de Vida em SC

2) Menos conteúdo, mais aprofundamento no Ensino Fundamental
Segundo Deschamps, hoje há um excesso de conteúdo abordado nas aulas do Ensino Fundamental. O pior disso tudo, conforme o secretário, é que na maioria das vezes é abordado de forma superficial e simplificada. Nesse sentido, a ideia é que se diminua o número de temas tratados, mas que se procure maior aprofundamento. 

— A ideia é que os alunos aprendam temáticas realmente relevantes e de maneira mais completa. E não aprender um monte de coisas que não são necessariamente úteis — detalha o líder da Educação no Estado. 

Estado de SC estabelece metas para Educação até 2024
Mentes brilhantes: veja as características de quem é superdotado
Professores de SC estão entre os canais mais vistos do Youtube

3) Competências em vez de disciplinas Ensino Médio
Atualmente o Ensino Médio é composto por 12 disciplinas obrigatórias. Geralmente, os ensinamentos dessas matérias são transmitidos unicamente com a intenção de fazer com que os alunos sejam aprovados no vestibular. Dessa forma, há desestímulo e, consequentemente, evasão alta. 

Por esse motivo, a Base deve apostar em competências a serem desenvolvidas pelos estudantes no lugar das disciplinas. A intenção, conforme Deschamps, é que cada rede possa definir a trajetória a ser seguida pelo aluno e que ele também participe dessa decisão com base em seus interesses. 

— Resiliência, comunicação e lógica são exemplos das competências que poderão ser trabalhadas a partir do desenvolvimento de metodologias específicas que vão além da resolução de problemas, mas que contribuam para a verdadeira formação — exemplifica.

O documento na íntegra pode ser conhecido no site dos Seminários Estaduais.

Entenda como funcionará a BNCC Foto: Arte / Diário Catarinense

Linha de produção: como devem ser as escolhas sem partido
Projeto melhora produção dos alunos em escolas de Brusque

Comentar esta matéria Comentários (0)

Esta matéria ainda não possui comentários

Siga O Sol Diário no Twitter

  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioPresidente Michel Temer e a esposa decidem se mudar para o Palácio da Alvorada https://t.co/KYFOCmnZC0há 3 minutosRetweet
  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioPEC dos gastos públicos: deputado diz que saúde e educação não terão cortes  https://t.co/DnWtcJta83há 2 horas Retweet
  •                                
  •  
     
  •  
     
  •  
O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros