SC registra oito movimentos contra a PEC 241 em intituições de ensino - Cidades - O Sol Diário
 
 

CONTRA PEC 24128/10/2016 | 14h02Atualizada em 28/10/2016 | 14h46

SC registra oito movimentos contra a PEC 241 em intituições de ensino

SC registra oito movimentos contra a PEC 241 em intituições de ensino Movimento Ocupa Simão / Divulgação/Divulgação
Estudantes da Escola Simão José Hess decidiram ocupar as salas da Instituição na próxima segunda-feira Foto: Movimento Ocupa Simão / Divulgação / Divulgação

Pelo menos oito instituições de ensino em Santa Catarina registraram movimentos contrários a PEC 241 nesta sexta-feira. A primeira ação aconteceu ainda na segunda-feira, 17, no Instituto Federal em Rio do Sul, no Norte catarinense. Já na noite desta quinta-feira, cerca de 90 alunos votaram pela ocupação da Escola Simão José Hess, em Florianópolis. O movimento pretende ocupar o colégio a partir da próxima segunda-feira. Além das instituições de ensino médio, a Universidade Estadual (Udesc) segue ocupada

No Câmpus do Instituto Federal de Educação (IFSC) Araranguá, alunos dos cursos técnicos e de graduação iniciaram uma ocupação no começo da noite da última quarta-feira (19). De acordo com a assessoria, o movimento não prejudicou as aulas e demais atividades. Já no Câmpus Xanxerê, os alunos entraram na instituição nesta segunda-feira, 24. Em Chapecó, a ocupação aconteceu na última quinta-feira (20). 

Na Grande Florianópolis, o IFSC de São José segue ocupado desde segunda-feira. Segundo funcionários da escola, nesta manhã de sexta, 20 alunos permaneciam no local. Em assembleia do Grêmio Estudantil realizada ontem, 27, estudantes decidiram pela ocupação também no Câmpus Florianópolis.

Circula pelas redes sociais uma imagem em que um policial militar teria entrado na escola de Chapecó e apontado uma arma para a cabeça de uma das alunas. No entanto, um vídeo divulgado na manhã de hoje mostra que na verdade o agente armado estava passando entre os alunos no momento e que a fotografia foi feita. 

A reportagem do Diário Catarinense tentou contato com a Polícia Militar por e-mail e telefone, no entanto, até a última atualização deste texto ninguém retornou. A secretaria de educação também oi informada do episódio e disse que irá investigar as circunstâncias da abordagem.


Confira a nota emitida na última quarta-feira, 26, pelo Instituto Federal em Rio do Sul

"A Direção Geral do Campus Rio do Sul informa à comunidade que desde o dia 17/10/16, alunos do movimento Ocupa Escola estão mobilizados na sede (serra Canoas) e como parte do protesto estão ocupando e pernoitando nos corredores do prédio central. O grupo tem uma programação diária e estão sendo acompanhados por servidores do Campus, que apoiam o movimento até às 22 horas. Após este horário, até às 8 horas, a responsabilidade é dos pais e ou servidores apoiadores, haja vista que cada aluno está autorizado por estes a participarem da ocupação. A instituição está garantindo alimentação e demais assistência de direito do aluno matriculado regularmente no ensino técnico.

Na unidade Urbana, em moldes semelhantes, os ocupantes iniciaram a ação no dia 21 e também pernoitam em colchões, porém o grupo é composto por alunos do curso técnico e superior. A direção se esforça para assegurar a manutenção das aulas aos alunos e servidores que não aderiram à ocupação. Até o momento as negociações foram no sentido de evitar confrontos entre grupos discordantes.

Para garantir a segurança dos alunos e evitar excessos, tanto por parte da direção quanto de manifestantes, foi firmado acordo entre estes na presença de representantes do judiciário e ministério público (ATA EM ANEXO).

Nesta semana ficou acordado entre as partes que serão mantidas as atividades/aulas, com revisões e sem a aplicação de avaliações. Será realizada na sexta, 28, reuniões nas duas unidades para definir o rumo do movimento e avaliação da necessidade de alteração do calendário acadêmico."

Confira a nota emitida na última terça-feira, pelo Instituto Federal em Rio do Sul

"O Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC) esclarece seu posicionamento de respeito à ocupação promovida por seus alunos. Reconhece a relevância das principais pautas que motivam o movimento: a PEC 241, que congela o orçamento da educação pública por 20 anos, bem como a Medida Provisória 746, que altera o Ensino Médio e que também gera alterações no funcionamento institucional.

O IFSC esclarece, ainda, que a ocupação é de livre iniciativa dos estudantes, assim como já vem acontecendo em outros institutos federais por todo o País. Neste sentido, entende o movimento como legítimo, pacífico e uma demonstração de cidadania por parte dos alunos. A Instituição está acompanhando de perto o movimento e em constante diálogo com os estudantes por meio das direções gerais dos câmpus".

Confira a nota emitida pelo movimento que ocupou a Escola Ensino Básico Simão José Hess

"O movimento Ocupa Simão da Escola de Ensino Básico Simão José Hess, vem a público em nome do corpo estudantil, agradecer a presença de todxs na assembléia ocorrida na manhã de hoje (dia 27 de outubro de 2016). Contamos com a presença de cerca de 150 pessoas, dentre elas: professores, companheiros de outras escolas e estudantes das Universidades Estadual e Federal. Tal assembleia, teve assiduidade tanto de alunos da manhã, como da tarde, sendo que o diálogo e as opiniões da grande maioria puderam ser compartilhadas com aqueles presentes.

Também foi realizada por conseguinte, as eleições para decidir se a ocupação viria a acontecer ou não. Por 90 votos a favor a 42 contra, foi deliberado o estado geral de ocupação."

Leia as últimas notícias do Diário Catarinense

O Sol Diário
Busca