Motorista que atropelou três pessoas e matou uma delas será levado a júri em Florianópolis - Cidades - O Sol Diário

JUSTIÇA25/11/2016 | 11h11Atualizada em 25/11/2016 | 11h29

Motorista que atropelou três pessoas e matou uma delas será levado a júri em Florianópolis

Empresário responderá por homicídio e outras duas tentativas de homicídio, além de omissão de socorro e embriaguez ao volante

Motorista que atropelou três pessoas e matou uma delas será levado a júri em Florianópolis Felipe Carneiro/Agencia RBS
Motorista chegou a ser preso e caminhonete foi apreendida no dia da colisão Foto: Felipe Carneiro / Agencia RBS

Será decidido em júri popular o futuro do empresário denunciado por atropelar três pessoas e matar uma delas no último dia 9 de fevereiro, na região da Tapera, em Florianópolis. A juíza da Vara do Tribunal do Júri da Capital, Erica Lourenço de Lima Ferreira, determinou que Raulino Jacó Brüning Filho vá a julgamento pelos crimes de homicídio qualificado (perigo comum) mediante dolo eventual (quando se assume o risco de que o crime ocorra) e outras duas tentativas de homicídio com a mesma qualificadora, além dos crimes de omissão de socorro e embriaguez ao volante.

A denúncia do Ministério Público aponta que o empresário dirigia embriagado e de forma perigosa, fazia manobras bruscas, forçava ultrapassagens, trafegava pelo acostamento e seguia em zigue-zague quando atropelou Edevaldo Veloso Amaro, 20 anos, na SC-405. Edevaldo não resistiu aos ferimentos. Rosângela Wosiak, 48 anos, e Camila Franceschetti, 18, também foram atingidas, mas sobreviveram. 

O acusado foi detido em flagrante no dia da colisão e chegou a ficar preso preventivamente até abril, quando ganhou o direito de responder à ação em liberdade. Mesmo solto, ele tem de cumprir três medidas cautelares: proibição de dirigir até o julgamento da ação, obrigatoriedade de comparecer a todos os atos processuais e proibição de deixar a cidade por período superior a oito dias sem prévia autorização judicial.

A defesa do empresário deve recorrer da decisão de levá-lo a júri. Segundo o advogado Guilherme Gottardi, um dos três profissionais que representa Raulino no caso, detalhes da decisão ainda estão em avaliação, mas deve ser sustentada a tese de que ocorreu uma fatalidade.

—Defendemos que não houve dolo, não houve intenção, enquanto o Ministério Público alega que havia intenção em causar a morte — aponta Gottardi.

A defesa busca declassificar a acusação para que o caso seja tratado como homicídio culposo (sem intenção de matar). Assim, a ação poderia ser redistribuída para outra vara criminal e receber sentença em gabinete, sem julgamento no júri. Nesse caso, uma eventual condenação também resultaria em pena mais branda.

Em depoimento, o empresário alegou ter bebido três cervejas no dia da colisão, uma manhã de terça-feira de Carnaval. Ele também disse que sentia sono na hora e cochilou no trajeto, acordando apenas ao passar por uma lombada, quando um cooler com bebidas virou dentro da caminhonete. 

O acusado ainda disse ter tentado ajeitar o cooler, mantendo uma das mãos no volante, e que acredita que nessa hora ocorreu o atropelamento — ele alega não ter percebido a colisão.

 
  •                                
  •  
     
  •  
     
  •  
O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros