Santa Catarina lidera preservação proporcional da Mata Atlântica no Brasil em três décadas - Cidades - O Sol Diário
 
 

 
 

Meio ambiente17/01/2017 | 17h56Atualizada em 17/01/2017 | 19h46

Santa Catarina lidera preservação proporcional da Mata Atlântica no Brasil em três décadas

Estado tem 23% de mata preservada em relação ao território e também está entre os três que mais regeneraram a mata em números absolutos

Santa Catarina lidera preservação proporcional da Mata Atlântica no Brasil em três décadas Marco Favero/Agencia RBS
Foto: Marco Favero / Agencia RBS

Santa Catarina é o Estado que preserva a maior área proporcional de Mata Atlântica em relação ao território compreendido originalmente pelo bioma no país. O Estado também figura entre os três que mais regeneraram a Mata Atlântica entre 1985 e 2015. Os dados são do Atlas dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica, divulgado nesta terça-feira pela Fundação SOS Mata Atlântica e Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). 

O vizinho Paraná lidera em recuperação absoluta de área nas últimas três décadas, com 75.612 hectares, seguido de Minas Gerais (59.850 ha), Santa Catarina (24.964 ha), São Paulo (23.021 ha) e Mato Grosso do Sul (19.117 ha). 

Somente o espaço recuperado em Santa Catarina em três décadas, que equivale 249,64 quilômetros quadrados, comparável a um pouco menos do que todo o território de Ilhota, no Vale do Itajaí e um pouco maior do que a metade da Ilha de Santa Catarina. Segundo o mapa apresentado no Atlas, a maior parte da área regenerada está no Oeste e no Meio-Oeste de Santa Catarina.

Em todo o país, foram regenerados 219.735 hectares (ha), ou o equivalente a 2.197 km2, em nove dos 17 estados do bioma. A área corresponde a aproximadamente o tamanho da cidade de São Paulo e a cinco vezes o tamanho de Florianópolis (Ilha e Continente).

O estudo analisa principalmente a regeneração sobre formações florestais que se apresentam em estágio inicial de vegetação nativa, ou áreas usadas anteriormente para pastagem e que hoje estão em estágio avançado de regeneração. 

Foto: Reprodução / Divulgação

Esse processo se deve tanto a causas naturais, quanto induzidas por meio do plantio de mudas de árvores nativas. Nos últimos 30 anos, houve uma redução de 83% do desmatamento do bioma. 

De acordo com Marcia Hirota, diretora-executiva da Fundação SOS Mata Atlântica, sete dos 17 estados da Mata Atlântica já apresentam nível de desmatamento zero: 

– Agora, o desafio é recuperar e restaurar as florestas nativas que perdemos. Embora o levantamento atual não assinale as causas da regeneração, ou seja, se ocorreu de forma natural ou decorre de iniciativas de restauração florestal, é um bom indicativo de que estamos no caminho certo – observa Marcia. 

Ao longo da história, a ONG foi responsável pelo plantio de 36 milhões de mudas de árvores nativas espalhadas pelo país, especialmente nas áreas de preservação permanente, no entorno de nascentes e margem de rios produtores de água. 

A Mata Atlântica está distribuída ao longo da costa atlântica do país, atingindo áreas da Argentina e do Paraguai nas regiões Sudeste e Sul. De acordo com o Mapa da Área de Aplicação da Lei 11.428, a Mata Atlântica abrangia originalmente 1.309.736 km2 no território brasileiro. 

Os limites originais contemplavam áreas em 17 estados: Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Pernambuco, Paraíba, Sergipe, Alagoas, Bahia, Espírito Santo, Minas Gerais, Goiás, Rio de Janeiro, Mato Grosso do Sul, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Nessa extensa área vivem atualmente mais de 72% da população brasileira.

Leia também: 
Moradores contestam usucapião em área de dunas em Florianópolis

As ameaças e riquezas do Parque Estadual da Serra do Tabuleiro, fonte de água da Grande Florianópolis

 
O Sol Diário
Busca