Blumenau sedia Congresso Sul-Brasileiro de Conselheiros Tutelares - Cidades - O Sol Diário
 
 

Proteção em debate08/08/2017 | 07h01Atualizada em 08/08/2017 | 07h01

Blumenau sedia Congresso Sul-Brasileiro de Conselheiros Tutelares

Questões ligadas a direitos humanos de crianças e adolescentes serão discutidas em palestras entre esta terça e quinta-feira

O dia a dia de intervenções em conflitos, denúncias de abuso sexual, maus-tratos, vulnerabilidade social e evasão escolar, as mais comuns entre todas as situações atendidas pelos conselheiros tutelares em Blumenau, nem sempre permite o tempo necessário para refletir e discutir sobre os assuntos e desafios da área. De hoje até quinta-feira, a cidade recebe o 9º Congresso Sul-Brasileiro de Conselheiros Tutelares (Congressul). O evento ocorre no Teatro Carlos Gomes e é liderado pela Associação Catarinense dos Conselheiros Tutelares (ACCT). A intenção é discutir assuntos ligados aos direitos humanos de crianças e adolescentes.

O Congressul é organizado a cada dois anos e pela primeira vez ocorre em Blumenau, onde hoje há três conselhos e 15 profissionais em atividade. O evento reúne conselheiros tutelares dos três estados do Sul, mas a expectativa é receber entre 800 e 900 participantes de todo o país. Inscrições podem ser feitas no local do evento. No total a programação prevê cinco palestras – a primeira delas ocorre hoje, às 10h. Às tardes serão dedicadas a mesas-redondas de discussão. Entre os convidados estão nomes como o professor André Viana Custódio, pós-doutor em Direito pela Universidade de Sevilha, e o promotor paranaense Olympio de Sá Sotto Maior Neto, especialista em Direitos Humanos.

Um dos principais pontos em que o congresso pode ajudar na formação dos conselheiros é no tema alienação parental – quando um dos pais estimula desavenças ou sentimentos negativos nos filhos em relação ao outro genitor. Na quinta-feira uma roda de conversa vai abordar o tema, que é um dos mais recorrentes na cidade – em cada plantão costuma ocorrer de três a cinco casos, segundo a conselheira tutelar de Blumenau, Vivian Persuhn.

– Ser conselheira é um ato de amor, uma missão. E esse tipo de evento, a capacitação e o empoderamento dos conselhos é fundamental – pontua.

O Sol Diário
Busca