Mortes crescem 11,7% nas rodovias federais que cruzam Santa Catarina - Cidades - O Sol Diário

De janeiro a agosto08/09/2016 | 06h09Atualizada em 08/09/2016 | 06h09

Mortes crescem 11,7% nas rodovias federais que cruzam Santa Catarina

Aumento contrasta com uma queda de 37,5% nas rodovias estaduais

Mortes crescem 11,7% nas rodovias federais que cruzam Santa Catarina Marco Favero/Agencia RBS
Aumento contrasta com uma queda de 37,5% nas rodovias estaduais no mesmo período Foto: Marco Favero / Agencia RBS
leonardo gorges

O número de mortes em acidentes de trânsito nas rodovias federais que cruzam Santa Catarina cresceu 11,7% nos primeiros oito meses deste ano na comparação com o mesmo período de 2015. Em números absolutos, isso representa 33 mortes a mais em 2016 do que no ano passado. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal, 315 pessoas perderam a vida em acidentes nas BRs catarinenses entre 1º de janeiro e 20 de agosto deste ano, enquanto o número de mortes nesse mesmo intervalo de tempo em 2015 foi de 282.

O crescimento do número de vítimas nas estradas administradas pela União contrasta com uma queda expressiva nas rodovias estaduais. Entre janeiro e agosto deste ano, morreram 135 pessoas nas SCs contra 216 em 2015, o que representa uma diminuição de 37,5%. Se a estatística somar os números das estradas federais com os das estaduais, também há uma diminuição na quantidade de vítimas: 498 em 2015 contra 450 em 2016.

Nos últimos anos, a tendência era de queda nas mortes em acidentes de trânsito nas BRs. A situação, no entanto, não se manteve nos primeiros dois terços do ano em Santa Catarina. Para o inspetor da Polícia Rodoviária Federal no Estado Adriano Fiamoncini, o aumento se explica pelo alto número, nos últimos tempos, de acidentes com muitas vítimas dentro de um mesmo veículo, em especial nos meses de março e abril. Um desses casos ocorreu no fim de abril, quando seis pessoas da mesma família morreram em uma colisão na BR-153, em Água Doce, no Oeste.

— Quando há muitas ocorrências deste tipo, elas jogam a estatística para cima — diz Fiamoncini.

O inspetor afirma que ainda não é possível ter certeza de que 2016 terminará com mais mortes nas estradas federais do que o ano anterior. Segundo ele, o fim do ano costuma ser um período de muitos acidentes devido ao aumento no tráfego em função das festividades do período, o que pode elevar ainda mais a estatística. 

Mais fiscalização ajudou a diminuir mortes nas SCs 

Para o coronel Fábio Martins, do Comando de Policiamento Rodoviário, responsável pelas estradas estaduais, a queda de 37,5% nas mortes nas SCs neste ano foi causada por um aumento na fiscalização, especialmente sobre o excesso de velocidade.

— Nós intensificamos muito a Operação Radar. Por meio do nosso setor de planejamento, identificamos pontos críticos e vimos que o excesso de velocidade era um dos principais causadores de acidentes. Vem dando resultado — afirma Martins.

Dentro da Polícia Militar Rodoviária, a expectativa é de que 2016 termine com o menor número de mortes em rodovias dos últimos 10 anos. Caso a média se mantenha até o fim do ano, é possível que haja menos de 200 vítimas nas estradas estaduais, bem abaixo dos 276 óbitos registrados em 2007, quando houve a menor quantidade de mortes nas estradas estaduais na estatística da PMRv. O ano com a maior quantidade de mortes foi 2012: 414.

— Quando conseguimos manter (o número de vítimas), já é uma vitória. Então é um número bastante positivo — complementa o coronel.

Embora tanto PRF quanto PMRv divulguem dados anuais sobre as mortes nas estradas, as duas instituições admitem que a quantidade de vítimas é maior do que o repassado. Isso ocorre porque as mortes em hospitais em horas ou dias seguintes aos acidentes não entram nas estatísticas.

— É padrão. Não temos esse controle — conta Fiamoncini. 

Taxa de mortes é alta em comparação à malha viária

 Santa Catarina ocupa a quarta colocação no ranking dos Estados com mais mortes em estradas federais. Segundo dados da PRF de 2015, compilados em uma pesquisa nacional, SC só ficou atrás de Minas Gerais (961), Bahia (641) e Paraná (584). No ano passado, foram 455 óbitos em BRs catarinenses. A diferença é que, proporcionalmente ao tamanho da malha viária, SC possui uma taxa maior de mortes para cada mil quilômetros: 122. Nesse quesito, ficou atrás apenas de estados com malha viária menor como Rio de Janeiro (152), Sergipe (152), Pernambuco (139) e Alagoas (123).

Para o coordenador do movimento SOS Estradas, Rodolfo Alberto Rizzotto, as estradas catarinenses costumam registrar muitas mortes porque cortam cidades do interior, sendo as principais vias locais, como avenidas ou ruas de muito tráfego. Em razão disso e por falta de sinalização adequada, são grandes os números de atropelamentos.

— Essa é uma situação muito comum no interior do Brasil — diz.

Ainda segundo Rizzotto, embora Santa Catarina tenha registrado um aumento nas mortes em 2016, a tendência dos últimos anos tem sido de queda. Em 1996, quase 800 pessoas morreram nas BRs catarinenses, com uma frota três vezes menor. Para isso, entre as razões apontadas por Rizzotto estão o aumento da tecnologia embarcada nos carros e a duplicação da BR-101.

Segundo o inspetor Fiamoncini, da PRF, a principal causa de mortes nas estradas simples são as colisões frontais, enquanto nas duplicadas os principais motivos são atropelamentos e saídas de pista.

Para o professor Valter Zanela Tani, do Laboratório de Transportes e Logística da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), é preciso criar uma campanha nacional de conscientização dos motoristas, pois, segundo ele, a grande maioria dos acidentes é ocasionada por imprudência ao volante.

 — Isso até independe do fato de a rodovia ser duplicada ou não. Não digo que duplicar é ruim, mas também se aumenta a velocidade e muitos não respeitam, ficando em situação de risco — conta.

Comentar esta matéria Comentários (0)

Esta matéria ainda não possui comentários

Siga O Sol Diário no Twitter

  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioJosé Aldo fala em aposentadoria e desce a lenha sobre tratamento do UFC https://t.co/YcTf4i0O5mhá 1 horaRetweet
  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioSC Que Dá Certo encerra primeira edição com resultados positivos e sucesso de público  https://t.co/tSPyZ2LX0Mhá 6 horas Retweet
  •                                
  •  
     
  •  
     
  •  
O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros