"É um caso de violência doméstica. Fato", diz delegada que mandou polícia entrar na casa do "BBB" - Diversão & Estilo - O Sol Diário

Investigação10/04/2017 | 19h34Atualizada em 10/04/2017 | 21h14

"É um caso de violência doméstica. Fato", diz delegada que mandou polícia entrar na casa do "BBB"

Márcia Noeli abriu investigação para averiguar possível lesão corporal de Marcos contra Emilly depois da briga de sábado

"É um caso de violência doméstica. Fato", diz delegada que mandou polícia entrar na casa do "BBB" Reprodução/Globo
Foto: Reprodução / Globo

A mais recente briga entre o casal Marcos e Emilly fez com que a polícia do Rio de Janeiro entrasse na casa do BBB para investigar o caso. Iniciativa da delegada Márcia Noeli, diretora da Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher de Jacarepaguá – responsável pela área em que ficam os estúdios da Globo –, a entrada da polícia na casa se dá após o episódio mais intenso envolvendo o casal: no sábado, o médico gaúcho encurralou a estudante contra a parede, apontou o dedo contra seu rosto e, aos gritos, apertou seu braço – até que a jovem, também gaúcha, reclamou que estava "doendo".

Leia mais:
Polícia vai à casa do BBB ouvir Marcos e Emilly sobre briga polêmica do casal
VÍDEO: por que o que está acontecendo no BBB 17 é tão grave? 
BBB 17: público também errou ao deixar Marcos no programa 

De acordo com Márcia, não há dúvida de que o programa transmitiu em rede nacional um caso clássico de violência doméstica. Segundo a delegada, há, nas imagens, atos que configuram constrangimento ilegal e violência psicológica. Ela explica, no entanto, que esse tipo de agressão exige a denúncia da vítima para que seja aberta uma investigação – diferente de agressão física, crime que pode (e deve) ser apurado pela polícia, mesmo que não haja qualquer queixa.

Delegada, o que houve no BBB e qual foi o procedimento tomado pela polícia?
A delegada Viviane Ferreira, da Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher de Jacarepaguá, está no Projac com os policiais dela. Eu não assisto ao programa, mas ontem (domingo) fiquei sabendo que havia um caso de violência doméstica. Assisti a alguns vídeos com trechos do programa no YouTube e vi atitudes criminosas dele (Marcos), de constrangimento a ela (Emilly), e isso é violência doméstica. Em casos como esse (de violência estritamente psicológica), a polícia só começa a proceder depois da representação (denúncia) da vítima. Até aquele momento, eu estava assistindo e procurando evidências, até que vi o vídeo dele segurando o braço dela. Ela fala que está machucando e depois aparece com o braço roxo. Pedi que fosse instaurado o inquérito, justamente para proceder à investigação e averiguar se a lesão corporal é realmente em decorrência disso (do apertão de Marcos durante a briga).

Quais vão ser os procedimentos da polícia na casa?
A delegada está no Projac para ouvi-los. De qualquer maneira, é um caso de violência doméstica. Fato. Mas qual é o crime? Precisamos dessa investigação para saber. Vai ser mediante representação? Ela vai denunciá-lo? Se for lesão corporal, não precisa da denúncia. A delegada está nos estúdios, certamente falando com a assessoria jurídica do programa. Ambos serão ouvidos separadamente, para saber o que aconteceu nisso tudo. Primeiro, para ver se o crime realmente aconteceu. Pelo vídeo, temos ideia do que aconteceu, e é lesão corporal, mas aí existe o perito para fazer exame de corpo de delito. 

É possível que Marcos saia do programa preso?
Preso, neste momento, não. Vamos apresentar para Emilly as medidas protetivas possíveis e ver o que ela vai falar. Se o juiz deferir as medidas protetivas, por exemplo, o afastamento dele, o programa vai ter que cumprir.  

Depois da briga, o apresentador Tiago Leifert alertou que muitos casos como esse acabam em violência física. 
Geralmente, a violência doméstica começa com xingamentos. Depois, ameaças. E violência gera violência, então tende a crescer. Se não for interrompida, a tendência é de que a violência aumente, podendo chegar ao feminicídio. 

Existe um ditado que diz que "em briga de marido e mulher, não se mete a colher". 
Não se aplica. A gente mete a colher, sim. Quando instauramos o inquérito, estamos justamente metendo a colher. Em casos de violência psicológica, depende da própria vítima, mas, em casos de lesão corporal, não. Qualquer um pode denunciar e nós temos o dever de apurar. Esses ditados são machistas, e já passou da hora de não os usarmos mais. 

A senhora usou o termo "violência doméstica". Quais são os crimes desse tipo mais comuns?
Geralmente são de injúria, que é o xingamento: "você é feia, gorda", todo tipo de xingamento. Na verdade, começa com o isolamento da vítima. Quando esse rapaz diz que não quer que ela converse com ninguém na casa, ele a está isolando. Isso é violência psicológica e, nesse caso, pode ser tipificado como constrangimento ilegal. Depois do xingamento, existe o "se você fizer isso, eu te mato", que é ameaça. Daí em diante vem lesão corporal, e pode chegar até a morte.


 
O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros