Mensalidade de escolas particulares de SC para 2017 sobe entre 9% e 12%  - Cidades - O Sol Diário
 
 

Hora de negociar08/11/2016 | 06h04Atualizada em 08/11/2016 | 08h10

Mensalidade de escolas particulares de SC para 2017 sobe entre 9% e 12% 

Período de matrículas também é importante para pais negociarem valores e pesquisarem unidade que se encaixa no perfil do aluno

Mensalidade de escolas particulares de SC para 2017 sobe entre 9% e 12%  Leo Munhoz/Agencia RBS
Média de reajuste das escolas pesquisadas pelo DC é de até 12% Foto: Leo Munhoz / Agencia RBS

Quem matricular o filho em uma das escolas da rede particular de Santa Catarina em 2017 vai desembolsar em média entre 9% e 12% a mais com as mensalidades. Um levantamento feito pelo Diário Catarinense com os maiores colégios do Estado (apontados pelo sindicato das instituições) mostra que a variação é impulsionada principalmente pelo acréscimo na folha de pagamento, inflação e aumento da estrutura. Para os pais, a dica é ficar atento e ver se a unidade oferece algum tipo de desconto para pagamento antecipado ou negociação.

No colégio da Associação Beneficente da Indústria Carbonífera de Santa Catarina (Satc), em Criciúma, que conta com cerca de 5 mil alunos, o reajuste irá variar entre 10%, para ensino técnico, e 12% para fundamental e médio:

— Foi o mesmo reajuste dos anos anteriores. Um dos motivos para não ter reajuste maior, apesar da crise, é porque tem muito desemprego e o nosso público também não teve reajuste nos salários. Não adianta colocar valor lá em cima porque eles não conseguem pagar — explica a secretária escolar da Satc, Hilda Maria Ghisi.

Em Florianópolis, o colégio Energia teve um reajuste de 11,5% para quem pagar a mensalidade até a data de vencimento. Caso contrário, pode chegar a 14%, dependendo da série do estudante. A gerente de contas a receber da instituição, Simone Medeiros, explica que o percentual foi impactado principalmente pelo aumento da folha dos funcionários (que teve acréscimo de cerca de 11%) e da importação do projeto bilíngue no colégio. 

Já no colégio Bom Jesus/Ielusc, em Joinville, as mensalidades vão subir 9%, que seria de acordo com a inflação do período. Os pais devem ficar atentos: quem pagar a anuidade até 10 de janeiro, ganha 10% de desconto. No Colégio Menino Jesus, em Florianópolis, o reajuste será de 10,45% e o desconto para pagamento da anuidade à vista é de 8%.

Instituições têm autonomia para alterar mensalidade

Em nota, o Sindicato das Escolas Particulares de SC (Sinepe-SC) afirma que de acordo com a Lei 9.870/99, as instituições de ensino podem reajustar os preços de acordo com a compatibilização de seus custos, ou seja, "não existe um percentual definido, mas sim a realidade de cada instituição de ensino, levando em consideração os custos, a sua estrutura". E garante que não orienta as instituições sobre o tema. 

— Não existe valor predeterminado máximo nem mínimo em percentual, as escolas devem aumentar (ou corrigir) o necessário para manter ou melhorar a compatibilização de seus custos, acrescido da margem de investimento — reforça o presidente do Sinepe, Marcelo Batista de Sousa.

Para a diretora da Federação Nacional das Escolas Particulares (Fenepe), Amábile Pacios, a expectativa neste ano é que os gestores fiquem ainda mais focados na realidade de cada escola. 

— Foi um ano difícil, um ano de crise. Acredito que elas vão ficar muito dentro das realidades de planilha, que prevê aumento de taxas, materiais de consumo, salários e melhorias pedagógicas. O que os pais devem observar é se o aumento ficou em torno disso. Só para se ter uma ideia, o telefone aumentou 28%, a água 32% — observa.

Para o diretor estadual do Procon, Maycon Baldessari, as escolas particulares precisam fazer uma lista de melhorias antes de iniciar o período de matrículas e rematrículas com o valor ajustado, segundo a Lei 9.870/99.

— Os pais podem e devem ter conhecimento das mudanças antes de efetuar a matrícula escolar — recomenda.

LEI DAS MENSALIDADES ESCOLARES

- A lei que regulamenta os reajustes de mensalidades escolares (Lei 9.870/99) não define um índice a ser seguido pelas escolas. O aumento fica a critério de cada instituição de ensino.

- No entanto, o valor do reajuste deve estar de acordo com as despesas da escola e só poderá ser feita uma vez a cada 12 meses.

- Os pais podem tentar negociar descontos com a escola e, se não concordarem com o aumento, têm direito de entrar em contato com o Procon ou com uma ação no Juizado Especial Cível.

Reajustes nas escolas com mais alunos em SC*

Energia - Florianópolis
Reajuste: 11,5% (para pagamento até o vencimento)
Descontos: até o final de novembro bônus de 4% para matrículas novas e rematrículas. A partir de dezembro o percentual vai para 2%.

Tupy (Sociesc) - Joinville
Reajuste: 9%
Matrículas abertas

Colégio Menino Jesus - Florianópolis
Reajuste: 10,45%
Descontos: 8% para a anuidade à vista
Matrícula para novos alunos a partir de 11 de novembro

SATC - Associação Beneficente da Indústria Carbonífera de Santa Catarina - Criciúma
Reajuste: entre 10 e 12%
Matrículas abertas

Ielusc - Joinville
Reajuste: cerca de 9%
Desconto: 10% de desconto na anuidade para pagamento até 10 de janeiro de 2017
Matrículas abertas até 18 de novembro

Colégio Bom Jesus Santo Antônio - Blumenau
Reajuste: não informado

Fayal - Itajai
Reajuste: ainda não foi definido
Matrículas a partir de 21 de novembro

Colégio Catarinense - Florianópolis
Reajuste: ainda não foi definido
Matrícula começa dia 1º de dezembro para novos alunos 

Colégio São Bento - Criciúma
Reajuste: não informado

Colégio Elisa Andreoli- São José
Reajuste: não informado

* Lista foi passada pelo Sinepe-SC

Leia também:

Escola pública de Santa Cecília mantém interesse dos alunos com atividades diferenciadas

Estudantes são surpreendidos pelo adiamento de provas do Enem em SC 

Número de detentos de SC inscritos no Enem cresce 56% neste ano

O Sol Diário
Busca