Maior médium da atualidade, Divaldo Franco fala sobre felicidade e diálogo entre ciência e religião  - Cidades - O Sol Diário

Palestras por SC24/08/2017 | 17h43Atualizada em 25/08/2017 | 09h44

Maior médium da atualidade, Divaldo Franco fala sobre felicidade e diálogo entre ciência e religião 

Aos 90 anos, o maior propagador da doutrina espírita vivo fará palestras em Florianópolis (dia 24), Lages (dia 25) e Chapecó (dia 26). 

Maior médium da atualidade, Divaldo Franco fala sobre felicidade e diálogo entre ciência e religião  Diorgenes Pandini/Diário Catarinense
Foto: Diorgenes Pandini / Diário Catarinense

A felicidade é um trabalho de iluminação interior. Não mora numa mansão, não se compra com dinheiro e nem está na ilusão de juventude eterna. É aquilo que Sidarta Gautama denominava Buda, que Jesus denominava Cristo. Divaldo Franco, 90 anos, o maior médium da atualidade e consagrado orador do espiritismo, recorre a diferentes filosofias e religiões para explicar que ser feliz pode ser muito mais simples, como fazer alguém sorrir, por exemplo. Felicidade é o tema de seu último livro, Seja Feliz Hoje, que será lançado durante as palestras que ele ministra em Santa Catarina: Florianópolis a palestra foi na última quinta. Nesta sexta, dia 25, será em Lages (ingressos estão esgotados); e no sábado, dia 26, será em Chapecó. Na cidade do Oeste, ele participa de um evento especial na Arena Condá, onde falará sobre a imortalidade da alma. As conferências podem ser acompanhadas ao vivo pela internet, na página da Federação Espírita Catarinense.

Divaldo Franco tinha quatro anos quando se comunicou pela primeira vez com espíritos. Foi sua avó materna, que morreu logo após dar à luz a mãe de Divaldo, quem se manifestou para o menino.

—Subitamente chegou uma senhora, me chamou e falou: "diga a sua mãe que sou Maria Senhorinha, eu sou sua avó"— contou.

A partir daí a mediunidade se manifestou e, aos 10 anos, ao ler o primeiro livro espírita, passou a dedicar-se a entender o fenômeno mediúnico e a falar sobre a doutrina espírita em todo mundo. De lá para cá, publicou mais de 250 livros e mantém na Bahia, Estado onde nasceu, a Mansão do Caminho, instituição de caridade que atende milhares de pessoas todos os dias.

Apesar da idade, 90 anos completados em maio, o professor aposentado tem o corpo forte e a mente afiada. A gasolina, ele brincou durante entrevista ao Diário Catarinense, é um golezinho de café de vez em quando. Como é de se esperar, fala manso, é doce e sorri com os olhos. 

Leia os principais trechos da conversa:

O que é o espiritismo

Allan Kardec definiu o espiritismo como sendo uma ciência que estuda a origem, a natureza, o destino dos espíritos e as relações que existem com mundo corporal. É uma ciência. Resultado dos fatos que provam a imortalidade da alma através da mediunidade.

Mediunidade é um fenômeno orgânico

Médium é um indivíduo dotado de uma faculdade semelhante à inteligência, à emoção. Allan Kardec estabelece de uma forma muito bonita: todo aquele que sente, em determinado grau, a presença dos espíritos é, dessa forma, médium. É uma faculdade orgânica. Nós temos nas células piramidais do cérebro uma das sedes da inteligência. Temos também a sede da memória, a sede das emoções. As nossas glândulas endócrinas respondem por várias funções. Uma dessas é responsável pelo fenômeno mediúnico: é a glândula pineal, que é também encarregada da sexualidade e da pigmentação da pele. A mediunidade é uma faculdade orgânica. Não é um dom, carisma, uma graça, como as fantasias denominam. É uma faculdade que todos nós possuímos.

Ciência de mãos dadas com a espiritualidade
Allan Kardec (1804-1869, codificador do espiritismo) criou métodos, porque cada ciência tem a sua própria metodologia. E a metodologia materialista nos serve para investigar a imortalidade. Então a ciência espírita centraliza todas as pesquisas no fenômeno mediúnico, para verificar se se trata de paranormal, se aquelas expressões estão no inconsciente ou inconsciente coletivo, se é telepatia. E por meio de pesquisa muito bem elaborada pela repetição, chega-se à conclusão da legitimidade dos fenômenos. Demonstra que a mediunidade é o melhor instrumento para provar a imortalidade da alma.

Um mundo de provas e expiações

Existe a lei do progresso. Nós viemos do primata homini e atravessamos o período do instinto, passamos para o período da emoção, da razão e agora a da tecnologia. E já entramos no período em que vamos ter o homem virtual — isso porque de tal forma a cibernética nos lançou no mundo que em breve teremos uma nova imagem da sociedade. E é natural que de uma etapa para outra nós venhamos deixando resíduos. Esses resíduos nós chamaremos efeitos, ou o que os esotéricos indianos chamam de carma. Nós não usamos a palavra, porque o carma é como uma roda, e ele se repete. Para nós, o amor de Deus anula todos os nossos equívocos. Nós somos aprendizes da vida. Não existe o erro, e sim o certo que se deu equivocado. Então geramos um débito e esse débito tem uma pontuação ("eu necessito de reabilitar-me desse equívoco, então eu reencarno e experimento o sofrimento"). Ou experimento a abnegação. Porque o bem que eu fizer anula o mal que eu fiz. Nós vivemos num mundo conturbado porque é um mundo em evolução. Allan Kardec, o codificador do espiritismo, denominava Mundo de Provas e Expiações. É uma escola. E na escola nós vamos progredir, mas temos muitas provas e momentos difíceis. Uma escola que vai nos projetar para uma universidade do bem, que será então um mundo de regeneração.

O sofrimento vem do egoísmo

A causa matriz do sofrimento humano é o egoísmo. É um fator que desencadeia todos os males, porque é a mãe do orgulho e dos sentimentos de natureza pessoal: primeiro eu, para depois os outros. Na hora em que nós compreendermos que somos animais gregários e que todos somos interdependentes, que nós formamos um holograma, um conjunto de energia, conforme a chamada Teoria do Todo, veremos que a nossa felicidade depende da felicidade do outro.

Nossos sofrimentos têm a dimensão que nós lhes damos. Porque o sofrimento teu talvez para mim não tenha nenhum sentido. Se nós colocarmos no oposto ao sofrimento a esperança, a alegria, a compreensão, ele diminui. Mas esse sofrimento ao mesmo tempo é uma marcha e podemos considerá-lo como fator de progresso, um estímulo. Se não, cairíamos num tédio insuportável. Há uma anedota muito interessante: um protestante havia comprado uma gleba de terra e certo dia alguém passou e viu um jardim lindo ao lado de uma floresta agressiva. Então o visitante disse: "ué, que bom né? Deus lhe ajudou a fazer isso". A resposta foi assim: "você precisava ver antes de eu chegar, Deus estava descuidado¿ (risos). Nós temos que fazer a nossa própria parte para poder desenvolver os nossos valores. Jesus teve uma frase de grande beleza: ¿meu pai, até hoje, trabalha. Eu também trabalho". Se procurarmos ter ação, atividade mental e física, e objetivarmos o bem comum, tudo muda. Porque nada melhor do que fazer alguém sorrir. A felicidade consiste em espalhar esperança.

Foto: Diorgenes Pandini / Diário Catarinense

Sobre a tolerância de credos e opiniões

Dar ao outro o direito de crer no que lhe aprouver. E agir da melhor maneira possível. Eu criei uma tese, a de que é mais importante não ter religião e ser digno do que ter religião e não ter dignidade. Então se nós permitirmos que o outro seja feliz a seu modo, é um direito que ele tem. O nosso egoísmo pede que ele seja feliz ao nosso modo. E isso é um pouco de atraso que nós temos que combater. Deixar a pessoa ser feliz conforme lhe apraz. E a vendo feliz, participar dessa felicidade. Mesmo que não seja com a gente.

Homenagem aos familiares do acidente da Chape

Faremos especialmente uma homenagem aos que ficaram, porque os que partiram estão felizes. Iremos homenagear com uma conferência sobre imortalidade da alma. Para que eles se renovem, se tranquilizem e entrem em contato psíquico com os seus queridos. É tão fascinante essa questão: nós podemos nos comunicar com eles. Isso é fascinante, porque além de estar no Evangelho de Jesus, é um fenômeno da ciência. A neurologia e a neuropsiquiatria comprovam a imortalidade da alma.

Mortes coletivas e o espiritismo

Nós acreditamos na reencarnação. E muitas vezes nós cometemos vários deslizes e problemas coletivamente. Observemos o exército muçulmano, as invasões de cidades, a pornografia, o número de pessoas que atraímos para situações deploráveis. Tudo isso estabelece um código de ética, uma causa negativa. Essa causa negativa funciona dentro da lei da física, vai dar efeitos e consequências. Não quer dizer que esses indivíduos foram maus, necessariamente. Vamos dizer que são indivíduos que tinham débitos perante a lei divina, e foram reunidos para poder resgatar coletivamente. Então vem a morte inesperada por motivos que não têm a mínima justificativa. Trata-se de um resgate coletivo graças à misericórdia de Deus, muito mais doloroso para quem fica, por causa da saudade. Aqueles que vão, despertam e a vida continua, serão felizes. Mas aqueles que ficam convivem com as dúvidas: será que isso é verdade? Se nós refletirmos um pouco em Jesus, veremos a ressurreição. É inevitável que a vida termine quando por acaso ocorrem esses fenômenos denominados de morte. A vida prossegue exuberante. Tudo se transforma. Hoje nós vemos uma partícula subatômica ser a base do cosmo. E vemos também no holograma um pedaço ser o todo. Dessa maneira, esses jovens que deixaram as famílias estão neste momento atendendo, socorrendo, dando uma dinâmica nova à vida, substituindo a saudade pela esperança. Porque essa é uma lei da vida.

Felicidade é iluminar-se por dentro

A felicidade é um trabalho de iluminação interior. É aquilo de Sidarta Gautama denominava Buda, que Jesus denominava Cristo. Esse estado de integração do ego no self. Do indivíduo bastar-se.

Ansiedade em busca da felicidade

A nossa busca é tão tormentosa e o nosso conceito de felicidade é tão falso que entramos nesse transtorno de natureza psicológica. "Tenho que correr para dar vencimento, trabalhar muito para ganhar..." E aí nos perdemos nos transtornos de pânico, ansiedade e depressão. E aí é necessário que nós modifiquemos o conceito de felicidade.

SEQUÊNCIA DE PALESTRAS PELO ESTADO

Lages
25 de agosto de 2017
Das 20 às 21 horas, no Clube de Caça e Tiro, R. Cirilo Vieira Ramos, 1700.
Inscrições encerradas

Chapecó
26 de agosto de 2017
A partir das 16h, na Arena Condá, Rua Clevelândia, 656 E, Centro.
Entrada franca.
Inscrições: 
Frequentadores/participantes de instituições espíritas (clique aqui)
Não frequentadores/simpatizantes do espiritismo (clique aqui)

Siga O Sol Diário no Twitter

  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioJustiça extingue ação do MPF contra o maior residencial do país em Balneário Camboriú https://t.co/MnhT9P1tPahá 5 horas Retweet
  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioJustiça extingue ação do MPF contra o maior residencial do país em Balneário Camboriú https://t.co/kVXdsGQUXnhá 7 horas Retweet
O Sol Diário
Busca