Em Florianópolis, Dias Toffoli fala sobre impeachment, mas se nega a comentar delação da OAS - Economia - O Sol Diário

Judiciário29/08/2016 | 19h33Atualizada em 29/08/2016 | 19h37

Em Florianópolis, Dias Toffoli fala sobre impeachment, mas se nega a comentar delação da OAS

O ministro do STF não quis falar sobre proposta de delação de executivo que o cita como suposto beneficiário da reforma de um imóvel em Brasília

Em Florianópolis, Dias Toffoli fala sobre impeachment, mas se nega a comentar delação da OAS Diorgenes Pandini/Agencia RBS
Dias Toffoli nesta segunda-feira Foto: Diorgenes Pandini / Agencia RBS

Convidado para palestrar em Florianópolis, o ministro do STF José Antonio Dias Toffoli mostrou irritação nesta segunda-feira ao ser questionado sobre sua suposta relação com o empresário Léo Pinheiro, dono da OAS, que o teria citado em delação premiada na Lava-Jato. No fim de semana, o ministro participou do 2º Fórum Nacional de Conciliação e Mediação (Fonacon), e ontem deu entrevista ao Diário Catarinense, à RBS TV e à CBN Diário, na sede da Justiça Federal, na avenida Beira-Mar Norte.

Toffoli demonstrou incômodo com perguntas sobre a Lava-Jato e se recusou a falar sobre o assunto. Recentemente, a revista Veja publicou que o dono da OAS teria citado o ministro. De acordo com o texto, Toffoli e Pinheiro teriam se encontrado para discutir a reforma de um imóvel do magistrado em Brasília. O próprio ministro teria pago pelos serviços, mas a proposta de delação colocou sob suspeita a relação entre os dois. 

Dilma responde a questionamentos dos senadores em plenário

– Sobre isso, não vou falar – afirmou.

A respeito do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff, Toffoli argumentou que a história do Brasil é marcada por fatos semelhantes:

— Governar o Brasil não á fácil. A história do mostra isso. O país é muito grande e a habilidade para se governar o Brasil é extremamente necessária. É necessário que aquele que está na presidência da República tenha essa habilidade, esse perfil de ser alguém que atue de uma maneira a conciliar os interesses da nação.

O ministro exaltou o trabalho de Ricardo Lewandowski, presidente do STF, à frente do julgamento que ocorre no Senado desde a última semana. Além disso, disse não entender que haja um "golpe" em andamento, como alega a presidente Dilma Rousseff:

— Temos que entender que isso faz parte da democracia. Por exemplo, em países parlamentaristas é muito comum mudanças de gabinetes, novas eleições. Isso não quer dizer que há algum tipo de golpe ou alguma atuação subterrânea. Isso faz parte da nossa Constituição.

Comentar esta matéria Comentários (0)

Esta matéria ainda não possui comentários

Siga O Sol Diário no Twitter

  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioOposição recorre à PGR com representação contra ministro da Justiça https://t.co/J3R87rHpqwhá 1 horaRetweet
  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioMaikon Padilha conquista cinturão no Campeonato Brasileiro de Muay Thai https://t.co/ketu4sF17Mhá 7 horas Retweet
  •                                
  •  
     
  •  
     
  •  
O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros