Cerca de 1,5 mil pacientes ostomizados de Santa Catarina aguardam por bolsas coletoras - Cidades - O Sol Diário

Crise na saúde23/08/2017 | 21h22Atualizada em 24/08/2017 | 09h00

Cerca de 1,5 mil pacientes ostomizados de Santa Catarina aguardam por bolsas coletoras

Atrasos no pagamento do Estado a fornecedores atingem 40% dos que passaram pelo procedimento, que estão sem receber o equipamento

Cerca de 1,5 mil pacientes ostomizados de Santa Catarina aguardam por bolsas coletoras Betina Humeres/DC
Irena Gavlisnski Duarte destaca os problemas enfrentados por quem depende do objeto Foto: Betina Humeres / DC

Em Santa Catarina existem cerca de 4 mil pacientes ostomizados. São pessoas que precisam fazer uso de bolsa coletora para eliminar as fezes do organismo. O mais comum é que tenham passado por cirurgia para a retirada de tumores, embora existam outras doenças que levam ao procedimento. Mas cerca de 40% dos cadastrados na Secretaria de Estado da Saúde estão sem receber a bolsinha, como é conhecida popularmente, por causa de atrasos no pagamento do Estado a fornecedores.

Além disso, em torno de 1,5 mil pessoas aguardam por cirurgia de reversão. O assunto motivou uma audiência pública na Assembleia Legislativa.

– É um descaso muito grande com essas pessoas. A última parcela paga foi em julho do ano passado e agora são sete meses em atraso – reclamou a presidente da Associação Catarinense da Pessoa Ostomizada (ACO), Candinha Jorge.

Além disso, disse ela na audiência, também falta repassar outros insumos descartáveis essenciais para a qualidade de vida de quem se utiliza da bolsa. O assunto já esteve em debate na Alesc em maio do ano passado. Como não houve avanços, a ACO pediu novamente ajuda para a Comissão de Saúde. 

Em 2016, houve comprometimento sobre a formação de um grupo para regularizar as cirurgias de reversão. Isso ocorre quando, depois de um tempo usando a bolsa ou num pós-operatório, a pessoa é submetida à cirurgia para reconstituição do intestino.

A estimativa da ACO é de que existam cerca de 1,5 mil pessoas na fila de cirurgia. O presidente da Associação Mafrense da Pessoa Ostomizada (AMO), Marcial José Przybyela, aproveitou a audiência para fazer críticas:

– Há casos em que pacientes ficam sem bolsas por até dois meses. E muitos ostomizados já perderam a chance de fazer a cirurgia de reversão por causa da fila de espera.

Ele lembrou que os ostomizados não vivem uma vida normal, principalmente pela angústia, baixa autoestima, insegurança e desconforto. O dirigente pediu treinamento aos profissionais de enfermagem e a criação de uma câmara técnica, na Secretaria de Saúde, para monitorar e qualificar a atenção com esses pacientes.

Governo promete resolver em 45 dias

Karin Leopoldo é superintendente de Serviços Especializados e Regulação da Secretaria de Estado da Saúde. Ela confirma o desabastecimento dos equipamentos e insumos por causa de atrasos nos pagamentos a fornecedores, os quais bloqueiam o repasse. Mas assegura que o Estado irá regularizar a situação em até 45 dias.

A respeito de filas para realização da cirurgia de reversão do processo, Karin informa que um mutirão de cirurgias foi firmado com o Hospital Oase, de Timbó, com capacidade para atendimento de até 300 pessoas por mês. Mas explicou que os pacientes não estavam chegando até a unidade hospitalar por falhas no sistema e falta de informações atualizadas. 

Há, ainda, pessoas que desistem da cirurgia. Isso ocorre depois de adaptação ao uso da bolsa, o que inicialmente causa desconforto. Na Secretaria de Saúde existe uma equipe responsável em entrar em contato com os pacientes para saber se eles têm interesse e condições de passar pelo procedimento jurídico.

A respeito das bolsas, Karin disse que foi montada uma estratégia para que o material não deixe de chegar aos pacientes: a busca nas regionais onde estão sobrando para repasse a lugares onde há carências. Os estoques estariam sendo recontados, afirma.

O deputado Neodi Saretta (PT) preside a Comissão de Saúde. Para ele, é preciso regularizar a questão das bolsas e também das cirurgias de reversão. Durante o debate na Alesc, Saretta declarou que a situação dos hospitais, dos postos de saúde e de milhares de pacientes `pede socorro¿. Há falta de medicamentos, insumos, exames sendo adiados e cirurgias.

A respeito dos ostomizados, Saretta voltou a alertar: 

– O material não está sendo entregue a quase metade dos pacientes assegurados pelo SUS, e que perdem o prazo da cirurgia de reversão pelas falhas no cadastro. Isso é muito grave – observou o presidente da Comissão de 
Saúde da Alesc.

Situação leva pessoas a ficarem presas em casa

– Quando a Rede Globo vai fazer uma novela mostrando que é possível viver bem mesmo sendo ostomizado? Afinal, já fizeram isso com pacientes com câncer, cadeirantes, autistas. Mostrar essas situações serve para ajudar as pessoas e a sociedade a se dar conta da realidade, não é mesmo?

Quem pergunta é Irena Gavlisnski Duarte, presidente da Associação da Pessoa Ostomizada Regional de Florianópolis. Vítima de um erro médico, Irena usa bolsa coletora há cerca de 40 anos e conta que decidiu usar a experiência para ajudar outros ostomizados. Toda semana ela vai até a sede da entidade, no Centro de Florianópolis, onde ocorrem reuniões para tratar questões como legislação, qualidade de vida e procedimentos a serem adotados.

– Muitas pessoas conseguem superar a dificuldade. Mas há também quem entre em processos de depressão, por isso achamos importante conversar sobre o assunto – diz.

Rotina alterada pelo problema

A presidente da Associação Catarinense da Pessoa Ostomizada e coordenadora-geral da Associação Brasileira – Regional Sul, Candinha Jorge, usa a própria experiência para contar sobre a situação. Até terça-feira, ela não podia sair de casa devido à falta da bolsa.

– Eu sou ostomizada e enfrento incontinência urinária. Não tenho vergonha de dizer que estava usando uma toalha. Escrevi sobre o problema no Facebook e uma empresa que me conhece por causa da atuação com a entidade entrou em contato e meu forneceu bolsinhas para um mês. Isso me ajuda, mas não resolve o problema que atinge muitas outras pessoas – observa.

Leia também:
Pela primeira vez, concurso para professor da rede estadual prioriza indígenas para as escolas de aldeias

Pesquisa da UFSC mostra os riscos da ação humana e a importância da Reserva do Arvoredo para SC

Governo publica decreto que regulamenta lei contra violência obstétrica em SC

Congresso oferece curso gratuito sobre doenças reumáticas em Florianópolis

Siga O Sol Diário no Twitter

  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioNa véspera de seu aniversário, Temer tem despachos internos no Planalto https://t.co/YXQNxb9nJMhá 2 horas Retweet
  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioTerceirizada que administra prisões em SC suspende serviços por falta de pagamento https://t.co/PZs2CbECznhá 4 horas Retweet
O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros