Bolsa sobe 31,19% no ano, à espera de reação da economia do Brasil - Economia - O Sol Diário
 
 

Sinais de melhora26/07/2016 | 06h05Atualizada em 26/07/2016 | 07h44

Bolsa sobe 31,19% no ano, à espera de reação da economia do Brasil

Desempenho é impulsionado pela mudança no Planalto e por sinais de estabilização da economia, mas há cobrança por medidas do governo

Bolsa sobe 31,19% no ano, à espera de reação da economia do Brasil MARCOS MORAES/BRAZIL PHOTO PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO
Foto: MARCOS MORAES / BRAZIL PHOTO PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Após persistir em uma longa trajetória de queda iniciada no final de 2010, a bolsa brasileira experimenta em 2016 dias de euforia que começam a alimentar entre analistas a expectativa de uma reversão de ciclo. Amparados primeiro na mudança sinalizada com a troca no comando do Palácio do Planalto e depois com os sinais iniciais de estabilização da economia, investidores brasileiros e estrangeiros inverteram a mão e voltaram às compras.

No ano, o índice Ibovespa tem alta acumulada de 31,19%. No mês, a valorização chega a 10,3% e as apostas indicam que há espaço para avançar mais até o final de 2016. Semana passada, engatou 10 pregões consecutivos de alta, o que não se repetia desde 2010.

Leia também:
Aplicar em renda variável depende do apetite do investidor para o risco

Com a reconhecida capacidade de antecipação a mudanças na economia, o mercado financeiro fez o primeiro movimento forte na bolsa brasileira no início do ano, com a percepção de que cresciam as chances de impeachment de Dilma Rousseff. A troca de governo, avaliavam os investidores, significaria a possibilidade de sair mais cedo das crises política e econômica e uma gestão mais pró-mercado (como aceno para concessões e privatizações) e preocupada com o reequilíbrio das contas públicas.

Depois, houve um voto de confiança no governo interino de Michel Temer, alicerçado principalmente na boa aceitação da equipe econômica escalada pelo peemedebista. Além disso, houve projeções menores para inflação, queda não tão aguda do PIB em 2016 e algum crescimento em 2017, expectativas também influenciadas pela melhora nos indicadores de confiança de empresários e consumidores. 

– O Brasil vive um momento importante de transformação política e econômica. O mercado decidiu dar o benefício da dúvida e está em plena lua de mel com o novo governo. Continuamos com expectativas positivas para a bolsa no médio e no longo prazo – avalia Henrique Baggenstoss, sócio-diretor da Manchester Investimentos, com unidades em Joinville e Florianópolis.

Expectativa é chegar em torno de 65 mil pontos até o fim de 2016

Embora o principal fator a impulsionar a bolsa brasileira seja interno, o exterior também ajuda, avalia Celson Plácido, estrategista-chefe da XP Investimentos. O especialista lembra que, com grandes economias diminuindo o crescimento, bancos centrais têm instituído até juro negativo e tentado revigorar a atividade com injeções de liquidez. Isso aumenta a disponibilidade de dinheiro e o apetite para investir em ativos de risco, em busca de maior retorno, como ações. Outro impulso veio do mercado americano, com os principais índices (Dow Jones e S&P 500, da bolsa de Nova York) renovando máximas históricas nas últimas semanas.

– No nosso relatório de maio, quando o Ibovespa estava em 48 mil pontos, dissemos que a bolsa poderia chegar no final do ano aos 60 mil pontos. Poderia chegar aos 70 mil se fossem encaminhadas ao Congresso algumas reformas – pondera Plácido.

Mesmo lembrando o risco de fazer previsões, Leandro Ruschel, diretor da Liberta Global, especializada em investimentos no mercado internacional, avalia que, se a bolsa brasileira mantiver o atual ritmo de alta, há potencial para alcançar os 64 mil pontos.

– Com o impeachment definitivo de Dilma cada vez mais provável, estabilização do cenário político com a montagem de uma equipe econômica muito competente e apresentando uma postura ortodoxa, os investidores enxergam luz no fim do túnel – observa Ruschel, lembrando a definição ainda pendente no Senado sobre o futuro de Dilma e Temer.

Celso Grisi, professor da Fundação Instituto de Administração (FIA), da Universidade de São Paulo (USP), ressalta que, em meio à euforia, é natural que o mercado passe por realização de lucros, com períodos de queda no Ibovespa, mas a tendência de médio prazo segue de alta.

– Com esse otimismo moderado, se não houver nenhum evento explosivo, poderemos chegar aos 67 mil pontos – projeta Grisi.

Para Sampaio, da Franklin Templeton, caso as expectativas em torno de medidas para o reequilíbrio fiscal se confirmem nos próximos meses, é possível ultrapassar os 65 mil pontos na Bovespa. A projeção, observa o executivo, se deve muito mais ao espaço para uma recuperação parcial da bolsa brasileira após o grande período de perdas – saiu de 73 mil pontos em 2010 para 37 mil no início de 2016 – do que para a certeza de um futuro brilhante pela frente.

Leia as últimas notícias do Diário Catarinense

O Sol Diário
Busca