"O tempo foi necessário para aceitar que tinha desejos por homens", diz Laerte no "Conversa com Bial" - Diversão & Estilo - O Sol Diário

Bate-papo26/07/2017 | 12h12Atualizada em 26/07/2017 | 12h12

"O tempo foi necessário para aceitar que tinha desejos por homens", diz Laerte no "Conversa com Bial"

Cartunista foi entrevistada por Pedro Bial na terça-feira (25)

"O tempo foi necessário para aceitar que tinha desejos por homens", diz Laerte no "Conversa com Bial" Gshow / Divulgação/Divulgação
Foto: Gshow / Divulgação / Divulgação

A cartunista Laerte participou do Conversa com Bial nesta terça-feira (25), na Globo. Aos 58 anos, a artista assumiu sua identidade mulher, colocou silicone e virou ícone dos transgêneros.

Sobre entender sua condição, Laerte revelou:

— O tempo foi necessário para eu aceitar que tinha desejos por homens. Isso era um problema para mim.

Depois disso, a questão de gênero entrou em jogo. Hoje, Laerte — que mostrou detalhes de sua atual vida no documentário Laerte-se, da Netflix — vive como mulher.

— Quando resolvi viver minha sexualidade, a questão do gênero veio como brinde. O gênero é vivido de muitas formas. Parte dos meus amigos dizia que, desde a infância, sentia-se estranho no ninho — explicou.

A experiência como mulher nas ruas também foi diferente:

— Primeira vez que sai com roupa feminina fui à padaria. Fui com uma sainha jeans, mini, eu era depilado, lá fui eu... Aí quando eu saí da padaria passou uma Kombi e fez fiu-fiu. É um pouco perturbador.

Depois da decisão, a mãe de Laerte teve uma reação de acolhimento com a filha, conforme a cartunista relatou:

— Eu liguei para ela (mãe) e disse: `vai ter uma matéria que me visto de mulher¿. Ela disse `tenho uns vestidos que não uso mais¿. Um amor.

Para Laerte, a transgeneridade ainda é um processo difícil de se passar no Brasil:

— Para algumas pessoas é traumático, as pessoas são expulsas da família, da escola, de tudo, perdem tudo, perdem a dignidade e vão para a marginalidade, prostituição. E tudo isso traz um peso.

Leia mais:

"The Handmaid's Tale": a distopia feminista que voltou a fazer sucesso com a Era Trump

Documentário vai resgatar a história de bandas punk feministas brasileiras dos anos 1990 e 2000

Calendário Pirelli 2018 será protagonizado por modelos negros

Siga O Sol Diário no Twitter

  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioMorre, aos 73 anos, Carlos Alberto Silva, o "homem do chifre" https://t.co/GEDohsrYyWhá 5 horas Retweet
  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioBaixa umidade relativa do ar em SC exige cuidados https://t.co/CcTrWUWkn6há 8 horas Retweet
O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros