Ludmilla se prepara para show com Jeremih no Planeta Atlântida: "Estou ansiosa, amo o trabalho dele" - Diversão & Estilo - O Sol Diário

Conexão RJ-EUA01/02/2017 | 17h40Atualizada em 01/02/2017 | 17h51

Ludmilla se prepara para show com Jeremih no Planeta Atlântida: "Estou ansiosa, amo o trabalho dele"

Funkeira carioca se une ao rapper gringo para show no Palco Planeta no primeiro dia do festival

Ludmilla se prepara para show com Jeremih no Planeta Atlântida: "Estou ansiosa, amo o trabalho dele" Bruno Alencastro/Agencia RBS
Ludmilla volta ao Planeta Atlântida dois anos depois de sua estreia no festival, desta vez para show com o gringo Jeremih Foto: Bruno Alencastro / Agencia RBS

Se é verdade que o melhor se guarda para o final, a programação do Planeta Atlântida deste ano reserva uma dupla atração para quem firmar pé na Saba até as 3h da manhã de sábado para domingo. Isso porque o último show da edição de 2017 do festival ficará por conta da dupla Jeremih e Ludmilla – os dois acabaram de gravar a parceria Tipo Crazy, que deve ser cantada por ambos em meio a um set list com sucessos do rapper americano e da funkeira carioca.

Aos 21 anos, Ludmilla comemora a boa fase com planos: ainda que a parceria com o gringo não signifique uma intenção de lançar carreira no Exterior, é um sinal de que o trabalho da cantora – que explodiu em 2012, ainda sob o nome de MC Beyoncé, com Fala Mal de Mim (você deve conhecer e provavelmente já cantou o refrão "Não olha pro lado, quem tá passando é o bonde") – está dando certo.

Leia mais:
Planeta Atlântida 2017: tudo o que você precisa saber para curtir a festa
"Gosto de chamar a atenção, mas tenho uma mensagem", diz Karol Conka
"Para os pretos, foi crise desde sempre", diz Emicida, atração do festival

– Fiquei muito feliz com o convite do Jeremih – ela disse, em entrevista a ZH. – Estou ansiosa por participar do show dele, amo o trabalho do Jeremih. Agora, não tenho a pretensão de carreira internacional. Acho que ainda tenho uma longa estrada pela frente. Mas quero gravar meu DVD neste ano.

No Planeta, Ludmilla se une a vozes como as de Anitta e Karol Conka, que cada vez mais dão visibilidade às mulheres. Depois de um ano em que o chamado "feminejo" dominou as paradas de sucesso e o discurso feminista virou assunto cotidiano, a funkeira destaca a importância dos artistas que expõem essa discussão – e avalia que o importante é manter a voz ativa na luta pela igualdade:

– Por muitos anos, existiu uma diferença entre o papel da mulher e o do homem na sociedade. Acho que a mudança é resultado da nossa luta por direitos e reconhecimentos iguais. Mas ainda temos um longo caminho pela frente.

O show ao lado de Jeremih não vai ser a primeira vez de Ludmilla no Planeta: em 2015, a cantora subiu ao palco com Buchecha e DJ Tubarão, para a apresentação conjunta do Baile da Favorita. Na ocasião, Lud havia recém lançado seu CD Hoje e aproveitou para apresentar todos os seus principais hits – Sem Querer, Hoje, Te Ensinei Certin e 24 Horas por Dia. Em 2017, mais uma vez acompanhada, ela promete repetir a dose.

– Espero que as pessoas se divirtam. É um festival de grande porte, dá ansiedade na gente. Não vejo a hora – afirma a carioca, que vê a relação do público gaúcho com seu funk se estreitar cada vez mais:

– O funk é natural do Rio, mas se tornou um ritmo popular em todo o Brasil. Acho que hoje as pessoas identificam o funk como um gênero nacional, não apenas regional.

O Planeta Atlântida, entre 3 e 4 de fevereiro na Saba, em Atlântida, tem ingressos entre R$ 200 e R$ 610. Compras online e outras informações no site do evento.

 

Siga O Sol Diário no Twitter

  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioGoverno publica decreto que regulamenta lei contra violência obstétrica em SC https://t.co/trOE59mYC7há 8 minutosRetweet
  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioElicarlos chega nesta terça-feira na Chapecoense para fazer exames https://t.co/1cb3Z1j8UDhá 18 minutosRetweet
O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros