Após anos de espera, catarinense adota duas crianças e tem 2016 marcado como o ano em que a família ficou completa - Cidades - O Sol Diário

Feliz ano velho28/12/2016 | 06h07Atualizada em 28/12/2016 | 08h32

Após anos de espera, catarinense adota duas crianças e tem 2016 marcado como o ano em que a família ficou completa

Priscilla Aitelli sonhava ser mãe desde criança e neste ano finalmente foi presentada com dois filhos, um de 11 anos e uma bebê

Após anos de espera, catarinense adota duas crianças e tem 2016 marcado como o ano em que a família ficou completa Diorgenes Pandini/Agencia RBS
Foto: Diorgenes Pandini / Agencia RBS

Priscilla Aitelli, 38 anos, sonha ser mãe desde a infância.  Mas, como muitas mulheres contemporâneas, primeiro dedicou-se à carreira e buscou a estabilidade financeira, para depois pensar em ter filhos. Formou-se em biologia, fez duas pós-graduações, casou, se separou. Depois disso, começou a namorar novamente. Silvio Faustino, 44 anos, logo lhe disse que tinha muita vontade de ter filhos. Era o empurrãozinho que faltava.

Durante alguns anos tentaram a gravidez natural, depois a reprodução assistida. Neste meio tempo, começaram a pensar na gestação do coração: a adoção. Passaram por todas as etapas do processo, até serem incluídos no Cadastro Nacional da Adoção, em 2014.

— A partir daí começamos a aguardar ansiosamente por nossos filhos (podia ser mais de um) — conta Priscilla.

Em dezembro de 2015, souberam da possibilidade de adotar um menino de 11 anos. No dia 11 de março de 2016, finalmente o chamado para que fossem até a casa-lar onde o menino vivia junto com a irmãzinha biológica de apenas três meses de vida.

— Quando estacionamos o carro vi de longe um menino magrelo todo arrumadinho, era ele! — relembra.

 Sete meses de espera

 Depois de quatro dias de intensa convivência com Marcos e Érica*, Priscilla e Silvio retornaram para casa, em Palhoça, com o filho. A felicidade, porém, não estava completa, pois Érica precisou ficar. O casal queria adotá-la também, mas naquele momento não era possível, já que o processo de destituição familiar ainda não havia sido julgado.

Foram sete meses de espera e muita angústia até o dia 30 de setembro, quando Érica, enfim, estava apta à adoção. A família, então, ficou completa.

— O ano de 2016 foi maravilhoso, pois o sonho familiar se concretizou. Não só meu e do Silvio, mas da nossa família toda, que esperava com ansiedade a chegada das crianças.

O Natal em família, com os filhos, foi exatamente como Priscilla e Silvio sempre sonharam. Até o pai dela, que há muito tempo não se vestia de Papai Noel, tirou a poeira da roupa, fez uma barba nova e fez a alegria das crianças, como fazia antigamente com os filhos.

— Reunimos todos aqui para agradecer esse ano em que a família se uniu mais do que nunca. Ano em que estivemos juntos para acolher nossos filhos, passar pelas dificuldades da adaptação também, mas acima de tudo, para amar incondicionalmente — resume a mãe, para quem 2016 foi o melhor de todos os anos da vida.

Quem quiser acompanhar as histórias da família, pode acessar o blog da Priscila.

 (*) Os nomes das duas crianças são  fictícios, a pedido da família

Leia também:

Conheça a história de Caio Szerszen, menino de 9 anos que ganhou nova vida em 2016

2016: um ano marcante para o artista catarinense Luciano Martins

Depois de perder tudo em incêndio, casal de Florianópolis realiza sonho de viajar de carro até o Alaska para ver a aurora boreal

Casal catarinense comemora 2016: o ano em que o filho de um ano resistiu a doença grave no coração

 

Siga O Sol Diário no Twitter

  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioApós anos de espera, telhado revitalizado da Fundação Cultural de Blumenau é entregue https://t.co/aixhxOONjchá 3 minutosRetweet
  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioTerça-feira será de sol entre nuvens em todas as cidades de SC https://t.co/E5RBHH1Z46há 23 minutosRetweet
O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros