Moradores fecham SC-407, entre Biguaçu e Antonio Carlos, na Grande Florianópolis - Cidades - O Sol Diário
 
 

Trânsito23/06/2017 | 08h43Atualizada em 23/06/2017 | 15h51

Moradores fecham SC-407, entre Biguaçu e Antonio Carlos, na Grande Florianópolis

Protesto pede melhores condições de tráfego na rodovia

Moradores fecham SC-407, entre Biguaçu e Antonio Carlos, na Grande Florianópolis Cristiano Estrela/Agência RBS
Manifestantes usam cartazes que pedem a revitalização da via Foto: Cristiano Estrela / Agência RBS

Um grupo de 100 moradores de Antonio Carlos e Biguaçu, na Grande Florianópolis, fez um protesto na manhã desta sexta-feira por melhorias da SC-407, estrada que liga as duas cidades. Das 7h as 9h, eles fecharam o trânsito no local com máquinas agrícolas e caminhões.

Por conta do ato, o trânsito ficou totalmente fechado no local, com passagem liberada apenas para veículos de emergência e ambulâncias. Com cartazes, a população pedia a revitalização da rodovia, que enfrenta problemas no calçamento. Pneus chegaram a ser queimados pelos manifestantes, mas, após negociação com a PMRv, foram apagados rapidamente.

O protesto foi organizado pela Comissão Pró Revitalização da SC-407 e também contou com a participação de vereadores de Antonio Carlos, entre eles Emerson Roberto Schappo, presidente da Câmara municipal. A principal reclamação do grupo é com o péssimo estado de conservação do asfalto da rodovia e com a falta de sinalização.

— Estamos há cinco anos lutando para que a rodovia seja revitalizada, mas até agora nada. Precisamos de uma solução, porque temos grandes empresas no município, além dos nossos produtores agrícolas. É uma situação de completo abandono do governo estadual em relação à estrada — disse Schappo.

Obras autorizadas desde novembro de 2016

Em maio, a reportagem da Hora esteve em Antonio Carlos e constatou o péssimo estado de conservação da rodovia SC-407. A situação é ainda mais frustrante para os moradores, já que em novembro de 2016 o governador Raimundo Colombo assinou uma ordem de serviço que autorizava o início das obras de restauração do pavimento. Porém, até agora, ninguém viu uma máquina na pista. 

Diariamente, mais de 5 mil veículos passam pela rodovia, sendo ao menos 250 caminhões para o escoamento da produção das duas cidades. O contrato para as obras previa o investimento de R$ 6,9 milhões do governo do Estado, por meio do Departamento Estadual de Infraestrutura (Deinfra), e o término dos trabalhos em até 360 dias. O trecho que deveria ser recuperado tem apenas 15 quilômetros de extensão, o que enerva ainda mais os moradores.

No mês passado, o Deinfra alegou que o "contrato está parado com problemas de burocracia interna" e que por isso as obras não foram iniciadas. Afirmou, ainda, que está em contato com a Secretaria de Planejamento de Santa Catarina para viabilizar os recursos para a obra, mas que não há previsão para o início do serviço.

Em entrevista à rádio CBN Diário, na tarde de quinta-feira, o secretário de Planejamento, Murilo Flores, disse que a obra de recuperação da via ocorrerá somente depois do empréstimo de R$ 1,5 bi que o Estado está pleiteando junto ao BNDES:

— Grande parte do valor será repassado a ajustes de rodovias ou ainda rodovias que já foram contratadas e que acabaram ficando sem recursos. É o caso do trecho que liga Antonio Carlos e Biguaçu.

Luiz Gonzaga, técnico do Deinfra, diz que há uma empresa contratada para reformar a rodovia, a Compesa, mas o órgão espera o valor do empréstimo para iniciar o serviço na SC-407. Ele espera que em até 30 dias o trâmite burocrático do valor pretendido pelo Estado esteja resolvido.

Leia as últimas notícias da Grande Florianópolis



O Sol Diário
Busca