Haitianos em Joinville buscam notícias de parentes após passagem de furacão - Cidades - O Sol Diário

Furacão Matthew12/10/2016 | 09h39

Haitianos em Joinville buscam notícias de parentes após passagem de furacão

Agências de notícias falam em mais de mil mortos depois que o furacão Matthew passou pelo Haiti

Haitianos em Joinville buscam notícias de parentes após passagem de furacão  Salmo Duarte/Agencia RBS
Pelo celular, o carpinteiro Wilthonn mostra a foto de dois de seus quatro filhos que vivem no Haiti Foto: Salmo Duarte / Agencia RBS
Leandro S. Junges

leandro.junges@an.com.br

Desespero, preocupação e esperança. Esses são os sentimentos que dominam um grupo de haitianos que mora na zona Leste de Joinville quando o assunto é a condição das famílias que vivem no Haiti após a passagem do furacão Matthew.

Leia as últimas notícias de Joinville e região

– Muitas das nossas famílias tiveram as casas destelhadas. E não há como se comunicar – afirma o carpinteiro Wilthonn Cardichon, com um português ainda precário.

Ele deixou quatro filhos no Haiti, com idades entre cinco e 14 anos. Estima-se que 1,4 milhão de pessoas precisem de ajuda rápida no Haiti. São moradores que ficaram sem abrigo, sem comida, sem roupas e que precisam também de atendimento médico.

Os números oficiais apontam para pouco mais de 300 mortos. Extraoficialmente, as agências de notícias falam em mais de mil mortos. Mas para os haitianos que vivem em Joinville, já são mais de dez dias sem receber um telefonema ou fazer qualquer tipo de contato pela internet.

– A gente sabe que tem familiares mortos e não pode fazer nada. É muito triste – diz Wilthonn.

O impacto das enchentes e do vento foi devastador no país do Caribe, principalmente nas regiões Sul e Oeste, que ainda não tinham se recuperado do terremoto que ocorreu em 2010. A expectativa do grupo que mora em Joinville é de que o governo haitiano, com o apoio de organizações internacionais, faça funcionar o sistema de telecomunicações em breve.

Assim, as notícias que chegam podem ser mais precisas em relação a familiares, amigos e ex-vizinhos. Wilthonn é um dos haitianos que chegaram a Joinville há três anos, na segunda leva de imigração. Os primeiros vieram logo após o terremoto de 2010.

A NOTÍCIA

Notícias Relacionadas

Gente 30/05/2015 | 06h01

Aprenda a se comunicar com os haitianos em crioulo

Número de refugiados em Joinville já é superior a mil pessoas e só cresce. Migração começou no fim de 2011

Mobilidade urbana 07/05/2015 | 13h56

Isso é passe livre. Em Garuva, transporte coletivo é totalmente gratuito

Enquanto a maioria das médias e grandes cidades assiste a acaloradas discussões sobre a tarifa, o município do Norte de Santa Catarina criou um modelo totalmente público

Vida real 30/04/2015 | 10h44

Uma viagem pela linha de ônibus mais longa e demorada de Joinville

Trajeto do Terminal Norte até o alto Quiriri tem 38 quilômetros. É preciso duas horas para completar o trajeto inteiro de ida e volta. Mas o cenário compensa com montanhas, rios e cascatas

Vida real 24/04/2015 | 11h46

Alunos de mecânica em Joinville encenam contos em vídeos bem-humorados

Em nome do aprendizado de literatura, os estudantes do IFSC viraram atores, diretores e técnicos de cinema amadores. Os vídeos ficaram ótimos

Vida real 24/04/2015 | 06h01

Conheça a dupla joinvilense que é maluca por caminhões e faz sucesso na internet

Mauro da Hornet e Milico passam horas ao lado da BR-101 caçando imagens de caminhões

#Vidareal 24/04/2015 | 05h51

AN lança projeto que vai surpreender leitores com histórias inusitadas de Joinville

Relatos do repórter Leandro Junges vão promover interação e engajamento dos leitores

História 21/07/2012 | 08h34

Adolescente internada há 11 anos em Jaraguá comemora aniversário no hospital

Giane Samara Serpa, que completa 15 anos no domingo, teve que inconscientemente transformar o quarto de hospital em sua casa

 

Mais sobre

  •                                
  •  
     
  •  
     
  •  
O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros