37 testemunhas foram ouvidas na Operação Blackmail em Joinville - Cidades - O Sol Diário

Segurança 10/11/2016 | 10h04Atualizada em 10/11/2016 | 10h04

37 testemunhas foram ouvidas na Operação Blackmail em Joinville

Fase para confirmar crimes em Joinville começou ontem. Os sete suspeitos continuam presos

37 testemunhas foram ouvidas na Operação Blackmail em Joinville Alex Sander Magdyel/Agencia RBS
Suspeitos passaram pelo IGP ara exames, antes de serem encaminhados ao presídio Foto: Alex Sander Magdyel / Agencia RBS

No dia seguinte à prisão preventiva de sete pessoas suspeitas de participar de um esquema que praticava crimes contra a administração pública em Joinville, o Ministério Público começou a ouvir as testemunhas do caso. Ontem, foram ouvidas 37 pessoas fiscalizadas por Júlio César da Silva, servidor da Secretaria do Meio Ambiente (Sema) preso na Operação Blackmail.

Segundo o promotor Assis Marciel Kretzer, o fiscal é suspeito de integrar a organização criminosa que cobrava vantagem indevida de empresários que precisavam de atividades do setor de fiscalização da Sema, além de coagi-los a fazer a contratação de pretensos serviços administrativos prestados por integrantes do grupo criminoso.

Como fica o trabalho de João Carlos Gonçalves na Câmara de Vereadores

— O fiscal se dirigia ao estabelecimento, ameaçava realizar tudo aquilo que lhe competia e “vendia” um serviço a pessoas que ele direcionava, ou seja, do próprio círculo dele. Formou-se uma indústria de propina em torno disso — explicou o promotor no dia das prisões.

A expectativa de Kretzer é encerrar a fase de depoimento das testemunhas nesta semana. Ainda faltam 40 fiscalizados para serem ouvidos, além de outras testemunhas que já entraram em contato com o Ministério Público para se colocar à disposição de prestar depoimento. Os suspeitos presos preventivamente, entre eles o vereador João Carlos Gonçalves (PMDB) e o ex-vereador Juarez Pereira (Solidariedade), ainda não falaram ao MP.

— Eles ainda não foram ouvidos e também não buscaram o Ministério Público por meio de seus advogados — afirmou Assis Kretzer.

O homem preso em São Paulo, dentro da Operação Blackmail, chegaria a Joinville nesta quarta-feira e seria levado ao Presídio Regional de Joinville, onde permanecem outros cinco suspeitos. O vereador João Carlos Gonçalves está preso preventivamente em uma cela especial da Penitenciária Industrial.

A NOTÍCIA

Notícias Relacionadas

Segurança  10/11/2016 | 07h03

Como fica o trabalho de João Carlos Gonçalves na Câmara de Vereadores

Vereador não perderá o cargo, mas só poderá ser substituído se pedir licença do cargo

 
  •                                
  •  
     
  •  
     
  •  
O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros