Alunas dão água da privada com comprimidos para professora em Jaraguá do Sul - Cidades - O Sol Diário

Norte de SC07/09/2017 | 19h36Atualizada em 08/09/2017 | 19h01

Alunas dão água da privada com comprimidos para professora em Jaraguá do Sul

Segundo Secretaria de Educação do município, estudantes foram suspensas por dois dias 

Alunas dão água da privada com comprimidos para professora em Jaraguá do Sul Salmo Duarte/A Notícia
Foto: Salmo Duarte / A Notícia
Diário Catarinense
Diário Catarinense

Quatro meninas foram suspensas por dois dias após terem dado água da privada com comprimidos para uma professora beber em Jaraguá do Sul. Um Boletim de Ocorrência foi registrado e a Secretaria de Educação do município do Norte de SC deve definir na segunda-feira outras medidas que podem serão tomadas na escola.

O secretário da pasta, Rogério Jung, diz que uma das alunas contou para a diretora da escola que se ofereciam para encher a garrafa d'água da professora e que colocavam água da privada, além de alguns comprimidos esmagados que traziam de casa. A história teria sido revelada na última terça-feira de agosto, 29, e nesse dia a escola municipal já registrou um Boletim de Ocorrência. No dia seguinte, fizeram uma reunião com direção, pais e alunas.  Ainda segundo Jung, o Conselho Tutelar foi acionado mas ainda não se manifestou. 

— Nós estamos mais preocupados com a professora que está psicologicamente abalada. Queremos preservar a professora e as crianças. 

O secretário disse que as alunas não explicaram os motivos e que teriam feito isso mais de uma vez. A Polícia Civil disse ao G1 Santa Catarina que a educadora contou que passou a sentir um gosto estranho na água e comentou com os alunos. Segundo a polícia, a professora conversou com uma das meninas e descobriu que a água colocada com remédios na garrafa era para que a docente dormisse e não desse aula. 

O secretário diz que a professora continuou a dar aulas para a turma normalmente nesta semana. Na segunda, terão nova reunião para decidir o que devem fazer:

— Estamos vendo as medidas que podemos tomar. Mas depende muito do que a professora quer fazer. A gente não consegue entender de onde saiu essa ideia.

Jung diz que não quer expulsar as alunas  para não "transferir o problema para outra escola ou entidade". Além disso, devem propor uma ação de conscientização em toda a escola. 

Leia também:

"Todos ajudaram a deixar meu olho roxo", desabafa professora agredida por aluno em Santa Catarina

Professora é agredida por aluno em Indaial, no Vale do Itajaí

Adolescentes são suspeitos de ameaçar professor de morte em Rio do Sul

Educadores dizem que violência na escola é comum, mas Estado não tem registros

Secretaria de educação prevê implantação de sistema de registros de ocorrências online


Siga O Sol Diário no Twitter

  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioSC vence disputa com DF e termina Paralimpíadas Escolares no segundo lugar https://t.co/oGwyYyNuRehá 51 minutosRetweet
  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioClaudinei aguarda por Junior Dutra e Romulo para definir escalação do Avaí https://t.co/NGA7NnPQHshá 56 minutosRetweet
O Sol Diário
Busca