Polícia Federal combate divulgação de pornografia infantil em SC - Cidades - O Sol Diário

OPERAÇÂO DARKNET22/11/2016 | 09h52Atualizada em 22/11/2016 | 22h26

Polícia Federal combate divulgação de pornografia infantil em SC

Pelo menos cinco mandados, de busca e flagrante, foram cumpridos em Joinville, Navegantes e São João Batista

Polícia Federal combate divulgação de pornografia infantil em SC Polícia Federal  / Divulgação/Divulgação
Foto: Polícia Federal / Divulgação / Divulgação

Cerca de 300 policiais federais cumprem 70 mandados de busca, apreensão e prisão em 17 Estados do país para combater a rede de distribuição de pornografia infantil na deep web. Em Santa Catarina, foram cumpridos cinco mandados em Joinville, Navegantes e São João Batista, sendo dois em flagrante e três de busca.  

Ao todo, a operação batizada de Darknet investiga a participação de 67 pessoas na troca e na distribuição de fotos e vídeos com conteúdo pornográfico envolvendo crianças e adolescentes. A PF também atua no Rio Grande do Sul, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espírito Santo, Bahia, Alagoas, Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte, Ceará, Maranhão, Pará e Amazonas. Segundo o chefe da comunicação da Polícia Federal (PF) no Estado, Luiz Carlos Korff, mais detalhes serão divulgados ao fim das ações. 

— Não vamos divulgar informações até que a operação termine em todo o país. Além de eu não ter detalhes agora, isso poderia prejudicar a ação dos policiais — afirmou. 

Durante as investigações desta segunda fase, que duraram cerca de dois anos, a operação antecipou o cumprimento de sete ordens judiciais para evitar o possível abuso sexual de crianças no Paraná, Distrito Federal e Rio de Janeiro. Um deles foi em flagrante. 

Durante uma coletiva de imprensa nesta segunda-feira, o titular da Delegacia de Defesa Institucional da PF (RS), Fernando Casarin, lembrou que na primeira fase da operação foram cumpridos 91 mandados de busca, quatro de prisão, 52 em flagrante em 18 Estados. Ao todo, 11 alvos foram investigados em seis países: Portugal, Espanha, Itália, Colômbia, Venezuela e México. Casarin ainda afirma que, só na primeira fase, foram contabilizados pelo menos 3 mil acessos aos fóruns de pornografia infantil alojados na deep e dark web. 

Desde a primeira fase da Operação Darknet, deflagrada em 2014, a Polícia Federal desenvolve metodologia de investigação e ferramentas para identificar usuários da dark web _ a "web escura", que compreende redes anônimas que necessitam de programas especiais para serem acessadas e considerada um meio seguro de divulgação de conteúdos variados de forma anônima. 

A arquitetura desse ambiente impossibilita a identificação do ponto de acesso (IP), ocultando o real usuário que acessa a rede. Poucas polícias no mundo obtiveram êxito em investigações na dark web, como o FBI, a Scotland Yard e a Polícia Federal Australiana.

Leia também:

Em investigação inédita, PF faz operação contra pedofilia em 18 estados

PF estuda transferir delegacia da fronteira para São Miguel do Oeste

Toneladas de cocaína apreendidas em porto de Santa Catarina alcançam R$ 60 milhões


 
  •                                
  •  
     
  •  
     
  •  
O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros