Turismo embarcado de observação de baleias em Santa Catarina não será liberado em 2017 - Cidades - O Sol Diário

Meio ambiente30/06/2017 | 13h01Atualizada em 30/06/2017 | 15h46

Turismo embarcado de observação de baleias em Santa Catarina não será liberado em 2017

Entidades ligadas à questão chegaram a cogitar a liberação para essa temporada, mas plano de manejo não ficou pronto em tempo hábil

Turismo embarcado de observação de baleias em Santa Catarina não será liberado em 2017 Carolina Bezamat/PBF,divulgação/Divulgação
Foto: Carolina Bezamat/PBF,divulgação / Divulgação

Suspenso desde maio de 2013 pela Justiça Federal, o turismo de observação de baleias feito a partir de embarcação segue desautorizado no litoral catarinense neste ano. A decisão foi tomada na quinta-feira, 29, pelo comitê da Área de Proteção Ambiental da Baleia Franca (APABF) e pela coordenação regional do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) em Florianópolis, que tentam retomar a atividade em Santa Catarina desde a interrupção.

Os processos administrativos necessários para garantir a operação do turismo embarcado em conformidade com a determinação judicial federal — entre elas a elaboração do plano de manejo da APA da Baleia Franca, a publicação da portaria que estabelece as regras para o transporte de turistas próximo aos animais e, secundariamente, a pesquisa que avaliará o impacto do serviço às espécies — não foram finalizados em tempo hábil. Apesar de a temporada começar oficialmente em setembro, na última segunda-feira, 26, foram avistadas duas baleias na Praia do Rosa, em Imbituba, o que faz com que a época já seja considerada de observação.

Em nota enviada aos operadores turísticos da região a que o Diário Catarinense teve acesso, os órgãos esclarecem que o plano de manejo está em fase final de elaboração e a publicação está prevista para o começo de 2018. O teor da portaria, por sua vez, ainda não foi avaliado do ponto de vista técnico nem jurídico pelas diferentes instâncias do instituto. Já o estudo que medirá o impacto acústico da atividade aos animais teve a primeira saída de campo realizada há menos de um mês e, portanto, até o momento carece de resultados. Esse contexto fez com que não houvesse tempo nem condições institucionais suficientes para o devido cadastramento, seleção e capacitação das operadoras neste ano, conforme a APABF e o ICMBio. 

— (...) todos os esforços institucionais da APABF/ICMBio estão voltados à elaboração e aprovação do Plano de Manejo da Unidade. Destacamos assim a importância deste momento, tão essencial para a gestão da Unidade pelos seus evidentes impactos positivos sobre o território (...) — informou o instituto por e-mail, que destaca o benefício sócio-econômico da prática. 

Segundo Cecil Barros, chefe da APABF — que abrange desde o Sul da Ilha de Santa Catarina, na Grande Florianópolis, até Balneário Rincão, no Sul do Estado —,  a expectativa é que o turismo embarcado de baleias volte a acontecer de forma regulamentada em 2018. 

— Foram duas as questões que impactaram no adiamento. O plano de manejo, que tem a necessidade de ser concluído esse ano, e que demanda esforço de todo mundo, especialmente da equipe da unidade. Seria muito difícil dividir essa tarefa com o controle do turismo. E a portaria, que não foi publicada ainda. Eu diria que é impossível que seja publicada até setembro, porque passa pela regional, Brasília até o presidente. Fizemos de tudo de maio até agora, mas não foi possível — esclarece. 

Barros reforça, no entanto, a possibilidade de os turistas observarem por terra as espécies, que estão ameaçadas de extinção. Para o representante da Associação Catarinense de Proteção aos Animais e do núcleo catarinense da ONG Sea Shepherd Brasil — organização que moveu a ação civil pública há quatro anos a fim de interromper a atividade turística nas embarcações —, Luiz Antônio Faraoni, essa, sim, é a modalidade ideal de apreciação das baleias francas. Diferentemente dos barcos, o formato por terra é mais acessível e beneficia mais pessoas da região, segundo ele. 

— O plano de manejo do turismo embarcado é improcedente. Existem duas normas mais amplas que vão contra: uma do Ibama, que proíbe a aproximação dos animais em 100 metros, e outra de segurança na navegação, que proíbe os barcos de desligarem os motores próximo à arrebentação, bem próximo de onde as baleias ficam, na areia. Então, com o que o plano quer, não há como cumprir essas duas normas ao mesmo tempo. Fora que há risco de segurança para os animais e para os turistas. Por terra, é bem diferente, porque se faz uma trilha, se senta em um costão e se observa o movimento natural dos animais, sem causar prejuízo — defende. 

Para quem quiser realizar o turismo de observação de baleias por terra, Faraoni recomenda acompanhar esta página no Facebook. 

Leia também:

Liberação do turismo de observação de baleias depende de publicação de regras e pesquisa de impacto

"APA da Baleia Franca foi criada para preservar um berçário, e não para regulamentar a exploração", diz Luiz Antônio Faraoni, da Sea Shepherd Brasil

Número de baleias-francas no litoral de Santa Catarina foi quase 40% menor em 2016 do que em 2015

Operadoras se preparam para retomada do turismo embarcado de observação de baleias

Justiça libera turismo embarcado de baleias no litoral catarinense

MPF dá parecer favorável ao turismo embarcado de observação de baleias em Santa Catarina

Baleias-francas começam a chegar ao litoral de Santa Catarina


 

Siga O Sol Diário no Twitter

  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioAlém da vitória, Avaí tem três objetivos no jogo contra o Cruzeiro https://t.co/OGIn0G4sfIhá 26 minutosRetweet
  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioChapecoense vence o Vitória fora de casa por 2 a 1  https://t.co/PrevzUCUkxhá 13 horas Retweet
O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros