Nenhuma das sete metas do Plano Estadual de Educação que vencem até dezembro estão cumpridas - Cidades - O Sol Diário

Educação03/07/2017 | 05h42Atualizada em 03/07/2017 | 11h15

Nenhuma das sete metas do Plano Estadual de Educação que vencem até dezembro estão cumpridas

Documento estabelece 19 objetivos para o ensino em SC até 2024

Nenhuma das sete metas do Plano Estadual de Educação que vencem até dezembro estão cumpridas Diorgenes Pandini/Agencia RBS
Foto: Diorgenes Pandini / Agencia RBS
Cristian Edel Weiss
Cristian Edel Weiss

cristian.weiss@diario.com.br

Das sete metas do Plano Estadual de Educação com prazo parcial de execução até dezembro de 2016 e 2017 (veja em detalhe, abaixo), em nenhuma delas é possível afirmar que Santa Catarina cumpriu os compromissos, conforme dados oficiais disponíveis.

O Plano Estadual de Educação foi aprovado em dezembro de 2015 e prevê 19 metas e estratégias para desenvolver o ensino desde a educação infantil à pós-graduação em todo o território catarinense até o fim de 2024.

Leia também:
"Teremos de reposicionar prazos", diz secretária adjunta sobre metas Plano Estadual de Educação

Apesar de estar há um ano e meio em vigência – e ter metade das metas com limite de execução até dezembro de 2016 –, o grande entrave para o monitoramento dos objetivos é a falta de indicadores atualizados com maior rapidez. Desde fevereiro do ano passado, por pelo menos cinco tentativas a reportagem do Diário Catarinense solicitou os dados ao governo do Estado sobre o monitoramento do plano para metas que venceriam em 2016 e 2017. Em duas ocasiões, o pedido foi feito via Lei de Acesso à Informação.

Em todas as respostas, a Secretaria de Estado da Educação (SED) afirmou que os indicadores dependiam de levantamentos do IBGE e do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) e que a avaliação seria feita a cada dois anos. A espera pelos dados – principalmente demográficos – tem dificultado o acompanhamento da execução dos objetivos.

Clique abaixo para ver as condições das 7 metas em detalhes:

...

Dependência de indicadores nacionais dificulta análise

A presidente do Inep, Maria Inês Fini, explica que o órgão não consegue acelerar o levantamento e divulgação dos indicadores: 

– Há uma diretoria do Inep que é encarregada de fazer o monitoramento do Plano Nacional de Educação, em nível nacional. E quando ele [o plano] foi instituído, marcou-se uma linha de base em 2014, de forma que a cada dois anos nós atualizássemos o dado do Censo Escolar. Nós não temos a mínima possibilidade de oferecer esse serviço para os Estados. 

Em novembro do ano passado, pesquisadores do Inep apresentaram no Conselho Nacional de Educação o resultado dos primeiros dois anos de avaliação a partir da linha de base. Segundo Maria Inês, a equipe está aprimorando metodologias e cálculos para em 2018 apresentar outra etapa.

A execução do plano não está atrelada às redes ou a governos, mas trata-se de um conjunto de metas para territórios. Na prática, o cumprimento dos 19 objetivos de SC exige esforços de todos os municípios e da rede estadual, além de contribuições da rede privada. Ou seja, para o plano estadual ser considerado cumprido, é preciso que todos os 295 municípios e a rede estadual alcancem suas metas ao final de 2024.

Tanto a SED quanto a União dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime SC) ressaltam que a dificuldade de financiamento e a limitação federal dos gastos com o ensino são fatores que dificultam o alcance das metas. 

O Plano Nacional de Educação, aprovado em junho de 2014 – que estabelecia prazo de um ano para municípios e Estados formularem as próprias leis – foi aprovado em outro contexto, quando as receitas públicas e a economia apresentavam indicadores positivos, reforça o presidente da Undime, Roque Mattei, secretário em Joinville. 

Por isso, a secretária adjunta da Educação, Elza Moretto, não descarta a chance de se rever prazos, caso haja recomendação da comissão formada para monitorar os objetivos.

Ensino médio e infantil são os mais urgentes

Para a SED, cuja atribuição principal é o ensino médio, as metas relacionadas a essa etapa são as mais preocupantes. Isso porque é o período em que há mais evasão escolar e reprovação e as tentativas de torná-lo mais atrativo – com a expansão do ensino profissional e de turno em tempo integral – depende da aprovação da Base Nacional Curricular Comum, que segundo o presidente do Conselho Nacional de Educação e secretário de Estado da Educação, Eduardo Deschamps, só deve ocorrer no primeiro semestre de 2018.

Aos municípios, no entanto, é o ensino infantil o maior gargalo, compreendendo a creche e a pré-escola. Esta última – que atende alunos a partir dos quatro anos – tornou-se obrigatória desde o ano passado, quando a alteração da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional entrou em vigor.

Já a presidente do Fórum Estadual de Educação, Cássia Ferri, elenca também como urgente a atenção às séries finais do ensino fundamental, do 5º ao 9º ano: 

– O ensino médio está em evidência porque de fato está muito delicado. 
É um incêndio que temos de apagar logo. Mas quando eu olho para o sistema de Santa Catarina, acho que tem de se dar importância aos anos finais do fundamental. Temos sérios problemas ali que dificultam, inclusive, as ações para o ensino médio.

Além das sete metas com prazos parciais de execução até o fim deste ano, a equipe técnica da SED, responsável pelo acompanhamento do plano, ressalta que a meta 4 exige igualmente atenção. O objetivo determina universalizar o acesso a educação básica e atendimento especializado para pessoas com deficiência de quatro a 17 anos, priorizando a inserção na rede regular de ensino. Uma das submetas prevê até o fim deste ano a definição de indicadores e supervisão do funcionamento de instituições públicas e privadas que atendem esse público. 

Segundo a SED, o Estado é referência no país em educação inclusiva na rede pública, com segundo professor em sala de aula, intérprete de Libras, mais de 190 Apaes e salas de recursos multifuncionais que atendem surdos, cegos e pessoas com deficiência mental moderada no contraturno escolar. 
Mas na rede privada, há escolas que se recusam a matricular alunos com deficiência ou cobram valores adicionais para ter atendimento especializado, conduta sob análise do Supremo Tribunal Federal. 

Financiamento público é o principal entrave

A maior parte das metas depende de investimento público para se concretizar. O peso é maior sobre os municípios, como afirma o presidente da Undime SC, Roque Mattei. As prefeituras necessitam de recursos federais para ampliar unidades, complementar o salário dos professores e manter diversos programas. Fica também com os municípios a maior responsabilidade da educação pública, da creche ao 9o ano do ensino fundamental. 

Com a aprovação do Plano Nacional de Educação (PNE), prometia-se o investimento de 7% do Produto Interno Bruto (PIB) em educação até 2020 e 10% a partir de 2024. Além disso, o governo distribuiria royalties do petróleo da camada pré-sal. 

Nenhuma das duas fontes de financiamento tem sinais no horizonte para serem aplicadas. O próprio PNE está comprometido. Ao completar três anos de vigência no ano passado,   apenas 20% das metas do país estão sendo cumpridas, segundo levantamento do Observatório do PNE.

– Tem toda uma ginástica do gestor municipal para cumprir as metas. Só na educação infantil, tinha municípios que atendiam 50% das crianças a partir de quatro anos e, de um ano para o outro, tinham que dobrar o número de alunos. O que aconteceu? Eles atenderam os de quatro e cinco anos e deixaram os com até três para ver o que sobrava de vagas, por exemplo. Os que se preveniram, como muitos de SC, começaram a construir, ampliar e melhorar a infraestrutura para atender os alunos de quatro anos, já tinha um contingente importante de vagas a mais – explica Mattei.

Cássia Ferri ressalta, entretanto, que tem recebido gestores municipais que demonstram falta de conhecimento sobre os próprios planos. Alguns, segundo ela, por não ter acompanhado o processo de elaboração do documento, não se sentem partícipes:

– Estamos em junho e tem gente que nem sabe da existência do documento – alerta a especialista. 

A Undime afirma que os municípios estão empenhados no cumprimento das metas e que oferece consultoria aos gestores municipais.

Veja abaixo os indicadores de todas as 19 metas apresentados pela Secretaria de Estado da Educação ao Tribunal de Contas:

>> Clique aqui para baixar o relatório completo

>> Clique para ver a lei do Plano Estadual de Educação

Comissão de especialistas e entidades públicas vai monitorar as metas

Publicado em abril no Diário Oficial do Estado, o decreto 1.120 determinou a criação da Comissão Estadual para Monitoramento e Avaliação do plano até 2024. 

Em maio, foram nomeados 11 membros titulares e 11 suplentes, representantes da Assembleia Legislativa, do Fórum Estadual de Educação e conselhos municipais e estadual de Educação para acompanhar a execução das metas e estratégias do plano, produzir relatórios anuais sobre os resultados e, a cada dois anos, avaliar e discutir todos os objetivos.

 Mas nenhuma reunião ainda foi feita, segundo a presidente do Fórum Estadual de Educação, Cássia Ferri, também convidada a integrar a comissão. Os municípios também estão nomeando as comissões para monitorar as metas locais. 

Leia também:
"Teremos de reposicionar prazos", diz secretária adjunta sobre metas Plano Estadual de Educação



Siga O Sol Diário no Twitter

  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioQuatro catarinenses estão no mesmo pote do sorteio dos jogos da Copa do Brasil https://t.co/qgHgKPDAfrhá 9 horas Retweet
  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioApós renovação, Claudinei Oliveira traça meta: "Recolocar o Avaí na Série A" https://t.co/jhkuxmkQODhá 11 horas Retweet
O Sol Diário
Busca