Maia quer votar alteração na Lei da Repatriação nesta terça - Economia - O Sol Diário

Congresso11/10/2016 | 12h08

Maia quer votar alteração na Lei da Repatriação nesta terça

Principal discussão é relacionada ao percentual dos recursos que serão destinadas para a União, os Estados e os municípios 

Maia quer votar alteração na Lei da Repatriação nesta terça Gustavo Lima/Fotos Públicas/ Câmara de Deputados
Foto: Gustavo Lima / Fotos Públicas/ Câmara de Deputados
Agência Brasil
Agência Brasil

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), garantiu nesta terça-feira que o projeto que altera a Lei da Repatriação será votado ainda hoje. Maia fez a declaração após receber a proposta de 11 governadores que participaram de um café da manhã na residência oficial do presidente da Casa. A declaração antecedeu, inclusive, uma conversa com o Palácio do Planalto que pode ser crucial para o avanço ou não da proposta no plenário.

O ponto central da negociação com os governadores diz respeito ao corte de arrecadação da multa que garantiria distribuição deste montante para Estados e municípios.

Leia mais
Temer agradece a deputados pela aprovação da PEC dos Gastos Públicos 
Veja como votaram os deputados gaúchos na aprovação da PEC do teto

No atual texto elaborado pelo relator do projeto, deputado Alexandre Baldy (PTN-GO), a União se comprometeria a repassar cerca 49% sobre valores captados com o pagamento de multas a partir da cifra de R$ 25 bilhões. Já o Ministério da Fazenda e a Receita Federal sustentam que este limite tem que ser a partir do excedente a R$ 35 bilhões. Governadores querem um corte em R$ 15 bilhões.

— Com a mudança da lei, os estados defendem (a partilha do) o pagamento da multa que também é principal e não acessório — defendeu Pedro Taques, ex-senador e atual governador do Mato Grosso. 

Pela regra de distribuição do Fundo de Participação, os Estados receberiam 21,5% do excedente. Outros 24% seriam distribuídos entre municípios e União teria 51% deste valor a mais.

Taques ainda destacou a bandeira dos estados por uma antecipação do prazo para que as administrações locais recebam parte do dinheiro ainda no próximo mês. 

—Queremos ainda que passe do dia 16 para o dia 8 e ganhamos 10 dias e os Estados podem receber ainda em novembro — acrescentou.

O governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, que esteve afastado do cargo por motivos de doença, também participou do encontro e saiu confiante na tentativa de diálogo de Maia com o Executivo. Pezão lembrou também que, conseguindo este reforço de caixa de um lado, os governadores assumiriam, por outro lado, um compromisso com o governo. 

— O trabalho da gente é assumir o compromisso de todos os governadores estarem unidos em torno da reforma da previdência que é o nosso grande anseio — disse.

— Colocamos que houve aceno do Governo Federal para que pudéssemos tratar o excedente a partir de R$ 25 bilhões. O presidente da Câmara levará a proposta dos governadores ao Palácio porque eles não enxergam outra maneira de conseguirem o apoio econômico e financeiro para fecharem as contas no final do ano — disse Baldy. 

Paralelamente às negociações, a Câmara está reunida desde 9h em sessão extraordinária para votar a proposta. A sessão foi suspensa mas a aposta de Maia é que seja retomada para concluir o projeto ainda hoje.

Proposta

Pela lei atual, como foi aprovada no final do ano passado, contribuintes que tinham recursos no exterior não declarados podem regularizar suas situações e obter anistia penal e tributária em troca do pagamento de 15% de multa e 15% de Imposto de Renda (IR) sobre o valor.

Outro ponto em discussão é se a base para cobrança destas taxas de regularização seria o saldo mantido em 31 de dezembro de 2014 ou o fluxo movimentado pelo contribuinte.


 
  •                                
  •  
     
  •  
     
  •  
O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros