Família de jovem que agrediu professora em SC mudou de Estado para romper ciclo de violência no lar - Cidades - O Sol Diário

Violência na escola26/08/2017 | 03h02Atualizada em 29/08/2017 | 14h29

Família de jovem que agrediu professora em SC mudou de Estado para romper ciclo de violência no lar

Estudante morava com a família em Barra dos Bugres, Mato Grosso

A agressão aplicada pelo estudante de 15 anos ao golpear a professora em uma escola de Indaial, no Vale do Itajaí, foi vivenciada por ele desde a infância. Antes dos 10 anos, quando morava com a família em Barra dos Bugres, Mato Grosso, o rapaz ficou hospitalizado por dois dias depois de apanhar do pai, alcoólatra. Um ambiente em que a violência era ensinada em casa. A mãe, que é faxineira, rompeu esse ciclo há cinco anos, quando vendeu tudo e se mudou com ele e o irmão mais novo, hoje com 12 anos (a filha mais velha já havia saído de casa), para Indaial. Buscava uma nova vida para educar os filhos.

— Vi alguns comentários de pessoas me culpando na internet, falando da criação. Mas elas não sabem a minha história. Não tem justificativa para a violência, nunca. Mas tem toda essa situação — lamenta a mãe.

Responsável pela investigação do caso, concluída no fim da semana, o delegado José Klock é um dos defensores do papel da família para enfrentar situações como essa.

— As famílias estão se omitindo muito. Terceirizaram essa formação, de ser o que se é, da consciência, da formação e do caráter. Querem que as escolas façam educação e formação — critica o policial. 

Mesmo em SC, o jovem teve dificuldades para se adaptar a uma vida sem violência. Segundo a promotoria de Indaial, há registros de conflitos do adolescente com colegas de classe, conselheiro tutelar _ fato negado pela defesa _ e até contra a mãe. Há sete meses, o estudante tatuou no antebraço a frase "amor só de mãe". Demonstra na pele e na fala que se arrepende da agressão e diz ter "explodido, perdido a cabeça" quando a professora supostamente teria xingado a mulher que lhe deu a vida, violência verbal negada pela defesa de Marcia.

Apesar de ter pela frente outro ato infracional a responder judicialmente, além da própria internação provisória aceita pela Justiça, ele espera voltar a estudar, mas teme não ser aceito em outra escola.

Advogado da família, Diego Valgas, pretende ingressar com pedido de habeas corpus no Tribunal de Justiça para o adolescente prosseguir com os planos pessoais sem a imposição da internação provisória: 

— Até ontem [quinta-feira], o adolescente nunca recebeu atendimento especial. Justificar a omissão do Estado no passado com internação provisória, medida extremamente drástica, é um ato lamentável que traria consequências irreversíveis.

Leia também:
Educadores dizem que violência na escola é comum, mas Estado não tem registros

Secretaria de educação prevê implantação de sistema de registros de ocorrências online

Justiça determina internação de adolescente que agrediu professora em Indaial

"Quero mostrar para as pessoas que eu não sou um monstro", diz jovem que agrediu professora em SC

Siga O Sol Diário no Twitter

  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioClaudinei promete que Avaí vai brigar até o final contra a queda https://t.co/Ow0heLT0Czhá 1 horaRetweet
  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioPrefeitura de Balneário Camboriú vai protestar dívidas em cartório https://t.co/BrBkmEwTBLhá 2 horas Retweet
O Sol Diário
Busca