Para garantir sobrevivência da espécie, estudo sugere cota para captura de tainha - Cidades - O Sol Diário

Proteção14/10/2016 | 13h25Atualizada em 14/10/2016 | 13h46

Para garantir sobrevivência da espécie, estudo sugere cota para captura de tainha

Recomendação de organização internacional é limitar a pesca em 4,3 mil toneladas no Sul e Sudeste do Brasil

Para garantir sobrevivência da espécie, estudo sugere cota para captura de tainha Marco Favero/Agencia RBS
Foto: Marco Favero / Agencia RBS

A pesca da tainha precisa de limites. A constatação faz parte de um estudo produzido pela organização internacional Oceana, que envolveu alguns dos maiores especialistas em pesca no país e concluiu que há um excesso de capturas no Sul e Sudeste. A ONG prepara um dossiê para o Ministério da Agricultura em que sugere estabelecer cotas de captura – uma maneira de proteger as populações de tainha e as mais de 10 mil pessoas que têm na pesca dos cardumes uma fonte de sustento e renda.

A recomendação é que o limite fique em 4,3 mil toneladas anuais no Sul e Sudeste do país para todas as modalidades de pesca de tainha. É pouco mais do que as 3,5 mil toneladas capturadas somente pela pesca artesanal de Santa Catarina neste ano.

Cotas de captura são usadas com sucesso em outros países
Fartura na pesca pode ser ilusória, afirmam pesquisadores
Plano de gestão prevê a redução da pesca industrial ano a ano no Brasil

Para se ter uma ideia do que isso significa, de 2000 a 2015 – o período analisado pelo estudo – em apenas cinco safras o volume de captura ficou abaixo de 4,3 mil toneladas. É menos de um terço do que foi capturado em 2007, por exemplo, ano em que ocorreu uma supersafra com mais de 13 mil toneladas de tainhas pescadas.

A delimitação levou em conta dados de sete modalidades de pesca diferentes, entre industriais e artesanais. Há lacunas, já que as iinformações não são completas – em Santa Catarina, por exemplo, não há informações sobre a captura industrial entre 2012 e 2014. 

O que motivou a Oceana a fazer o acompanhamento dos desembarques em 2015, para que houvesse mais consistência na apuração.



Cruzadas as informações que vieram de instituições como o Instituto de Pesca de São Paulo, a Universidade Federal do Rio Grande (FURGS) e o Grupo de Estudos Pesqueiros da Univali, em Itajaí (GEP), os pesquisadores chegaram à conclusão de que a biomassa de tainhas, que corresponde ao peso dos cardumes, reduziu 22% em 15 anos.

 – Os resultados mostram que a população de tainhas nesta região já sofre uma redução considerável, e que a pressão de pesca está relativamente alta. Quando integramos estes resultados com o fato de que a pesca da tainha acontece na época da desova, quando cardumes enormes se formam para a migração reprodutiva anual, vemos que a única forma de manter esta pesca ativa e sustentável por longo prazo é estabelecermos uma cota razoável e baseada em resultados científicos – diz Luiz Barbieri, pesquisador do Fish and Wildlife Research Institute (FWRI).

"Um esforço de pesca maior do que a tainha aguenta"

Mônica Perez, diretora da Oceana no Brasil, usa uma analogia para falar da relação entre estoques de tainha e captura:

– É como ter uma caderneta de poupança e gastar além dos juros, consumir o dinheiro que se tem guardado. O estoque está abaixo do necessário para render o máximo. E ainda assim, estamos com um esforço de pesca maior do que a tainha aguenta – avalia.

O cálculo feito pelos pesquisadores, que resultou na delimitação da cota, aponta o quanto é possível pescar sem comprometer a capacidade biológica da população de tainhas a longo prazo, o que eles chamam de Rendimento Máximo Sustentável (RMS). Para manter a pesca com segurança, ou seja, sem ameaçar a tainha, é preciso limitar a captura de forma que o peixe consiga voltar a ocupar seu espaço gradativamente – algo que as atuais medidas de redução de esforço (menos barcos pescando) podem não ser capazes de fazer sozinhas.

A proposta será apresentada ao governo na próxima semana, quando o Comitê Permanente de Gestão (CPG) de pelágicos – grupo de peixes que inclui a tainha – se reunirá na sede do Ministério da Agricultura em Brasília.

*A jornalista viajou a Brasília a convite da Oceana



 
  •                                
  •  
     
  •  
     
  •  
O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros