Pedro Machado: lideranças avaliam quais temas devem ser mais discutidos no 2º turno em Blumenau - Economia - O Sol Diário

Eleições 201604/10/2016 | 07h03

Pedro Machado: lideranças avaliam quais temas devem ser mais discutidos no 2º turno em Blumenau

Entre lideranças empresariais de Blumenau, a confirmação de um segundo turno entre Napoleão Bernardes (PSDB) e Jean Kuhlmann (PSD) já era esperada e não surpreende – apesar de alguns rumores de que o pleito poderia ser definido já no domingo. Por mais que seja um chavão no mundo político, uma nova eleição começa a partir de agora. Com menos candidatos no páreo, a expectativa é que temas que monopolizaram as discussões até então e outros que tiveram pouco destaque sejam aprofundados no debate com vistas a 30 de outubro.

:: Leia mais informações de Pedro Machado

A coluna consultou seis personagens locais que estão diretamente ligados a áreas como indústria, comércio, empreendedorismo, ensino e inovação e os questionou sobre os temas que devem ser mais discutidos no segundo turno e qual é o desafio do prefeito eleito a partir de 2017. Confira:

Carlos Tavares D’Amaral
Presidente da Acib

O que deve ser mais discutido no segundo turno?
O problema da mobilidade urbana. Eu digo sempre da ligação Velha-Garcia. Nenhum prefeito quer falar nela porque custa caro e demora muito tempo para fazer. Também tem o problema das pontes. Não é uma ponte que a gente precisa, são várias. Precisamos criar binários e fazer o prolongamento da Rua Chile. Outra coisa importante é a revitalização do Aeroporto Quero-Quero. É um equipamento importante para o crescimento de negócios em Blumenau, além de representar um ponto de apoio fundamental para os transplantes de órgãos.

Qual o principal desafio do prefeito eleito?
Blumenau está ficando muito insegura. O prefeito tem que conseguir junto ao governo do Estado uma melhora nessa situação. Somos a cidade-polo mais mal servida de Santa Catarina, tanto por policiais militares e civis quanto por bombeiros.

***

Udo Schroeder
Vice-reitor da Furb e presidente do Conselho de Administração
do Instituto Gene

O que deve ser mais discutido no segundo turno?
A Furb é um ente municipal e em nenhum plano de governo a gente vê um movimento no sentido de reforçar a posição da universidade. Ela é um instrumento muito interessante para o desenvolvimento econômico e cultural. As discussões dificilmente trazem alguma proposta de como a universidade pode ajudar de alguma forma. O debate sobre inovação já foi bom no primeiro turno, mas precisamos aprofundá-lo.

Qual o principal desafio do prefeito eleito?
A questão econômica certamente. Dificilmente qualquer prefeito conseguirá fazer grandes coisas neste momento. Um dos desafios, onde Blumenau de certa forma perdeu protagonismo, é justamente na questão da inovação, e isso está atrelado também à educação.

***

Carlos Braga Mueller
Presidente da Ampe Blumenau

O que deve ser mais discutido no segundo turno?
A nossa visão é no sentido de conseguir para as micro e pequenas empresas aquilo que elas precisam, que é tratamento tributário favorecido, garantido pela Constituição e também pela Lei Geral das MPEs em Blumenau. Temos que encontrar soluções para o pequeno empreendedor.

Qual o principal desafio do prefeito eleito?
Conheço a gestão da grande empresa. O que é aplicado nas grandes pode ser aplicado nas menores, mas os incentivos fiscais não abrangem as pequenas. É preciso encontrar ideias e novas formas de atrair e não assustar e afastar o empresário, para que ele se sinta à vontade para investir em Blumenau.

***

Valmir Zanetti
Presidente do Blumenau e Vale Europeu Convention & Visitors Bureau

O que deve ser mais discutido no segundo turno?
Nenhum dos candidatos falou com ênfase no turismo, que é dinheiro novo que entra na cidade. Fiquei um pouco frustrado porque nenhum deles disse com veemência que apostaria na área como uma das grandes frentes de trabalho. Desenvolvimento econômico e turismo geram novas oportunidades.

Qual o principal desafio do prefeito eleito?
Algo que me chama muito a atenção é a relação com o entorno, as cidades vizinhas. O futuro mandatário tem de pensar regionalmente. A gente precisa construir em conjunto algumas condições para a região ser forte e ter mais eficácia naquilo que ela faz.

***

Hélio Roncáglio
Presidente da CDL Blumenau

O que deve ser mais discutido no segundo turno?
Projetos viáveis, mostrar para o que realmente existe verba e como pode ser feito. E também o projeto futuro dos candidatos. Um pode estar sendo eleito para o último mandato. Vai ficar até o fim? E o outro, tem projeto para quatro anos ou oito? Isso eles têm que apresentar agora para que o eleitor comece a enxergar o que cada um pode fazer.

Qual o principal desafio do prefeito eleito?
O maior desafio hoje de um prefeito, para manter o orçamento, é botar ordem na casa. É enxugar a máquina pública e reduzir cargos comissionados e secretarias, mas mantendo o atendimento para a população principalmente em áreas como saúde e educação.

***

Ulrich Kuhn
Presidente do Sintex e diretor da Fiesc

O que deve ser mais discutido no segundo turno?
Na saúde, um tema que tem que ser aprofundado é a falta de pediatras nos postinhos de saúde. É um problema clássico. E educação, evidente, também tem que avançar. Não adianta ficar prometendo coisas que a gente sabe que não dá para fazer. Tem que ser algo dentro das possibilidades.

Qual o principal desafio do prefeito eleito?
Temos que aprofundar as discussões para tornar Blumenau uma cidade mais humana e agradável para todos. Isso significa criar condições para diminuir a violência, e isso não é só uma questão de efetivo policial. É preciso ter mais áreas de convivência e diminuir favelas e áreas pobres. Outro ponto é reduzir a estrutura da prefeitura, com menos cargos comissionados.

JORNAL DE SANTA CATARINA

 
  •                                
  •  
     
  •  
     
  •  
O Sol Diário
Busca
clicRBS
Nova busca - outros