Lava-Jato: ex-senador Gim Argello assume pedido de doação, nega propina e chora - Economia - O Sol Diário

Depoimento26/08/2016 | 19h04Atualizada em 26/08/2016 | 19h05

Lava-Jato: ex-senador Gim Argello assume pedido de doação, nega propina e chora

"Não sabia que eles eram envolvidos com Petrobras", afirmou Argello sobre executivos de empreiteiras para os quais pediu contribuição para campanha eleitoral

Lava-Jato: ex-senador Gim Argello assume pedido de doação, nega propina e chora DIDA SAMPAIO/ESTADÃO CONTEÚDO
O ex-senador pelo PTB do Distrito Federal Gim Argello Foto: DIDA SAMPAIO / ESTADÃO CONTEÚDO
Agência Brasil
Agência Brasil

Em depoimento perante o juiz federal Sergio Moro, responsável pela Operação Lava-Jato na primeira instância em Curitiba, o ex-senador pelo PTB do Distrito Federal Gim Argello assumiu ter pedido doações eleitorais a executivos de empreiteiras envolvidas com os desvios na Petrobras, em 2014, mas disse que não tinha conhecimento do envolvimento destes com a petroleira estatal.

— Não sabia que eles eram envolvidos com Petrobras — disse Argello, que à época era vice-presidente da Comissão Mista Parlamentar de Inquérito (CPMI) que investigava denúncias de irregularidades na Petrobras. — Eu pedi doação eleitoral dentro da lei — afirmou o ex-senador. 

Leia mais
Lula é indiciado por ocultar propriedade do triplex no Guarujá (SP)
Tribunal mantém bloqueio de bens de Eduardo Cunha
Moro determina devolução de passaporte de Cláudia Cruz, esposa de Eduardo Cunha 

Ao final do depoimento, Argello emocionou-se perante o magistrado e chorou, ao dizer que não era desonesto.

Argello encontra-se preso preventivamente desde abril no Complexo Médico-Penal de Pinhais, no Paraná. Sua prisão foi autorizada após os procuradores da força-tarefa da Lava-Jato terem colhido provas de que ele recebeu R$ 5 milhões em propina da empreiteira UTC Engenharia, conforme delação premiada do dirigente da empresa, Ricardo Pessoa.

Segundo Pessoa, Argello teria orientado que o dinheiro fosse pago na forma de doações eleitorais aos diretórios nacionais de quatro partidos: DEM (R$ 1,7 milhão), PR (R$ 1 milhão), PMN (R$1,15 milhão) e PRTB (R$1,15 milhão). Em 2014, as siglas integravam uma coligação com o PTB, partido pelo qual o ex-senador tentava a reeleição. Em troca, Argello agiria para evitar a intimação de executivos para depor na CPMI da Petrobras.

Em junho, Julio Camargo, consultor da construtora Toyo Setal e delator da Lava-Jato, também disse que foi pressionado por Argello a fazer pagamentos para influenciar o andamento das investigações no Congresso.

— Eles estão mentindo no que estão falando, e é um processo de retaliação — disse Argello. 

Apesar de não terem sido convocados para depor na CPMI, os executivos acabaram indiciados no relatório final.

O ex-senador reconheceu ainda que o presidente da construtora OAS, Léo Pinheiro, doou R$ 350 mil a uma igreja frequentada por ele (Argello) no Distrito Federal, mas negou que isso tivesse relação com sua atuação no Congresso. O executivo também não foi convocado para prestar depoimento perante os parlamentares.

Questionado pelo juiz Sergio Moro se não enxergou as reuniões como sendo impróprias, o ex-senador respondeu "vi, sim, senhor, agora". Argello se recusou a responder às perguntas do Ministério Público.

Leia as últimas notícias sobre a Operação Lava-Jato

*Agência Brasil

Comentar esta matéria Comentários (0)

Esta matéria ainda não possui comentários

Siga O Sol Diário no Twitter

  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioApresentadora do SporTV é internada com infecção generalizada  https://t.co/7yXm3aVAd0há 51 minutosRetweet
  • osoldiario

    osoldiario

    O Sol DiárioNova temporada de "Cozinhando no supermercado" e outras atrações para ver na TV nesta terça-feira https://t.co/yb3aM8b2w2há 2 horas Retweet
  •                                
  •  
     
  •  
     
  •  
O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros