Após período de reabilitação, 13 pinguins são devolvidos ao mar em Florianópolis - Cidades - O Sol Diário

Meio ambiente24/08/2017 | 10h21Atualizada em 24/08/2017 | 12h10

Após período de reabilitação, 13 pinguins são devolvidos ao mar em Florianópolis

Os animais foram recolhidos em praias de SC em janeiro e julho deste ano

Após período de reabilitação, 13 pinguins são devolvidos ao mar em Florianópolis Diorgenes Pandini  / Diário Catarinense/Diário Catarinense
Foto: Diorgenes Pandini / Diário Catarinense / Diário Catarinense
Diário Catarinense
Diário Catarinense

Depois de um período de recuperação, treze pinguins-de-magalhães foram soltos na manhã desta quinta-feira, 24, na praia do Moçambique, em Florianópolis. Desses animais, 11 estavam no Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas) do Parque do Rio Vermelho desde julho e outros dois desde o início do ano. 

Os pinguins são recolhidos em praias catarinenses e muitas vezes estão debilitados por conta da falta de alimentos e da poluição. A ação foi realizada pela Fundação do Meio Ambiente (Fatma), a ONG R3 Animal e a Polícia Militar Ambiental. Outros 16 animais ainda estão em recuperação no Cetas.

Foto: Diorgenes Pandini / Diário Catarinense

Daniel de Araújo Costa, chefe do Parque Estadual do Rio Vermelho, explica que a Ponta das Aranhas foi escolhida por estra dentro da área do parque, ser um lugar isolado e ter mar aberto.

— Depois de soltos eles têm instinto natural para voltar ao lugar de origem. Nós evitamos público nessas solturas para não causar estresse nos animais — explica.

Foto: Diorgenes Pandini / Diário Catarinense

Os pinguins-de-magalhães são originários da Argentina e do Chile e, com a chegada do inverno no Hemisfério Sul, deslocam-se por águas brasileiras em busca de alimentos. Os que chegam às praias catarinenses, geralmente, estão debilitados pela viagem ou doentes. Eles passam por tratamento após serem recolhidos e, quando adquirem cerca de 3,5 kg, são libertados em grupo. 

Foto: Diorgenes Pandini / Diário Catarinense

A veterinária da ONG R3 Animal, Cristiane Kolesnikovas, é responsável pelo tratamento dos animais desde que são recolhidos. Ela explica que são realizados exames de sangue e clínicos para detectar se há alguma doença e depois passam pela reabilitação para recuperarem o peso.

— Essa é a melhor parte do trabalho, é nosso objetivo, a conclusão de oito meses de cuidados.

Foto: Diorgenes Pandini / Diário Catarinense

Resgate

Caso encontre um animal marinho no litoral catarinense, a orientação é entrar em contato com o Projeto de Monitoramento de Praias pelo telefone 0800 642 3341.

Leia também:

Saiba como proteger seu cão contra a leishmaniose visceral 

Porca tem 31 filhotes de uma vez só no Meio-Oeste de Santa Catarina

Três tartarugas são encontradas mortas em rede de pesca na praia da Pinheira, em Palhoça

Siga O Sol Diário no Twitter

  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioMorre, aos 73 anos, Carlos Alberto Silva, o "homem do chifre" https://t.co/GEDohsrYyWhá 7 horas Retweet
  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioBaixa umidade relativa do ar em SC exige cuidados https://t.co/CcTrWUWkn6há 10 horas Retweet
O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros