Entenda as quatro novas economias: criativa, colaborativa, compartilhada e multimoedas - Economia - O Sol Diário
 

Fejesc apresenta24/07/2016 | 14h35Atualizada em 25/07/2016 | 16h12

Entenda as quatro novas economias: criativa, colaborativa, compartilhada e multimoedas

Futurista Lala Deheinzelin abordou a ideia de fluxonomia, que alia questões de futuro e economia, em sua palestra na JEWC

Entenda as quatro novas economias: criativa, colaborativa, compartilhada e multimoedas Elis Pereira/Divulgação
Lala Deheinzelin foi a palestrante deste sábado Foto: Elis Pereira / Divulgação
Estúdio DC

"O momento em que vivemos, de transição de modelos, é como uma onda, podemos surfar nela ou nos afogarmos". As palavras são da futurista Lala Deheinzelin, palestrante deste sábado na Conferência Mundial de Empresas Juniores (Junior Enterprise World Conference – JEWC), no Centro de Convenções Luiz Henrique da Silveira, em Canasvieiras, em Florianópolis. O evento teve intensa programação ao longo de toda a semana para jovens empreendedores.

Com um currículo que transitou por diversas áreas, passando do teatro a estratégias de comunicação para grandes multinacionais, Lala atua como futurista ao formular estratégias de inovação, desenvolvimento e cooperação. Na palestra, a especialista tratou de sua ideia de fluxonomia, que alia questões de futuro e economia.

Leia também
Youth for Human Rights Brazil é lançada em Florianópolis neste fim de semana

Painel do JEWC elenca quatro passos para uma política transformadora
Especialista enumera os nove pilares de empresas que pensam no futuro
"Se você tiver medo das críticas, não vai conseguir o que quer nunca", diz Tiago Leifert no JEWC
Abaixo-assinado online: confira cinco dicas para fazer sua petição
Quer empreender? Confira 11 dicas para encontrar seu propósito 

Por essa proposta, a economia no cenário atual tem que ser vista em quatro dimensões: colaborativa, compartilhada, multimoedas e criativa. Nesse processo, há a valorização não apenas de questões materiais, mas principalmente de questões como criatividade e inovação que abarcam o que Lala aponta como o "intangível". "Um I-pad, por exemplo, custa 500 dólares. Desses, 23 são de recursos materiais, o restante é pelo intangível", exemplifica.

Lala explica que os novos modelos econômicos e políticos que estão tomando forma, com a valorização de questões que não são só monetárias, são irreversíveis e seguem a passos acelerados. Para conseguir sobreviver nessa conjuntura, a futurista recomenda se dedicar a algo que seja desejável para um futuro melhor e mais sustentável, mesmo se parecer pouco provável. "Cuide de algo de maneira diferenciada e crie futuros!", diz.

Economia pensada em quatro dimensões

-       economia criativa: se refere ao âmbito do cultural e tem como matéria-prima coisas intangíveis. Relaciona-se à criatividade e inovação. Quanto maior a qualidade e diversidade da experiência, maior o valor.

Exemplo: Enquanto um quilo de algodão custa um dólar, um quilo de material da alta moda pode custar oito mil dólares.

-       economia colaborativa: relacionada ao social, parte do princípio de rede. Os trabalhos, então, precisam ser feitos em equipe, contando com a participação de várias pessoas.

Exemplo: A instituição norte-americana Society for Participatory Medicine é um modelo de medicina cooperativa que permite que médicos, pacientes e diversos profissionais possam auxiliar na pesquisa de informações, com o objetivo de reduzir possíveis erros médicos.

-       economia compartilhada: refere-se ao âmbito ambiental. Com esse viés, as pessoas não precisam consumir as coisas, apenas usá-la, juntamente com outras pessoas.

Exemplo: O aplicativo norte-americano Open Garden (Jardim Aberto) atua em uma causa compartilhada ao permitir dividir o acesso à internet do celular com outros usuários, permitindo a conexão em locais sem wifi.

-       economia multimoedas: relacionada ao financeiro, refere-se aos recursos e resultados recebidos. Pode ser monetária ou não.

Exemplo: Uma editora recebeu como pagamento por anúncios publicados um jantar de comemoração entre seus funcionários.

Vídeo: cinco passos para ser protagonista da mudança que você quer ser no mundo
Escritor define os três tipos de pessoas que querem mudar o mundo

 Passos para empreender, segundo a fluxonomia

1.     Pense em algo que motiva você e possa estar em um futuro desejável (que pode ou não parecer improvável).

2.     Busque ferramentas para realizar esse trabalho de forma diferenciada.

3.     Pense em quem pode fazer isso junto com você. Não há como mudar o mundo sozinho.

4.     Avalie o alcance que isso pode ter. Serviços e produtos valorizados são aqueles de alcance exponencial.

5.     Crie!

6.     Insista porque alguns processos levam tempo.

*Este conteúdo foi produzido pelo Estúdio DC, bureau especializado em conteúdo de marca

Siga O Sol Diário no Twitter

  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioFigueirense e Coritiba fazem duelos de 'vices' na Série B https://t.co/7tKh0Dqzlzhá 1 diaRetweet
  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioMazola abre o jogo sobre a situação do Criciúma: "é gravíssima" https://t.co/UWKf47VbBLhá 2 diasRetweet
O Sol Diário
Busca