Número de cesarianas cai pela primeira vez no Brasil - Cidades - O Sol Diário

Saúde10/03/2017 | 11h51Atualizada em 10/03/2017 | 15h32

Número de cesarianas cai pela primeira vez no Brasil

Dos 3 milhões de partos feitos no Brasil em 2015, 55,5% foram cesáreas, 1,5 ponto percentual menos que em 2014

Número de cesarianas cai pela primeira vez no Brasil Marco Favero/Agencia RBS
Foto: Marco Favero / Agencia RBS
Agência Brasil
Agência Brasil

Pela primeira vez desde 2010, o número de cesarianas na rede pública e privada de saúde não cresceu no país. Dados divulgados nesta sexta-feira, 10, pelo Ministério da Saúde revelam que esse tipo de procedimento, que apresentava curva ascendente, caiu 1,5 ponto percentual em 2015. Dos 3 milhões de partos feitos no Brasil no período, 55,5% foram cesáreas e 44,5%, partos normais.

Leia a reportagem especial Hora Marcada para Nascer

Os números mostram ainda que, considerando apenas os procedimentos realizados no Sistema Único de Saúde (SUS), o percentual de partos normais permanece maior – 59,8% contra 40,2% de cesarianas. No ano passado, segundo a pasta, dados preliminares indicam tendência de estabilização do índice, que ficou em torno de 55,5%.

Novas diretrizes

Esta semana, o governo anunciou novas diretrizes de assistência ao parto normal, que servirão de consulta para profissionais de saúde e gestantes. "A partir de agora, toda mulher terá direito de definir o seu plano de parto, que trará informações como o local onde será feito, as orientações e os benefícios do parto normal", informou o ministério.

Segundo a pasta, as medidas visam ao respeito no acolhimento e mais informações para o empoderamento da mulher no processo de decisão ao qual tem direito. "Assim, o parto deixa de ser tratado como um conjunto de técnicas e representa momento fundamental entre mãe e filho", acrescentou.

Para o ministério, a estabilização das cesarianas no país é consequência de medidas como a implementação da Rede Cegonha e investimentos em 15 centros de Parto Normal; a qualificação das maternidades de alto risco; a maior presença de enfermeiras obstétricas na cena do parto e a atuação da Agência Nacional de Saúde Suplementar junto às operadoras de planos de saúde.

Foto: Ministério da Saúde / Divulgação

Capacitação

A pasta informou ainda que, por meio de cooperação com a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), vai capacitar profissionais de saúde em 86 hospitais de ensino, localizados nas 27 unidades da federação, que fazem mais de mil partos por ano.

"Trata-se de um projeto de qualificação da atenção obstétrica e neonatal hospitalar com atividades de ensino, com produção de impacto em toda a rede de serviços da linha de cuidados da saúde da mulher e da criança. A medida totaliza, em quatro anos, investimento de R$ 13,6 milhões."

Riscos da cesárea

Em 2016, o ministério publicou o Protocolo Clínico de Diretrizes Terapêuticas para Cesariana, com parâmetros que devem ser seguidos pelos serviços de saúde. A proposta é auxiliar e orientar profissionais da saúde a diminuir o número de cesarianas desnecessárias, já que o procedimento, quando não indicado corretamente, traz riscos como o aumento da probabilidade de surgimento de problemas respiratórios para o recém-nascido e grande risco de morte materna e infantil.

Leia também:

Lei contra a violência obstétrica é sancionada em Santa Catarina

Ministério da Saúde anuncia medidas para humanizar o parto

Por que Santa Catarina está tão distante da taxa de partos normais recomendada pela OMS 


 

Siga O Sol Diário no Twitter

  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioVereadores levam corte de bolsas de estudo em Itajaí ao Ministério Público https://t.co/QO9RboSgZYhá 25 minutosRetweet
  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioObama: mudanças no sistema de saúde prejudicarão "milhões de americanos" https://t.co/brj5g6S55ahá 25 minutosRetweet
O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros