Ideb 2015: SC é primeiro colocado no ranking do ensino fundamental, mas mantém queda no ensino médio - Cidades - O Sol Diário

Educação 08/09/2016 | 17h11Atualizada em 08/09/2016 | 20h35

Ideb 2015: SC é primeiro colocado no ranking do ensino fundamental, mas mantém queda no ensino médio

Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), ferramenta do MEC para avaliar o ensino brasileiro, foi divulgado nesta quinta-feira

Ideb 2015: SC é primeiro colocado no ranking do ensino fundamental, mas mantém queda no ensino médio Betina Humeres/Agencia RBS
Foto: Betina Humeres / Agencia RBS

Santa Catarina apresenta duas realidades quando o assunto é educação. De um lado, bons resultados no ensino fundamental. De outro, um cenário de reprovação e evasão escolar de alunos no ensino médio. É o que mostram os resultados do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), ferramenta do MEC para avaliar o ensino brasileiro, divulgados nesta quinta-feira. O Ideb é calculado com base no fluxo escolar (taxa de aprovação, reprovação e abandono) e o desempenho de estudantes em português e matemática. Os dados levam em conta todas as redes de ensino.

Nos anos iniciais do ensino fundamental (5º ano), Santa Catarina apresentou a segunda melhor nota (só atrás de São Paulo) com 6,3. Nos anos finais (9º ano), o Estado reassumiu a liderança nacional, que tinha perdido em 2013 — quando caiu para a quarta posição, atrás de Minas Gerais, Goiás e São Paulo. 

Veja as 10 escolas com as maiores notas do ensino fundamental em Santa Catarina no Ideb 2015

Nas três categorias de avaliação, SC só alcançou uma das metas estabelecidas pelo MEC para 2015. Os primeiros anos do ensino fundamental foram bem avaliados, enquanto o ensino médio e os últimos anos do ensino fundamental ficaram abaixo das expectativas do governo federal.

Para o gerente de projetos do movimento Todos pela Educação, Olavo Nogueira Filho, é fundamental levar em consideração a situação socioeconômica privilegiada do Estado, que reflete nos bons índices educacionais. Porém o Estado, assim como o país, deve se preocupar com a continuidade das ações, principalmente nos anos finais na escola. 

O professor do Programa de Pós Graduação em Educação da Udesc, Lourival José Martins Filho, defende que o êxito no ensino fundamental está no acompanhamento pedagógico mais individualizado, o que não acontece no ensino médio. 

O secretário do Estado de Educação, Eduardo Deschamps, lembra que SC tinha tido problemas com os anos finais do fundamental devido a implantação do 9º ano, o que acabou impactando no aprendizado de algumas turmas. Porém, ressalta que conseguiram reverter o quadro e os resultados de hoje comprovam isso. 

Desempenho em matemática e leitura cresce em todos os níveis do Ensino Fundamental no Brasil

— A gente teve um avanço muito expressivo nesta faixa — reforça o secretário.

Já no ensino médio (3º ano), não há motivos para comemorar. Enquanto a média das escolas brasileiras está estagnada em 3,7 (escala de 0 a 10) nos últimos três levantamentos, Santa Catarina apresentou a segunda queda consecutiva, mas se manteve um pouco acima da média do país. O índice estadual caiu de 4 (em 2013) para 3,8 em 2015. Mesma média alcançada em 2005 no Estado. 

— No ensino médio mora o grande problema. Os dados mostram que não é questão de ajustar, mas reformular este segmento, que está em um patamar muito abaixo do esperado — diz Olavo Filho. 

Para o especialista, os principais desafios estão na falta de atratividade - com currículo extenso e curta jornada, além da ausência de políticas de educação integral para os adolescentes. 

Deschamps acrescenta que os desafios do ensino médio aparecem inclusive na rede privada, onde a média catarinense também caiu. 

— A nossa nota da prova é uma das melhores do país, o nosso problema está na taxa de abandono e reprovação. Tem alunos que não vieram preparados no ensino fundamental e acabam desistindo ou reprovando. 

Para o professor da Udesc, no ensino médio é necessário que o jovem catarinense tenha mais autonomia e atenção focada para os conteúdos curriculares, o que não vem acontecendo:

_ Na escola particulares muitos conteúdos são apenas decorados para aprovação no vestibular e nas escolas publicas as lacunas conceituais dos anos anteriores não são recuperadas nesta etapa de ensino. O governo tem motivos para se preocupar com o ensino médio.


O secretário diz que nesta sexta-feira acontece uma reunião com parceiros que estão trabalhando no novo modelo de ensino médio para SC. Eles irão usar a experiência de Pernambuco, Estado que conseguiu avançar muito nesta área nos últimos anos, como referência. Algumas das mudanças previstas são implementar currículos novos e integração com a educação profissional. 

SC cai no ensino médio, mas segue entre melhores no ranking da educação

O QUE É O IDEB? 

O Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), divulgado a cada dois anos, foi criado em 2007 para medir a qualidade das escolas e das redes de ensino no Brasil.

Ele é calculado com a combinação de dois conceitos educacionais importantes: o fluxo escolar (a taxa de aprovação, reprovação e abandono) e o desempenho de estudantes em avaliações que medem o conhecimento em português e matemática, considerados base para para as demais disciplinas do currículo escolar.

As provas que avaliam os estudantes são a Prova Brasil e o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica (Saeb).

O Saeb avalia, por amostragem, alunos do 5º e 9 º anos do ensino fundamental, e do 3º ano do ensino médio, em matemática e português, de escolas públicas e particulares.

Já a Prova Brasil é um exame nacional de português e matemática aplicado ao 5º  e 9 º anos de escolas públicas.

QUAL RESULTADO SE PRETENDE ATINGIR?

A meta do Plano de Desenvolvimento da Educação é que o Ideb do Brasil seja 6 em 2022. Esta média é um padrão definido como aceitável para os membros da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico, o clube das 34 nações mais desenvolvidas.

Com os resultados, o governo determina metas para a educação e planeja a distribuição de recursos. Além disso, diretores e professores ficam sabendo como está o trabalho e podem promover mudanças.

Os dados demonstram o resultado da turma e ajudam professores a analisar em que nível de aprendizado os estudantes se encaixam. Para cada nível, o MEC sugere o assunto que o aluno deveria dominar.



Comentar esta matéria Comentários (0)

Esta matéria ainda não possui comentários

Siga O Sol Diário no Twitter

  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioPresidente Michel Temer e a esposa decidem se mudar para o Palácio da Alvorada https://t.co/KYFOCmnZC0há 3 minutosRetweet
  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioPEC dos gastos públicos: deputado diz que saúde e educação não terão cortes  https://t.co/DnWtcJta83há 2 horas Retweet
  •                                
  •  
     
  •  
     
  •  
O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros