"Liberdade, liberdade", novela que termina nesta quinta, acertou ao tocar em temas polêmicos - Diversão & Estilo - O Sol Diário

Televisão29/07/2016 | 13h02Atualizada em 29/07/2016 | 13h02

"Liberdade, liberdade", novela que termina nesta quinta, acertou ao tocar em temas polêmicos

Com uma trama atual em uma moldura do século 19, a produção sobrepôs a qualidade sobre o apelo de índices de audiência

"Liberdade, liberdade", novela que termina nesta quinta, acertou ao tocar em temas polêmicos João Miguel Júnior/TV Globo/Divulgação
Foto: João Miguel Júnior / TV Globo/Divulgação

Fazendo um retrato atual do Brasil sob o pano de fundo histórico da Inconfidência Mineira, Liberdade, liberdade (RBS TV) termina na próxima quinta como uma trama ousada que sobrepôs a qualidade sobre o apelo de índices de audiência. Sem abrirem mão de contar sua história, o autor Mário Teixeira e o diretor Vinicius Coimbra bancaram cenas que marcaram a teledramaturgia e tocaram em temas delicados nesse momento político nacional.

Leia também
"Malhação" termina na próxima terça-feira e movimenta redes sociais
Netflix anuncia produção de especiais de comédia no Brasil
"Velho Chico": trilha sonora é um mosaico sonoro que destaca o sotaque nordestino

Se a cena de sexo entre dois homens, protagonizada por Caio Blat e Ricardo Pereira, foi a mais comentada e polêmica – até por ter sido a primeira exibida na Globo –, muitas outras foram tão tocantes. Quem acompanhou a novela pôde conhecer Joaquina (Andreia Horta) e ver uma mulher muito à frente de seu tempo, com ideais de igualdade de gênero, raça e social. Uma das sequências mais emocionantes foi aquela em que a jovem alforriou os escravos da família.

Falando do Brasil antigo, Teixeira tocou em pontos como corrupção, violência, machismo e racismo. Nada mais atual, principalmente nesse momento em que uma onda conservadora ganha força. A novela fez pensar e não subestimou a inteligência do público.

Além do roteiro, a caracterização dos personagens, o cenário e a fotografia foram elementos essenciais ao bom desempenho da trama. Coimbra optou pela pouca maquiagem e as atrizes mantiveram pelos pelo corpo, como era costume à época – no século 19. Pequenos detalhes que fizeram a diferença. Tudo isso somado à segurança de um elenco afinado, com destaque para, além de Andreia, Lília Cabral (Virgínia), Maitê Proença (Dionísia), Marco Ricca (Mão de Luva), Mateus Solano (Rubião) e Nathalia Dill (Branca).

Liberdade, liberdade é mais uma prova de que a faixa das 23h é um dos maiores acertos da Globo, permitindo aos autores tocar em temas polêmicos com tranquilidade – como também ocorreu com O Rebu (2014) e Verdades Secretas (2015) –, e tramas sendo bem aceitas pelo público. 

Comentar esta matéria Comentários (0)

Esta matéria ainda não possui comentários

Siga O Sol Diário no Twitter

  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioApós atentado a tiros, juíza determina toque de recolher em Santa Cecília, na Serra https://t.co/8ZcU1kpoUNhá 1 horaRetweet
  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioCampanha nacional de multivacinação termina nesta sexta-feira https://t.co/u4QQjuwhW3há 7 horas Retweet
  •                                
  •  
     
  •  
     
  •  
O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros