Saiba como funciona a calcinha para menstruação usada pela apresentadora Bela Gil - Diversão & Estilo - O Sol Diário

Reutilizável07/11/2016 | 15h34Atualizada em 07/11/2016 | 15h34

Saiba como funciona a calcinha para menstruação usada pela apresentadora Bela Gil

Feito de tecido, produto dispensa o uso de absorvente 

Saiba como funciona a calcinha para menstruação usada pela apresentadora Bela Gil Thinx/Reprodução
Calcinha norte-americana está disponível em seis modelos Foto: Thinx / Reprodução

Mais uma vez, Bela Gil causou furor nas redes sociais. A nutricionista e apresentadora do canal GNT publicou no sábado um vídeo no Snapchat dizendo que não usava absorvente e nem coletor durante o período menstrual e mostrou as calcinhas reutilizáveis que dispensam o uso desses produtos.

— Esta calcinha é a solução. Mais um jeito de a gente viver poluindo menos o ambiente. Imagina o quanto de modess (uma marca de absorvente) não deve ter por aí, sendo jogados fora? — falou.

Leia mais:
Bela Gil revela que não usa absorventes para não poluir o meio ambiente
Bela Gil revela que comeu placenta após o parto. Saiba o que diz a ciência sobre a prática

A marca que oferece este tipo de roupa íntima é a norte-americana Thinx, criada em 2014 pelas gêmeas Miki e Radha Agrawal em parceria com uma amiga. Feita de tecido tecnológico e com quatro camadas, o produto é antibacteriano, absorve a umidade e evita vazamentos. Cada um dos seis modelos é indicado para um fluxo menstrual, sendo que alguns fazem as vezes de dois absorventes internos em fluxos normais e de um coletor mais um absorvente interno em dias de sangramento mais intenso.

Foto: Thinx / Reprodução

Os preços variam entre US$ 24 (cerca de R$ 77) e US$ 39 (o equivalente a R$ 125). Depois do uso, a fabricante sugere que a calcinha seja lavada em água fria e seque naturalmente. Embora não tenha chegado ainda no Brasil, a marca entrega os produtos em todo o mundo. As compras podem ser feitas pelo site

Calcinha é segura para a saúde, diz ginecologista

Para o chefe do Serviço de Ginecologia do Hospital Moinhos de Vento, Marcos W. Rosa, a calcinha tem o mesmo efeito do absorvente e deve ser trocada com a mesma frequência.

— O que me preocupa é só a periodicidade de troca da calcinha. Recomendaria que fosse trocada a cada três ou quatro horas, dependendo do fluxo — sugere.

Se não trocada com frequência, pode provocar odor e incômodo pelo acúmulo de sangue, mas não interfere na saúde feminina.

Outra opção sustentável e segura é o coletor menstrual, criado na década de 1930. Trata-se de um copinho feito de silicone flexível que deve ser dobrado e inserido na vagina. O material inerente cria um vácuo que permite coletar o sangue sem escorrer.

Após um período de oito a 12 horas, ele deve ser retirado e lavado com água e sabão neutro para ser novamente utilizado. Um coletor pode durar até 10 anos, de acordo com um fabricante. 

 
  •                                
  •  
     
  •  
     
  •  
O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros