Motoristas e cobradores de Itajaí descumprem decisão judicial e transporte coletivo segue parado  - Cidades - O Sol Diário

Impasse13/07/2017 | 09h56Atualizada em 13/07/2017 | 10h01

Motoristas e cobradores de Itajaí descumprem decisão judicial e transporte coletivo segue parado 

Trabalhadores não aceitam o parcelamento dos salários

Foto: Luiz Carlos Souza / Especial

Os motoristas e cobradores da Coletivo Itajaí decidiram em assembleia, na manhã desta quinta-feira, não acatar a determinação judicial de retomarem pelo menos 30% das linhas de ônibus. A decisão, do Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região (TRT), em Florianópolis, prevê multa diária de R$ 20 mil por descumprimento.

Os trabalhadores não aceitam o parcelamento de salários imposto há três meses pela Coletivo Itajaí, e decidiram, junto com o Sitraroit, sindicato que os representa, propor uma ação judicial coletiva de rescisão indireta. Na prática, esperam que, por determinação da Justiça, a empresa os demita com garantia de todos os direitos.

A expectativa é que a concessionária deposite o restante dos salários dos 200 trabalhadores nesta sexta. No entanto, diante do pedido de demissão coletiva, o retorno ao trabalho ainda é incerto.

Esta semana o prefeito Volnei Morastoni (PMDB) recebeu representantes de uma empresa de Curitiba, interessada em operar o transporte coletivo em Itajaí até que seja feita uma nova licitação _ o que só deve ocorrer no fim do ano que vem. As conversas avançaram, e o grupo deve voltar à cidade na segunda-feira.

A intenção da empresa, no entanto, não é assumir também a Coletivo Itajaí, que oferece seus ônibus e o serviço a quem ficar com suas dívidas. A princípio, a companhia paranaense deverá trazer sua própria frota e operar em contrato direto com o município. 

O Sol Diário
Busca