Gelatina é saudável? Especialistas tiram as dúvidas sobre o produto - Diversão & Estilo - O Sol Diário

Alimentação09/08/2017 | 07h35Atualizada em 09/08/2017 | 09h15

Gelatina é saudável? Especialistas tiram as dúvidas sobre o produto

Nutricionalmente, ela sequer é considerada um alimento. Saiba mais

Gelatina é saudável? Especialistas tiram as dúvidas sobre o produto Divulgação/Divulgação
Foto: Divulgação / Divulgação

Lanche, sobremesa ou mesmo em forma de suco para acompanhar as refeições são algumas das utilizações mais comuns da gelatina. Mas será que o consumo desse produto tão popular é saudável?

Para começo de conversa, é bom esclarecer que, nutricionalmente, ela não é considerada um alimento — mas, sim, um produto alimentício. Isso porque não contém ingrediente algum que seja considerado alimento de verdade.

Leia mais:
Óleo de coco não é saudável, afirma entidade norte-americana
Manteiga ou margarina? Conheça vantagens e desvantagens

— A cor é dada por corantes. O sabor, por aromatizantes. As gelatinas de morango, por exemplo, não têm uma fruta sequer — enumera a nutricionista funcional Paloma Tusset.

Isso já responde a pergunta lá de cima: não, a gelatina não é saudável. Motivos não faltam.

Composta basicamente de açúcar, colágeno de vacas ou porcos, adoçantes artificiais, reguladores de acidez, corantes e aromatizantes artificiais, o produto é um prato cheio para uma série de problemas. Em função dos químicos, pode aumentar a inflamação do organismo, enquanto o açúcar e os adoçantes podem estimular a compulsão alimentar e a vontade de comer doces. Nem as versões light ou diet escapam.

— Elas podem ser consideradas até piores que as tradicionais, pois não têm açúcar, mas são ricas em adoçantes. Quando consumimos esses edulcorantes, o corpo entende que estamos ingerindo açúcar e produz insulina. Essa produção em excesso aumenta as chances de desenvolver uma patologia chamada resistência insulínica, que é uma etapa inicial do diabetes, e está associada ao aumento da gordura na região abdominal, a compulsão alimentar, a esteatose hepática, as doenças cardiovasculares e a diversos tipos de câncer — diz a nutricionista.

Versão caseira é a melhor saída

Com a desculpa de aumentar a formação de colágeno — molécula que deixa a pele, os ossos e os tendões fortes e elásticos — muitas pessoas ainda apostam na gelatina. No entanto, Simone Hickmann Flôres, doutora em Engenharia de Alimentos do Instituto de Ciência e Tecnologia de Alimentos da UFRGS, destaca que o produto não traz esse benefício:

— A quantidade de colágeno que tem na gelatina é muito pequena para este fim — garante.

Logo, a melhor opção, indica Paloma, são os colágenos hidrolisados vendidos em lojas especializadas ou então o consumo de caldos feitos à base de ossos e articulações de gado ou galinha.

Outra forma de tornar a gelatina menos nociva é utilizando a versão incolor com sucos naturais, pedaços de frutas e iogurtes.

Fique por dentro

Como é feita
Aquela sobremesa colorida e atraente nada mais é do que colágeno dos ossos, cascos e tecidos de ligação de vacas ou porcos, diz Simone:

— Os fabricantes trituram essas várias partes e dão a elas um pré-tratamento com um ácido forte ou com uma base forte para quebrar as estruturas celulares e liberar proteínas, como o colágeno. Depois, a mistura é fervida, fazendo com que a grande molécula do colágeno se quebre parcialmente. O resultado é a gelatina.

A esse produto são acrescidas as cores e os sabores do pó.

Você sabia?
Usada como agente "endurecedor", emulsificador ou estabilizador, a gelatina é utilizada em diversos alimentos. De acordo com Simone, iogurtes, chicletes, balas, salsichas, sopas, cremes e sobremesas podem conter o ingrediente.

Cuidado
Bastante comum, o consumo por crianças ou idosos é bastante perigoso. Paloma explica que, nessas faixas etárias, o fígado não consegue desintoxicar bem o organismo, que fica sob efeito nocivo dos aditivos químicos.

O Sol Diário
Busca