Parada do Orgulho LGBT+ é impedida de acontecer na Beira-Mar Norte devido à mobilidade urbana - Cidades - O Sol Diário

Evento adiado28/08/2017 | 16h37Atualizada em 29/08/2017 | 09h42

Parada do Orgulho LGBT+ é impedida de acontecer na Beira-Mar Norte devido à mobilidade urbana

Inicialmente escolhida pela organização, a avenida não deverá ser palco do evento por determinação da prefeitura, que fala na Beira-Mar Continental

Parada do Orgulho LGBT+ é impedida de acontecer na Beira-Mar Norte devido à mobilidade urbana Marco Favero/Agencia RBS
Última vez que o evento foi realizado na Beira-mar Norte aconteceu em 2015 Foto: Marco Favero / Agencia RBS

Inicialmente programada para 10 de setembro, no mês marcado pela diversidade sexual e de gênero, a 11ª Parada do Orgulho LGBT+ de Florianópolis foi adiada para novembro de 2017. A determinação é da prefeitura, que sugere que o evento seja realizado na Avenida Beira-Mar Continental, em vez da Avenida Beira-Mar Norte, devido ao impacto na mobilidade urbana. 

A alteração no calendário está relacionada a um impasse entre poder público e organização do evento, que é composta por 15 entidades que representam o público de lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e transgênero (LGBT) na capital catarinense. Enquanto a comissão solicitava permissão para realizar a marcha na Avenida Beira-Mar Norte, a administração municipal defendia que a Avenida Beira-Mar Continental fosse palco para a manifestação, como já aconteceu na edição anterior, em 2016.

Conforme nota publicada pela Comissão Permanente de Organização do Mês e Parada do Orgulho LGBT+ em Florianópolis na última quinta-feira, a prefeitura comprometera-se a realizar a Parada no endereço requisitado, ainda que informalmente, em junho de 2017. Cerca de 22 ofícios, entre licenças e alvarás, já haviam sido emitidos nesse sentido, segundo o comunicado — entre elas a autorização relacionada ao trânsito, expedida pela Guarda Municipal de Florianópolis (GMF). A prefeitura, no entanto, diz que a GMF não é responsável por autorizar e que não foi emitido nenhum ofício da corporação referente a esse evento.

A reviravolta teria acontecido em 15 de agosto, quando o prefeito Gean Loureiro (PMDB) comunicou a organização a respeito da impossibilidade de o evento acontecer na Avenida Beira-Mar Norte. Os motivos relatados, segundo a organização da Parada, eram falta de policiamento, além de problemas ocasionados pelo trânsito que seria interrompido no local. 

Em troca, a prefeitura teria oferecido a Avenida Beira-Mar Continental. A comissão organizadora negou, então, a alternativa proposta. Prometem, agora, dar sequência às tratativas com a administração municipal para continuar realizando o evento no endereço inicialmente requisitado. 

"Protocolamos um ofício solicitando uma audiência com o prefeito com as pautas de assinatura e sanção da 2º Plano Municipal de Direitos LGBT (que contém as diretrizes de implantação de políticas públicas em todos os âmbitos do município e suas secretarias temáticas com ações, metas, indicadores, parcerias, prazos e orçamentos) e para definição de data, alvará e local da realização da Parada de 2017", comunicaram na nota.

Apesar do imbróglio, as atividades do Mês do Orgulho LGBT estão mantidas. Veja mais informações aqui

O que diz a prefeitura

Antes de oferecer a porção continental de Florianópolis para realização da Parada, a prefeitura da capital catarinense informa ter indicado que o evento fosse realizado na Passarela Nego Quirido. Mas mantém a negativa em relação à Beira-Mar Norte devido à mobilidade urbana. Veja a nota enviada ao Diário Catarinense na íntegra:

A Prefeitura de Florianópolis reitera que é a favor de eventos realizados na cidade, reconhece a importância da visibilidade da Parada da Diversidade e apoia a causa. Informa que em todos os momentos esteve, por meio de diversas secretarias, à disposição da comissão organizadora, para que juntos decidissem o melhor local para a realização do evento, sendo sugerido ainda pelo poder público a possibilidade de fazer na Passarela Nego Quirido, local rejeitado pela comissão. No caso da Parada ocorrer na Avenida Beira-Mar Norte, a Prefeitura esclarece que informou aos organizadores que um evento deste porte causa grande transtorno na mobilidade do município. Desta forma e preocupada com o bem-estar de todas as pessoas, bem como com a segurança e a qualidade do evento, a Prefeitura decidiu em conjunto com a Polícia Militar, autorizar a realização da Parada da Diversidade na Avenida Beira-Mar Continental, mesmo local já realizado no ano passado e que possui ampla estrutura para atender a festa.

Leia também:
Novela repetida: maratona em Florianópolis causa efeito no trânsito e vira polêmica

Marcha internacional de mulheres é marcada pela diversidade de movimentos sociais

Conheça catarinenses que abrem espaço à diversidade na internet

Siga O Sol Diário no Twitter

  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioMorre, aos 73 anos, Carlos Alberto Silva, o "homem do chifre" https://t.co/GEDohsrYyWhá 7 horas Retweet
  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioBaixa umidade relativa do ar em SC exige cuidados https://t.co/CcTrWUWkn6há 10 horas Retweet
O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros