Choro em branco e preto: artista expõe fotos nas ruas de Chapecó e propõe reflexão sobre o racismo - Diversão & Estilo - O Sol Diário

Artes Visuais10/10/2016 | 16h40

Choro em branco e preto: artista expõe fotos nas ruas de Chapecó e propõe reflexão sobre o racismo

Sérgio Adriano H. levará para 15 cidades de Santa Catarina a exposição "O Visível do Invisível", que consiste em ações em lugares de grande circulação pública

Choro em branco e preto: artista expõe fotos nas ruas de Chapecó e propõe reflexão sobre o racismo Sérgio Adriano H./Divulgação
Artista pintou o rosto de preto e de branco para chamar atenção sobre o racismo  Foto: Sérgio Adriano H. / Divulgação

Ao expor em muros e tapumes fotos do próprio rosto pintado ora todo de branco e lágrimas negras, ora todo de negro com lágrimas brancas, o artista visual Sérgio Adriano H. toca em feridas sociais ainda abertas: o racismo no Brasil. Em O Visível do Invisível ele evoca a escravidão como trauma pouco discutido e até mesmo negado. A exposição / ação é itinerante começou em Concórdia e nesta terça (11) estará em Chapecó na Praça Coronel Bertaso, entre 9h e 13h, e no Museu de História e Arte de Chapecó entre 15h e 19h.

A mostra tem a chancela do Prêmio Catarinense Artes e Cultura Negra e Indígena do edital Elisabete Anderle de Estímulo à Cultura e irá circular por 15 cidades. Em cada um dos municípios o artista irá criar em lugares de maior circulação pública um espaço expositivo e de reflexão com a exibição de 12 trabalhos que fazem parte de duas séries intituladas Preto de Alma Branca e Branco de Alma Preta.

Os registros fotográficos foram feitos em estúdio em 2013. Emolduradas em PVC, as imagens são ordenadas no meio da rua, seguindo um conceito de exposição movente, uma prática adotada pelo artista catarinense que costuma conduzir obras em maletas acondicionadas em um suporte móvel (carrinho).

Foto: Sérgio Adriano H. / Divulgação

No contato com o público, ele veste um elegante paletó. A ideia é alcançar os passantes, captá-los ou não para uma ação. Com as fotografias, Adriano H. propõe-se ao diálogo com o espectador ao expor em muros o invisível e apontar o dedo para o cenário social, político e econômico e debater sobre o negro na sociedade. É um interagir sobre o que não se deseja olhar, uma morte social através do preconceito, morte que não é apenas física, mas moral e diária. 

Nascido em Joinville, Sérgio Adriano H., 41 anos, é artista visual, pesquisador e produtor cultural. Vive, estuda e produz entre as cidades de Joinville e São Paulo.  Formado em artes visuais, mestre em filosofia e integra o Grupo P.S. com a artista Priscila dos Anjos.

AGENDE-SE

O quê: Projeto O Visível do Invisível
Quando: terça (11), das 9h às 13h e das 15h às 19h
Onde: Praça Coronel Bertaso (Centro, Chapecó) e Museu de História e Arte de Chapecó (Av. Getúlio Vargas, Centro, Chapecó)
Quanto: gratuito
Informações no site do projeto

Programação (apenas São Francisco do Sul e Itajaí têm datas confirmadas):
Joinville, São Francisco do Sul (dia 18/10), Itajaí (dia 20/10), São José, Florianópolis, Biguaçu, Criciúma, Chapecó, Concórdia, Mafra, Rio Negrinho, Rio do Sul, São Bento do Sul, Blumenau e Jaraguá

Leia também
Prêmio Catarinense de Cinema: divulgados os vencedores da Etapa de Avaliação
Rodrigo de Haro abre exposição de inéditas em Florianópolis

 
  •                                
  •  
     
  •  
     
  •  
O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros