Luxuoso Hotel Fischer: livro conta histórias do lugar que recebia políticos e poderosos em BC - Diversão & Estilo - O Sol Diário

Fotografia20/01/2017 | 12h35Atualizada em 20/01/2017 | 12h39

Luxuoso Hotel Fischer: livro conta histórias do lugar que recebia políticos e poderosos em BC

Lançamento de "Hotel Fischer: Fotografia & Memória", editado pelo Núcleo Catarinense de Fotografia, será nesta sexta-feira no Sesc Balneário Camboriú

Luxuoso Hotel Fischer: livro conta histórias do lugar que recebia políticos e poderosos em BC Arquivo Pessoal/Divulgação
Com arquitetura enxaimel, o Fischer foi o primeiro hotel a ter banheiro em todos os quartos Foto: Arquivo Pessoal / Divulgação

Antes de a Barra Sul tornar-se área nobre de Balneário Camboriú, com um dos metros quadrados mais caros, a região era deserta e movimentada apenas pelo vaivém de pescadores. Em 1957, um visionário taxado à época de louco, o alemão Adolfo Fischer (1903-1990), escolheu o local para inaugurar o Hotel Fischer, então o mais luxuoso do litoral catarinense. De Jango a Juscelino Kubitschek, o hotel abrigou políticos e poderosos em seu auge, até o fechamento em 2009. No livro Hotel Fischer: Fotografia & Memória, editado pelo Núcleo Catarinense de Fotografia, histórias desse marco do turismo da cidade são contadas numa narrativa fotográfica. O lançamento será nesta sexta-feira no Sesc Balneário Camboriú.

Com arquitetura inspirada no estilo enxaimel, o hotel tinha quatro andares, 26 quartos de luxo e 18 apartamentos e suítes. Foi o primeiro da cidade a ter banheiro em todos os cômodos.

A pacata Barra Sul, em Balneário Camboriú Foto: Arquivo Pessoal / Divulgação

— Foi um marco para o turismo da cidade. O fato de Balneário Camboriú ser hoje destino de luxo é reflexo dessa época — diz Sergio Antonio Ulber, coordenador do projeto.

O ex-presidente João Goulart, o Jango (1919 - 1976), hospedou-se quatro vezes no Fischer, até comprar um terreno próximo onde construiu a casa de veraneio que usou para descanso entre 1961 a 1964.

Com o passar do tempo, a cidade se verticalizou e o hotel não se adaptou às mudanças. Em 2009 fechou as portas e em 2012 o prédio foi demolido. A construtora Procave planeja um residencial no terreno.

—Em 2015 lancei um livro de fotos antigas de Balneário. Estudando, deparei-me com a história do Hotel Fischer. Quando o projeto foi aprovado, o neto do fundador, Claudio Fischer, me procurou e se colocou à disposição para ajudar. O grande personagem dessa história é o pai dele, Klaus Fischer, que nasceu no hotel e o administrou. Ele abriu as gavetas para compartilhar histórias e centenas de fotografias — conta Ulber.

Klaus Fischer e o hotel nos anos 1970 Foto: Arquivo Pessoal / Divulgação

Na foto acima, Klaus, hoje com 87 anos, faz pose em frente ao empreendimento, que em 1970 passou por reforma e teve a adição de um prédio de 12 andares — o primeiro de Balneário a ter heliporto. 

Foram três meses dedicados à digitalização, pesquisa e curadoria. O livro tem 109 imagens, entre fotos e documentos. Foi desenvolvido pelo Núcleo Catarinense de Fotografia, criado em 2015 para preservar o patrimônio cultural de Santa Catarina, e patrocinado pela Lei de Incentivo à Cultura (LIC) de Balneário Camboriú.

A obra será distribuída gratuitamente e ficará disponível para download no blog Hotel Fischer: Fotografia & Memória.

A construção do hotel nos anos 1950 Foto: Arquivo Pessoal / Divulgação

Leia também
Para quem não quer balada: confira uma programação cult em Floripa
Criolo fala sobre nova versão de Ainda há tempo, álbum relançado com a retirada de versos machistas 

 

Siga O Sol Diário no Twitter

  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioEmocionante: espetáculo "Convite ao Olhar", da Cia Lápis de Seda, fecha o festival Múltipla Dança https://t.co/1dvDUUo9WRhá 30 minutosRetweet
  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioNa estreia em casa na Série D, Brusque vence o XV de Piracicaba https://t.co/Mzl1aiODqrhá 1 horaRetweet
O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros