Afogamentos em água doce em SC reforçam alertas dos bombeiros - Cidades - O Sol Diário

Verão27/12/2016 | 15h57Atualizada em 27/12/2016 | 22h31

Afogamentos em água doce em SC reforçam alertas dos bombeiros

Das oito mortes dos últimos cinco dias, sete foram em rios e lagoas

Os primeiros dias do verão em Santa Catarina ligaram o alerta para o aumento de afogamentos em água doce. Nos últimos cinco dias, pelo menos 11 pessoas morreram em acidentes ocorridos em diferentes ambientes que vão desde piscina até o mar. Apenas quatro foram em água salgada. O caso mais marcante foi a morte de três irmãos em Major Gercino, na Grande Florianópolis. Eles nadavam no rio Tijucas quando um deles se afogou. Os outros dois tentaram salvá-lo e acabaram morrendo junto.

Leia sobre as mortes:
Corpo é encontrado em lagoa em Balneário Gaivota
Jovem de 18 anos morre afogado em São Francisco do Sul
Homem desaparece ao tentar atravessar rio em Itajaí
Menina de três anos morre após afogamento em piscina em Jaraguá do Sul
Corpo é encontrado no Rio São Jorge em Maracajá, no Sul do Estado

Além de comover a pequena cidade de 3,4 mil habitantes, o acidente dos garotos mobilizou o Corpo de Bombeiros do Estado, que pensa numa forma de reforçar a orientação para a população nas cidades do interior. Como a Operação Veraneio atende somente a faixa litorânea, não há um esquema específico para rios e lagoas. Soma-se a isso o fato de haver muitos pontos usados por banhistas, o que dificulta a presença de socorristas em todos eles. Por isso, a corporação aposta na orientação como forma de prevenção de novos acidentes.

— Estamos pensando numa abordagem para conversar com as pessoas do interior do Estado. E a mídia é importante para a orientação. Quando saem matérias sobre o assunto, as pessoas podem refletir. Nesses casos de água doce, é mais orientação, não tem como dar cobertura — explicou o coronel César Assumpção Nunes, comandante da 1ª Região do Corpo de Bombeiros.

Com foco na prevenção, a principal orientação do coronel é para que as pessoas evitem entrar em locais que não conhecem, pois nesses pontos é mais fácil de a pessoa ser surpreendida. Em caso de praias na faixa litorânea, a melhor opção é ficar próximo a trechos monitorados por guarda-vidas.

Desde o começo da Operação Veraneio, na última semana, quatro pessoas morreram nas praias de Santa Catarina: em Balneário Gaivota, Balneário Camboriú e São Francisco do Sul.

Cuidados com escolha dos lugares

O processo de prevenção de afogamentos passa inicialmente pela escolha dos lugares de banho. Em águas salgadas, os principais pontos a serem evitados são os costões e correntes de retorno, onde os socorristas sinalizam com duas bandeiras vermelhas.

— Evitar também as barras dos rios, que são as saídas da água para o mar — disse o coronel.

Em águas doces, segundo ele, a situação é complicada em todos os pontos. Como a água do rio é dinâmica, as condições dos locais podem mudar da noite para o dia. Sem falar na grande presença de galhos e pedras. A principal dica é só entrar em espaços onde dê pé.






 

Siga O Sol Diário no Twitter

  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioOscar: "La La Land" e "Moonlight" levam principais estatuetas; premiação tem mico histórico https://t.co/4B67DeoHOUhá 12 minutosRetweet
  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioJoaçaba, a cidade do interior que melhor sabe fazer carnaval em SC https://t.co/ZakjyVGAbphá 1 horaRetweet
O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros