Itajaí estuda liberar prédio na Beira-Rio para alavancar recursos para o porto - Cidades - O Sol Diário

Planejamento03/10/2017 | 08h48Atualizada em 03/10/2017 | 08h48

Itajaí estuda liberar prédio na Beira-Rio para alavancar recursos para o porto

Proposta é de um edifício ícone junto ao Centreventos e não se estende aos demais terrenos da avenida

Uma proposta para levantar os recursos necessários à ampliação do Porto de Itajaí pode mudar o cenário à margem do Itajaí-açu. A superintendência estuda, em parceria com a Secretaria Municipal de Urbanismo, um projeto de concessão de parte da área ao redor do Centreventos para construção de um edifício ícone. A estimativa é que a cessão de área eleve para R$ 106 milhões o potencial de ganho do porto.

O valor é bem maior do que os R$ 23 milhões estimados na avaliação atual da área, de 38 mil metros quadrados. A verba poderia pagar boa parte dos imóveis que estão na primeira quadra paralela ao porto, para agilizar as desapropriações previstas no plano de ampliação.

O processo, no entanto, não é simples. Para autorizar a construção o porto precisará de uma lei especial, já que o plano diretor não autoriza a construção de prédios na Avenida Beira-Rio. A intenção é que seja uma lei específica, que não se estenda ao restante da avenida _ o que levaria a prejuízos urbanísticos.

Os estudos apontam que, para ser autorizado, o prédio precisaria ter uma arquitetura diferenciada, que o tornasse um símbolo de Itajaí. A área é nobre e tem uma das vistas mais privilegiadas da cidade e do movimento portuário. 

O porto quer garantir que o espaço continue sendo público, e uma das propostas é que o edifício tenha um grande vão no térreo, por onde as pessoas poderiam circular.

A ideia já foi apresentada ao empresariado, em reunião da Associação Empresarial de Itajaí (ACII), e a princípio não houve resistência. O processo é delicado, já que se trata de uma área importante para a cidade. No mesmo espaço ficará o novo píer de passageiros e a infraestrutura de receptivo de regatas, como a Volvo Ocean Race. A fase de estudos do projeto ainda deve demorar mais quatro meses.

 

Leia outros posts da colunista Dagmara Spautz:

Yachthouse apresenta laudos de segurança à Justiça

Alexandre de Moraes fala sobre ética em encontro de reitores em Balneário Camboriú


Siga O Sol Diário no Twitter

  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioMarquinhos espera desfecho no fim de ano para saber se fica no Figueirense https://t.co/9m8qKDwMdVhá 8 horas Retweet
  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioInvestidores do Figueirense dizem que vão processar Alex Bourgeois, ex-CEO https://t.co/nBuqVynGoXhá 10 horas Retweet
O Sol Diário
Busca