Morador de Barra Velha utiliza água para gerar energia no quintal - Diversão & Estilo - O Sol Diário

Dia da água22/03/2017 | 09h55

Morador de Barra Velha utiliza água para gerar energia no quintal

Aposentado projetou e construiu roda d'água que opera em ângulação horizontal

Morador de Barra Velha utiliza água para gerar energia no quintal Salmo Duarte/Agencia RBS
Antonio projetou e contruiu roda d'água no quintal de casa Foto: Salmo Duarte / Agencia RBS
Gabriela Florêncio

gabriela.florencio@an.com.br

O quintal da casa de Antonio Campesi, morador de Barra Velha no Litoral Norte, conta com uma máquina que pode ajudar a economizar um bem fundamental: a água. O aposentado de 68 anos resolveu construir um dispositivo que gera energia de maneira alternativa.

Pensando no futuro das fontes renováveis, Antonio buscou uma saída para contribuir com o futuro do planeta. O inventor explica, com domínio do assunto e um sorriso largo, o funcionamento da 'roda geradora de energia elétrica', como ele mesmo batizou.

— Eu mesmo estudei, projetei e construí este dispositivo. Aqui não tem um prego ou parafuso que não tenha sido colocado por mim — orgulha-se.

Leia as últimas notícias de Joinville e região em AN.com.br

Os anos de dedicação à Companhia Energética do Estado de São Paulo (Cesp) foram o elemento essencial na construção do equipamento. Antonio se aposentou há quase 20 anos, mas não deixou a experiência com hidrelétricas de lado. Ele explica que outra inspiração foi o uso sem limites da água, um bem finito.

— Vejo que o reservatório de algumas hidrelétricas do País já está baixo. A água do planeta pode acabar e teremos que procurar outros meios de sobreviver. A minha ideia é começar a economizar desde já. O sistema até utiliza água, mas a vazão é pequena — explica.

As rodas-d’água já são uma alternativa utilizada em vários lugares para gerar potência. De acordo com Antonio, o diferencial deste dispositivo é o ângulo em que ela trabalha: na horizontal. Essa angulação ascendente permite utilizar pequenas quedas hídricas e pouquíssima vazão de água.

— Nas rodas verticais, por exemplo, é utilizada a velocidade da água. Neste dispositivo, o peso do líquido é o que conta — expõe.

Os anos de profissão foram suficientes para instigar a vontade de desenhar e pôr em prática o projeto. Antonio não concluiu o ensino médio e tudo o que sabe, desde os cálculos e leis da física, até a solda dos materiais, foi cultivado durante a vida profissional.

Ele levou cerca de seis meses para construir o equipamento e gastou aproximadamente de R$ 7 mil com materiais. Dentro do quintal de casa, o aparelho capta a água da chuva para gerar energia.

Como funciona

A água (neste caso, da chuva) enche pequenos recipientes, que servem como baldes, contidos na roda. O balanço gerado pelo peso dos recipientes cheios e vazios faz com que o círculo gire para que possa produzir energia. A força é captada por um gerador. O aposentado alerta que se a queda de água for constante, como uma cachoeira, funciona melhor.

— Este sistema foi projetado para dar apenas uma volta por minuto, mais do que isso não compensa a economia do sistema. A produção energética é feita por meio da formula do peso da água em comparação à distância do eixo — comenta.

A roda que existe na casa de Antonio é de seis metros de diâmetro. Ela pode gerar cerca de 2 quilowatts por hora. Segundo ele, esta energia acumulada durante o mês seria suficiente para abastecer ele e a família.

O tamanho máximo a que rodas deste tipo podem chegar é de 22 metros. Uma deste tamanho poderia gerar pouco mais de um megawatt (MW). A sugestão de Antonio é usar este sistema em forma de cascata com pelo menos três rodas. A geração de energia dos três equipamentos chegaria a 4 MW.

O sistema é um ciclo sem fim. Os pequenos recipientes que captam a água têm uma comporta que se abre quando a roda completa a volta. O líquido é expelido, mas não desperdiçado. Ele é captado por uma bomba que forma uma coluna d’água. Essa coluna impulsiona novamente o líquido para o início do sistema.

— Durante este ciclo, apenas a água que evapora é perdida, o resto é reutilizado — comenta.

Para este sistema, é necessário que é o movimento da roda seja contínuo. Se no local em que for instalada não existir a possibilidade de usar o sistema de canalização e reutilização da água, pode ser utilizada uma bomba elétrica com baixo consumo de energia. Ela mantém a rotação constante do aparelho.

A dedicação de Antonio em cuidar do planeta já está gerando frutos. Ele conta que a roda que está no seu quintal já tem um destino: foi comprada por uma chácara em Schroeder que irá aproveitar uma cachoeira do local para economizar água e luz.

Notícias Relacionadas

Teatro 14/09/2015 | 13h24

Concurso teatral da Águas de Joinville inicia nesta segunda-feira

Aproximadamente 500 alunos vão apresentar peças que abordam questões ambientais

26/08/2014 | 10h34

Concurso teatral Água para Sempre começou na última segunda-feira em Joinville

8ª edição segue com as apresentações até dia 29 de agosto

Eles adoram fazer arte 02/08/2014 | 16h55

Abismo Teatro de Grupo abre temporada de espetáculo infanto-juvenil neste sábado, em Joinville

A companhia é formada por jovens de 17 e 18 anos do bairro Itinga

Dama dos palcos 25/07/2014 | 23h35

Bibi Ferreira marca a estreia do Teatro CNEC neste sábado em Joinville

Apresentação será fechada para convidados e encerra a turnê Bibi – Histórias e Canções

Palco dos Sonhos 25/07/2014 | 07h11

Um dos maiores e mais modernos teatros do Estado será inaugurado em Joinville

Espaço na Faculdade Cenecista terá apresentação de estreia com Bibi Ferreira

Teatro 18/06/2014 | 14h34

Cursos de iluminação cênica, atuação e direção são oferecidos em Joinville

As aulas ocorrerão na Cidadela Cultural Antarctica

Teatro 13/06/2014 | 13h51

Espetáculo de grupo pernambucano é atração desta sexta-feira em Joinville

Gaiola de Moscas é uma daptação do conto homônimo do escritor moçambicano Mia Couto

 

Siga O Sol Diário no Twitter

  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioTCE suspende mais uma vez julgamento da pedaladas do governo estadual https://t.co/ynQR8hpUizhá 20 minutosRetweet
  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioAndrey Lehnemann: Filme Larfiagem, de Gabi Bresola, é uma ode às ruas e à malandragem https://t.co/1ZPS4qm0aAhá 20 minutosRetweet
O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros