Investigação na Colômbia aponta que avião da Chapecoense tinha sobrecarga e plano de voo irregular - Cidades - O Sol Diário

IRREGULARIDADES26/12/2016 | 17h08Atualizada em 26/12/2016 | 17h27

Investigação na Colômbia aponta que avião da Chapecoense tinha sobrecarga e plano de voo irregular

Detalhes da investigação preliminar foram revelados nesta segunda-feira

Investigação na Colômbia aponta que avião da Chapecoense tinha sobrecarga e plano de voo irregular reprdução/Reprodução
Investigação apontou que avião decolou com peso acima do permitido Foto: reprdução / Reprodução

As investigações preliminares da Aeronáutica Civil da Colômbia apontaram que o avião que caiu com a delegação da Chapecoense tinha sobrecarga, plano de voo irregular e o piloto demorou a relatar a situação de emergência. Detalhes da apuração foram divulgados pelas autoridades colombianas em coletiva à imprensa nesta segunda-feira.

A investigação também constatou que a queda da aeronave ocorreu por falta de combustível, informação que veio à tona logo após a tragédia do último dia 29 de novembro. Com base em registros de gravação de voz do avião (voice recorder), os oficiais colombianos apontaram que a aeronave da companhia boliviana LaMia tinha peso superior ao permitido nos manuais, embora não tenha sido esta a causa do acidente.

Autoridades da Colômbia responsabilizam a Administração de Aeroportos e Serviços Auxiliares à Navegação Aérea da Bolívia (AASANA) por ter aprovado o plano de voo, considerado irregular. Assim, foi aberto também processo contra a funcionária do aeroporto de Santa Cruz, de onde o avião decolou, por aceitar um plano de voo com o tempo de duração igual ao da autonomia de combustível — autoridades da Bolívia responsabilizaram somente a companhia e o piloto do avião, além de não terem apontado excesso de peso. 

Segundo o coronel Freddy Augusto Bonilla, secretário de segurança da Aeronáutica Civil da Colômbia, o piloto Miguel Quiroga estava ciente de que o combustível não era suficiente. 

Conforme foi informado na coletiva à imprensa, a aeronave da LaMia contava com um sistema de baixa quantidade de combustível que fazia soar um alarme quando restasse 20 minutos de autonomia de voo. A tripulação, no entanto, reportou emergência apenas seis minutos antes da colisão

—Eles estavam conscientes da limitação do combustível. Sabiam que não era suficiente — declarou Bonilla.

A investigação das autoridades colombianas ainda procura esclarecer as razões de interrupção da gravação apenas um minutos antes da queda.

Plano de voo da Chapecoense não tinha paradas para reabastecer e descumpre normas internacionais

 

Siga O Sol Diário no Twitter

  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioPolicial militar é espancado no Centro de Florianópolis https://t.co/gdRM4n0TRzhá 6 horas Retweet
  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioDJ Alok - 70 mil pessoas lotam o Centro de Florianópolis para pular ao som de música eletrônica https://t.co/dU1PIaZmAdhá 7 horas Retweet
  •                                
  •  
     
  •  
     
  •  
O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros