1,1 mil crianças de zero a 14 anos morreram em SC em 2016 - Cidades - O Sol Diário

Mortalidade infantil07/03/2017 | 04h00Atualizada em 07/03/2017 | 10h58

1,1 mil crianças de zero a 14 anos morreram em SC em 2016

Segundo Organização Mundial da Saúde, 1,7 milhão de meninas e meninos menores de cinco anos perdem a vida por condições insalubres no ano passado

1,1 mil crianças de zero a 14 anos morreram em SC em 2016 Diorgenes Pandini/Agencia RBS
Condições insalubres tornam fatais doenças controláveis, como as infecciosas, parasitárias, respiratórias Foto: Diorgenes Pandini / Agencia RBS

O ano de 2016 fechou com uma estatística triste para as famílias catarinenses. Ainda que os índices de mortalidade infantil sejam baixos no Estado, 1.187 crianças de zero a 14 anos perderam a vida. A questão se agrava quando causas da morte decorrem de situações evitáveis, como as condições ambientais insalubres, falta de saneamento, higiene inadequada, água não potável e diferentes tipos de poluição. Fatores assim interferem nos órgãos e sistemas imunológicos em desenvolvimento das crianças, tornando fatais doenças controláveis, como as infecciosas, parasitárias, respiratórias. Em Florianópolis, a cobertura com rede de saneamento, por exemplo, é de 55%, segundo a Casan. No Estado, 25% de rede de saneamento passa por tratamento, conforme o instituto Trata Brasil.

Situações semelhantes são destaque num mapeamento da Organização Mundial de Saúde (OMS). Divulgado domingo, o relatório Inheriting a Sustainable World: Atlas on Children¿s Health and the Environment (em português, "Herdando um mundo sustentável: atlas sobre a saúde das crianças e o meio ambiente") revela que grande parte das causas mais comuns de morte de crianças de um mês a cinco anos no mundo são evitáveis.

O levantamento mostra que, anualmente, 1,7 milhão de meninas e meninos com menos de cinco anos morrem devido a problemas decorrentes da poluição ambiental. Em todo o mundo, de 11% a 14% das crianças com 5 anos ou mais relatam sintomas de asma e cerca de 44% delas estão relacionadas às exposições ambientais.

– Investir na remoção de riscos ambientais para a saúde, como melhorar a qualidade da água ou usar combustíveis mais limpos, resultará em grandes benefícios para a saúde – afirma Maria Neira, diretora do Departamento de Saúde Pública, Determinantes Ambientais e Sociais da Saúde da OMS.

Desigualdades regionais influenciam em números 

Em Santa Catarina, mesmo confirmando-se a tendência da queda da mortalidade infantil nas últimas décadas, há desigualdades sociais a serem enfrentadas. Há uma correlação direta entre acessos a serviços públicos e a incidência de mortes entre as crianças. No Planalto Serrano, a taxa é de 17,2 para mil nascidos vivos, seguida de 13,1 (Oeste) e 11,6 (Meio-Oeste). A Grande Florianópolis, por exemplo, mantém a menor taxa, com 8,6. Reflexo de itens como acesso a redes de serviços públicos mais estruturadas (água, esgoto e coleta de lixo), maior escolarização das mães e acompanhamento no período pré-natal.

Crianças também são expostas a produtos químicos nocivos (como fluoreto, chumbo e pesticidas como mercúrio, poluentes orgânicos persistentes e outros em bens manufaturados) por meio de alimentos, água, ar ou produtos  contaminados por substâncias tóxicas e isso faz crescer o número de pacientes infantis com tumores.

Outro exemplo apontado no relatório são as ameaças ambientais emergentes, como os resíduos eletrônicos e elétricos que são impropriamente reciclados e expõem a criança a toxinas que podem levar a uma redução da inteligência, déficits de atenção e até câncer.

Qualidade de vida interfere na mortalidade

Quanto melhor a qualidade de vida de uma população, menor será a taxa de morte de suas crianças. A observação é do pediatra Halei Cruz, médico da área técnica da Criança e do Adolescente na Secretaria de Estado da Saúde. O pediatra explica que a cada ano a taxa de mortalidade vem caindo e ter chegado a três dígitos (9.97), em 2014, é algo a ser destacado. Em parte, reconhece, deve-se a programas sociais, como o Bolsa Família, que melhorou a renda das famílias, e forçou a outros cuidados, como manter em dia a caderneta de vacinação.

Ainda assim, o médico chama a atenção para as diferenças regionais em território catarinense onde o empobrecimento das famílias é grande e carece de investimentos.

– Não tem cabimento uma criança morrer em Santa Catarina em decorrência de doenças provocadas por falta de saneamento, por exemplo.

Porém, o pediatra reconhece que nem sempre as ações e políticas públicas dependem exclusivamente ou são de responsabilidade da Saúde. Conforme ele, o Estado segue as diretrizes do Ministério da Saúde e o foco é o neo-natal.

– Temos que trabalhar bem a questão do pré-natal, levando serviços para essas mães, no sentido de que a criança consiga chegar e passar pela maternidade sem que morra nos primeiros dias de vida.

Essas melhorias passam pelo acesso a serviços de saúde e acompanhamento da gravidez, o que contribui para a diminuição da morte da mãe e do bebê.

As mortes de crianças em SC no ano de 2016

821 tinham até 1 ano de idade
Antes do parto: 63
Depois do parto: 758
Doenças mais comuns: infecção e parasitárias (intestinais e bacterianas), respiratórias (pneumonias), decorrentes do período pré-natal, anomalias congênitas, mal definidas, causas externas (acidentes de transporte e quedas)

148 tinham entre 1 e 4 anos de idade
Doenças mais comuns: infectorrespiratórias e bacterianas, causas externas (acidente de transporte, quedas, afogamentos, agressões)

93 tinham entre 5 e 9 anos de idade
Doenças mais comuns: tumores, aparelho respiratório, sistema nervoso, causas externas

125 tinham entre 10 e 14 anos de idade
Doenças mais comuns: sistema nervoso, tumores, causas externas (acidentes de transporte, afogamentos, lesões autoprovocadas voluntariamente, como mutilações e suicídios, agressões)

Leia também:

Rafael Martini: Taxa de mortalidade infantil no primeiro ano de vida diminui pelo segundo ano consecutivo na Capital

Mortalidade infantil cai em Santa Catarina em 2015

 

Siga O Sol Diário no Twitter

  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioAusência do Estado e falta de infraestrutura facilitam a atuação de facções em áreas empobrecidas https://t.co/qaZtVJDOcQhá 2 horas Retweet
  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioCusto da repressão é até dez vezes maior do que investimento em ações sociais em Santa Catarina https://t.co/M2HwqrzmAlhá 2 horas Retweet
O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros