Lei garante vagas para alunos com deficiência na educação técnica e superior - Diversão & Estilo - O Sol Diário

Cota30/12/2016 | 11h51Atualizada em 30/12/2016 | 11h51

Lei garante vagas para alunos com deficiência na educação técnica e superior

Alunos devem ter frequentado escolas públicas durante o ensino médio para ter direito ao percentual de vagas nas universidades e nos cursos técnicos de nível médio de instituições federais

Lei garante vagas para alunos com deficiência na educação técnica e superior Leo Munhoz/Agencia RBS
Foto: Leo Munhoz / Agencia RBS
Agência Brasil
Agência Brasil

Pessoas com deficiência que frequentaram escolas públicas durante o ensino médio terão direito a um percentual de vagas nas universidades e nos cursos técnicos de nível médio de instituições federais. A nova regra vale desde esta quinta-feira, com a publicação da Lei nº 13.409/2016, sancionada pelo presidente da República, Michel Temer. O benefício das cotas já valia para estudantes de baixa renda e que se declaram pretos, pardos e indígenas desde agosto de 2012, com a publicação da chamada Lei de Cotas.

A distribuição será feita de acordo com as vagas ofertadas e a proporção desses grupos na população da unidade da Federação onde fica a instituição.

— A nova legislação faz uma equidade ao equiparar direitos e estender esse benefício a pessoas com deficiência — comenta a titular da Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão (Secadi) do Ministério da Educação, Ivana de Siqueira. 

A Lei de Cotas estabelece como primeiro critério que no mínimo 50% das vagas para ingresso em curso de graduação, por curso e turno, sejam reservadas para estudantes que tenham cursado integralmente o ensino médio em escolas públicas. No caso do ensino técnico de nível médio, a reserva é para alunos que cursaram integralmente o ensino fundamental na rede pública.

Como segundo critério, as cotas se destinam a pessoas de baixa renda, negros, pardos e indígenas. Pelo texto sancionado, os estudantes com deficiência agora entram nessa subcota. Anteriormente, a regulamentação já permitia que as universidades federais instituíssem reservas de vagas para pessoas com deficiência, mas isso era opcional.

A sistemática de reserva de vagas nas instituições federais de ensino tem validade de dez anos, até 2022, para quando está prevista a revisão do programa especial de cotas para acesso à educação superior. 

Leia mais:

IFSC abre 830 vagas para cursos superiores via Sisu

Prazo para renovação de contratos do Fies termina nesta sexta-feira

Mensagem sobre alterações na Lei de Diretrizes e Bases da Educação que circula nas redes sociais é falsa

!-- contentFrom:cms -->
 
O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros