Hospitais públicos de SC estão com 10 antibióticos em falta - Cidades - O Sol Diário
 
 

Estoques zerados14/08/2017 | 20h35Atualizada em 14/08/2017 | 20h40

Hospitais públicos de SC estão com 10 antibióticos em falta

Secretaria de saúde não tem prazo para normalização dos estoques de medicamentos

Pelo menos 10 antibióticos estão em falta em hospitais públicos de SC de gestão estadual, como o Hospital Regional de São José e o Celso Ramos. Os medicamentos são essenciais para o tratamento de infecções e ainda não há previsão para normalização dos estoques. 

Em nota, a Secretaria de Saúde de SC informa que, destes 10 antibióticos em falta, seis aguarda-se a entrega pelo fornecedor, três o fornecedor alega falta na indústria farmacêutica e um está em falta em todo o país. "A SES está a par da falta de antibióticos nos hospitais públicos da pasta e está fazendo o possível para que o fornecimento desses medicamentos seja restabelecido o quanto antes", diz.

Faltam antibióticos nos hospitais da rede pública em SC 

O médico infectologista Pablo Sebastian Velho explica que nenhum antibiótico é exclusivo para uma situação, mas ter opções é importante para o tratamento:

— O médico acaba achando alternativa, mas o ideal é ter o leque de antibióticos para fazer a melhor escolha. É importante ter opções terapêuticas para permitir o escalonamento do tratamento. 

O médico explica que entre os medicamentos em falta há alguns mais básicos, como o sulfametoxazol com trimetoprima, que são para germes sensíveis e sem muita dificuldade de tratamento. São os chamados antibióticos de primeira linha. Para os casos mais difíceis, ou bactérias resistentes a outros tratamentos, a solução pode ser a piperacilina com tazobactan. 

— No caso da tigeciclina, ela é um antibiótico para última linha, é para uma infecção hospitalar e que já é favorável à resistência e a gente precisa um antibiótico desse tipo. O substituto pode ser a polimixina, mas ela tem problema com o uso, podendo levar à insuficiência renal. 

A médica infectologista Regina Valim reforça que a a falta impacta no trabalho dos médicos:

— Atrapalha ou porque tem que prescrever uma opção que vai encarecer o tratamento ou como na falta de apresentação de comprimido teria que substituir por uma apresentação parenteral e com isso aumento de custos e risco para o paciente, pois vai ter que ter acesso venoso. 

Ela destaca que a falta de piperacilina com tazobactan, por exemplo, preocupa porque são antimicrobianos que frequentemente fazem parte do arsenal terapêutico em pacientes graves com infecções por bactérias resistentes. Só desse medicamento são 5,6 mil unidades utilizadas mensalmente em SC. 

Medicamentos em falta:

Benzilpenicilina Potassica 5 milhões UI, pó liófilo inj. frasco
Uso
: tratamento de sífilis congênita, neurossífilis e meningites
Consumo Mensal: 229
Situação: Matéria prima em falta no mercado farmacêutico (está em falta em todo o Brasil)

Cefepima 1G IV, pó liófilo injetável, frasco ampola
Uso:
infecções respiratórias, sanguíneas e do sistema nervoso central
Consumo Mensal: 463
Substitutos: Cefepime 2G
Situação: aguardando entrega do fornecedor

Claritromicina, 500mg pó liof.p/sol. inj. frasco/ampola
Uso:
infecções respiratórias e de pele. Importante no tratamento das microbacterioses não tuberculosas.
Consumo mensal: 769
Situação: fornecedor solicitou cancelamento da ata devido falta do medicamento na indústria farmacêutica. A SES está realizando compra direta do medicamento.

Sulfadiazina de prata micronizada creme 1% (pote 400 a 500g)
Uso:
infecções de pele associadas a queimaduras
Consumo Mensal: 60
Situação: aguardando entrega do fornecedor

Piperacilina + Tazobactan 2,25g,pó liófilo inj.,fras.amp.
Uso:
infecções causadas por germes resistentes aos antibióticos de primeira linha, podendo ser respiratória, urinária ou intra-abdominal
Consumo Mensal: 870
Situação: fornecedor solicitou cancelamento do aditivo da ata, alegando falta do medicamento.

Piperacilina + Tazobactan 4,5g, pó liófilo inj.frasco-amp
Uso:
infecções causadas por germes resistentes aos antibióticos de primeira linha, podendo ser respiratória, urinária ou intra-abdominal
Consumo Mensal: 4.798
Substituto: ampicilina+sulbactam e piperacilina+tazobactan 2,25g
Situação: fornecedor alega falta no laboratório fabricante Eurofarma, previsão de regularização do fornecimento na segunda quinzena de agosto.

Ceftazidima 1G, pó liófilo inj., frasco-ampola
Uso
: germes com algum grau de resistência, infecções respiratórias, de sistema nervoso central e de corrente sanguínea
Consumo Mensal: 522
Substitutos: outras cefalosporinas padronizadas (ceftriaxona, cefepime)
Situação: aguardando entrega do fornecedor

Sulfametoxazol 400mg + Trimetoprima 80mg
Uso:
infecções de pele, urinária e intestinal. Importante como profilaxia em pacientes com HIV
Consumo Mensal: 2.691
Substituto: sulfa+trim ampola
Situação: aguardando entrega do fornecedor

Tigeciclina,50mg. pó liófilo inj., frasco-ampola
Uso:
infecções abdominais causadas por germes multirresistentes
Consumo Mensal: 139
Substituto: polimixina B
Situação: aguardando entrega do fornecedor

Ertapenen Sódico 1G, pó liofilizado, solução injetável fr-am
Uso:
infecções respiratórias e abdominais causadas por germes resistentes
Consumo Mensal: 48
Substituto: outros carbapenemicos (meropenem e imipenem)
Situação: aguardando entrega do fornecedor

Leia também:

Idosos representam metade das mortes por gripe em SC neste ano, aponta boletim

Estado deve R$ 40 milhões ao Cepon




O Sol Diário
Busca