Manhã de julgamento é marcada por depoimento do réu em Imbituba - Cidades - O Sol Diário

Justiça14/03/2017 | 14h22Atualizada em 14/03/2017 | 17h34

Manhã de julgamento é marcada por depoimento do réu em Imbituba

Expectativa é que a sentença seja conhecida ainda nesta terça-feira

Manhã de julgamento é marcada por depoimento do réu em Imbituba Leo Munhoz/Agencia RBS
Júri popular ocorre na Câmara de Vereadores de Imbituba Foto: Leo Munhoz / Agencia RBS

Sem grandes embates até o momento, transcorre o  julgamento de Matheus de Ávila Silveira, 25 anos, no plenário da Câmara de Vereadores de Imbituba. A sessão foi suspensa para almoço às 13h12min e será retomada às 14h30min, com a fala da defesa comandada pelo advogado Guilherme Araujo. Um dos momentos mais esperados aconteceu no fim da manhã. Eram 11h07min quando o réu, vestido com uma camisa com listras azul e branca e calça jeans, foi chamado para depor. Fisicamente bem diferente do homem que em 30 de dezembro de 2015 matou o menino Vitor Pinto, dois anos. Visivelmente mais gordo, fez questão de deixar transparecer que se encontra sob efeito de medicação e chegou, inclusive, a pedir água.

Respondeu perguntas, mas dependendo do caso dizia não lembrar e atribuiu ao uso de medicação. Disse ter praticado o crime motivado pela presença de vultos e vozes que ouvia, as quais mandavam que ele sacrificasse alguém. Negou que soubesse que se tratasse de uma família indígena. Em determinado momento, disse à juíza Tayanga Goessel, que preside o júri, que "estava muito fora da casinha" no dia do crime. 

Matheus admitiu ser usuário de drogas, destacando o consumo de maconha e de cerveja, e que o estilete e as luvas encontrados na mochila estavam ali por acaso, dos tempos do colégio. Reconheceu também não estar mais estudando em 30 de dezembro de 2015 e que naquela manhã buscava emprego. Lembrou que o menino era alimentado com arroz na hora da degola.

Promotor deu detalhes do assassinato

Após o réu ser inquirido, coube ao promotor falar por uma hora e meia. Gláucio José Souza Alberton disse que estava  ali para "tocar a sinfonia da justiça". Ao se dirigir a Matheus, disse que não era o Matheus que ali havia pedido perdão, mas aquele que havia cometido um ato covarde. Em seguida, apresentou a materialidade do delito, com o homicida chegando, aproximando-se da mãe com o filho no colo e em fuga. E mostrou aos sete jurados as fotografias do corpo do menino conforme laudos do Instituto Médico Legal (IML), destacando que o corte foi tão profundo que chegou à coluna cervical  da criança. 

Ao se virar para os pais, o casal  kaingang que acompanha o julgamento, pediu desculpas pela exposição e detalhes acerca do crime que chocou o país. Um soluço da mãe, Sônia da Silva, cortou o silêncio. Atestou que nenhum outro crime nos últimos sete anos merecia ser tão bem classificado como homicídio qualificado e por motivo torpe, pois envolve o assassinato de uma criança no colo da mãe, que deixou a cidade de Imbituba às vésperas de uma virada de ano, sem condições de comemorar.

— Em seis, sete segundos, não havia condições de uma mãe com uma criança no colo fazer algum tipo de defesa — disse o promotor. 

Alberton explicou ainda que o MP concordou com o laudo de um psiquiatra que descreve  a semi-inimputabilidade do réu e a síndrome de Borderline, mas destacou que isso não é suficiente para a não penalização, mas pode ajudar a reduzir a pena. Para o promotor, o caso é igual a tantos outros em que jovens usam drogas e acabam também por desenvolver certos tipos de doenças.

Delegado foi a única testemunha de acusação; defesa trouxe duas

O promotor arrolou o delegado Raphael Giordani como única testemunha. Responsável pelo inquérito, o policial disse que não havia dúvidas sobre a autoria e que o réu confessou com riqueza de detalhes, mostrando-se tranquilo nos depoimentos, exceto nos momentos em que apresentava irritabilidade a algumas perguntas. O policial destacou que em nenhum momento o homicida demonstrou arrependimento e que sempre esteve lúcido.

A defesa apresentou duas testemunhas. A primeira foi a socióloga Azelene Inácio, de origem Kaingang. Com ela, o advogado Guilherme Araújo travou uma discussão acalorada a respeito do conceito do que é um índio integrado. Ativista da causa indígena, Azelene sustentou que, por morar na aldeia, falar praticamente só o idioma Kaingang e ser praticamente dependente de uma cultura, a venda do artesanato, trata-se uma situação de índios não totalmente integrados.

A segunda testemunha arrolada foi o pai de santo João Batista de Freitas, cadeirante e que se mostrou muito nervoso tendo dificuldades iniciais para depor. O aposentado negou que alguma atividade tivesse pedido o sacrifício de uma criança, mas de um animal. Explicou ter colocado cartas a respeito da vida de Matheus, que se dizia em crise pessoal. 

Após o almoço, o advogado de defesa Guilherme Araujo retomará os trabalhos. 

Leia também:

Começa o júri popular do assassino confesso de menino indígena em Imbituba

Homem que matou criança indígena em Imbituba vai a júri popular nesta terça

Violência contra índios em SC é citado em relatório nacional

Mãe de índio assassinado questiona delegado durante protesto em Imbituba: "Como vão soltar o homem se eu o reconheci?"

Polícia prende novo suspeito de assassinato de criança indígena em Imbituba

Polícia descarta suspeito e seguem buscas por assassino de menino indígena em Imbituba

Indígenas protestam no local onde criança foi morta em Imbituba

Índios pedem justiça no enterro de menino morto em Imbituba

Mãe relata momentos antes do assassinato do filho indígena

Vitor: O menino que virou formiga

 

Siga O Sol Diário no Twitter

  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioVereadores levam corte de bolsas de estudo em Itajaí ao Ministério Público https://t.co/QO9RboSgZYhá 28 minutosRetweet
  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioObama: mudanças no sistema de saúde prejudicarão "milhões de americanos" https://t.co/brj5g6S55ahá 28 minutosRetweet
O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros