Afastado há sete meses, Pezão retorna ao governo do Rio na terça-feira - Economia - O Sol Diário

Voltando ao trabalho31/10/2016 | 13h45Atualizada em 31/10/2016 | 13h45

Afastado há sete meses, Pezão retorna ao governo do Rio na terça-feira

Licença, que iria até 31 de agosto, foi prorrogada por mais um mês para governador recuperar as condições físicas diante dos efeitos colaterais da quimioterapia

Afastado há sete meses, Pezão retorna ao governo do Rio na terça-feira Valter Campanato/Agência Brasil
Pezão foi diagnosticado com um linfoma não-Hodgkin, um tipo de câncer linfático, no dia 24 de março Foto: Valter Campanato / Agência Brasil
Agência Brasil
Agência Brasil

Depois de sete meses licenciado para tratamento de um câncer, o governador Luiz Fernando Pezão reassumirá o cargo na terça-feira, informou a assessoria de imprensa do governo fluminense. A licença que Pezão havia conseguido expira nesta segunda e o político retornará imediatamente às suas funções.

O governador já havia dito, em entrevista à TV Brasil, no último dia 13, que pretendia voltar ao cargo no início de novembro e que dependia apenas de avaliações médicas para isso.

Leia mais
Pezão promete manter projeto de UPPs apesar de crise financeira no Rio
Após Beltrame, chefe da Polícia Civil do RJ também pede demissão
Beltrame pede demissão e deixará governo do Rio após 2º turno das eleições

Pezão foi diagnosticado com um linfoma não-Hodgkin, um tipo de câncer linfático no dia 24 de março e entrou de licença médica quatro dias depois. Em julho, exames de imagem mostraram resolução completa do quadro de linfoma do governador. Diante do resultado, os dois últimos ciclos de quimioterapia previstos para o tratamento de Pezão foram suspensos.

A licença, que seria até o dia 31 de agosto, teve que ser prorrogada até o dia 31 de outubro para, segundo o governo do Estado, recuperar as condições físicas de Pezão diante dos efeitos colaterais da quimioterapia.

Na sexta-feira, ao participar de um seminário sobre infraestrutura na Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan), Pezão havia dito que o estado ainda não tinha recursos para pagar o 13º salário dos servidores. Mesmo com a crise financeira do estado, ele descartou a possibilidade de demitir servidores ou reduzir os salários do funcionalismo. Pezão também afirmou que vai recorrer da decisão do Tribunal de Justiça que proibiu o estado a renovar benefícios fiscais e conceder novos.

Leia as últimas notícias de Política

*Agência Brasil

 
  •                                
  •  
     
  •  
     
  •  
O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros